Aécio terá que fazer 'flexão social' para ter apoio de Marina, diz Feldman

Por Luciana Lima -iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Walter Feldman disse que o tucano tem posturas mais conservadoras e comparou a situação ao aceno que Lula deu ao mercado financeiro para ser eleito em 2001

O ex-deputado Walter Feldman, coordenador da campanha da ex-senadora derrotada no primeiro turno, disse , nesta quinta-feira (9), em Brasília, que Aécio terá que fazer uma "flexão social" para ter o apoio da ex-senadora. Feldman comparou a situação atual com a mudança que o ex-presidente Lula precisou fazer para ganhar as eleições ser eleito em 2002.

Leia mais: Marina aguarda resposta tucana sobre exigências para apoiar Aécio Neves

Força de apoio de Marina Silva para segundo turno divide analistas

Rede sugere voto em Aécio, em branco ou nulo para o segundo turno, diz Feldman

"Às vezes, Aécio tem posturas mais conservadoras e como Lula fez uma flexão econômica para chegar ao poder, Aécio terá que fazer uma flexão social. Precisa de um compromisso social para que a gente tenha um avanço das políticas publicas que foram implantadas até agora".

Entre os pontos que a Rede apresentará a Aécio estão o compromisso com o fim da reeleição, uma posição contrário à redução da maioridade penal, um dos principais pontos do item de segurança do programa de governo tucano, além do compromisso de assentar 85 mil famílias da reforma agrária. Outra exigência é uma posição firme de Aécio contra a flexibilização de direitos trabalhistas. A Rede, partido não oficial criado por Marina, também pede a Aécio uma política progressista em relação ao clima e a demarcação de terras indígenas. Outros pontos, como escola de tempo integral, passe livre para estudantes e redução do fator previdenciário, são também exigidos.

Os partidos que sustentaram a campanha de Marina pediram para amanhã uma reunião com o presidenciável para apresentar o pedido. Eles justificam o eventual apoio para que haja uma alternância

O PPL informou que não vai apoiará nem Aécio e nem Dilma Rousseff (PT) por diferenças programáticas. O PSB declarou apoio ao tucano nesta quarta-feira (8).

Leia tudo sobre: eleições 2014Aécio NevesMarina SilvaApoioSegundo turno

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas