Para candidata, ela encantou a juventude ao levar ideias ao debate eleitoral que não foram levantadas pelos concorrentes

Agência Brasil

Na semana em que os partidos fora do segundo turno das eleições decidem eventuais apoios na disputa entre Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB), a quarta colocada no pleito, Luciana Genro, comemora o resultado e o considera "extraordinário". A candidata, que teve mais de 1,6 milhão de votos (1,55% do eleitorado), avalia que conseguiu encantar a juventude e levar ao debate eleitoral temas que nenhum dos candidatos levantou.

Leia mais: Rede Sustentabilidade dá aval para apoio de Marina a Aécio

A avaliação de que a candidatura do PSOL conseguiu sair da campanha melhor do que entrou, por receber parte dos votos daqueles que participaram das manifestações do ano passado, é compartilhada pelo cientista político e especialista em comportamento eleitoral Leonardo Barreto. Para ele, o voto em Luciana não veio só do “radical”, mas também de um setor da sociedade que é “muito mobilizado”.

E ainda: Em nota, Marina diz que decisão sobre 2º turno sai na quinta-feira

O partido conseguiu superar a quantidade de votos da eleição passada e aumentou a bancada na Câmara de três para cinco deputados. Plínio Arruda Sampaio, candidato do partido em 2010, teve 0,87% dos votos. Luciana Genro conseguiu somar quase metade do total de votos obtidos pelas oito menores candidaturas (3,68 milhões).

Veja fotos de Luciana Genro nas eleições:


“As manifestações de junho contribuíram para que houvesse um processo de negação da política mais forte”, avalia Luciana Genro. Em entrevista à Agência Brasil, ela disse que essa apatia é importante em um primeiro momento, mas insuficiente. O desafio agora, para ela, é organizar essa insatisfação com a “velha política”, a concentração de renda e os serviços públicos precários, e assim passar para um processo de afirmação.

E também: Marina fará parte do governo Aécio se der apoio ao tucano, diz Goldman

De acordo com a fundadora do PSOL, além das defesas do partido do ponto de vista econômico, como a tributação sobre grandes fortunas, as bandeiras defendidas por sua candidatura conseguiram aplacar grande apoio social. Lembrando que as paradas do orgulho LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros) têm reunido milhões de pessoas, Luciana Genro avalia que “nenhuma candidatura tem a ousadia de colocar nas campanhas” posições tão claras como a defesa do casamento civil igualitário para pessoas do mesmo sexo e a criminalização da homofobia.

Segundo Leonardo Barreto, a candidata mirou alguns nichos específicos e continuou apostando em extremidades ideológicas, como a esquerda mais clássica. “Os partidos que não estão disputando a vitória têm uma liberdade maior de discurso e de posicionamentos do que os que estão atrás do eleitor mediano. Parece que isso explica o desempenho dela.”

Ao avaliar que as principais bandeiras apresentadas em seu programa “não serão resolvidas por nenhum dos dois candidatos”, Luciana disse que a posição para o segundo turno será definida nesta quarta-feira (8) em reunião da Executiva Nacional. “O que temos de consenso é de que não daremos nenhum voto para o Aécio, que evidentemente significa retrocesso. Isso não significa apoio a Dilma, têm muitos eleitores do PSOL que vão declarar voto nulo, por exemplo.”

O cientista político justifica que esse voto nulo se deve ao fato de o partido encampar muito o discurso antissistema, inclusive contrário ao funcionamento eleitoral. Na avaliação dele, porém, “por gravidade”, os eleitores da socialista tendem a se aproximar de Dilma.

Luciana Genro, que foi deputada federal entre 2003 e 2010, pretende continuar cumprindo seu papel de figura pública e dirigente do partido. “Para fazer política você não necessariamente precisa ocupar cargo público. Acho que a força que eu possa ter está diretamente relacionada à força do PSOL”, avaliou, ao acrescentar que os deputados eleitos do partido terão um papel importante de seguir defendendo as bandeiras que levantou na campanha.

O cientista político acredita que, apesar de não ter um mandato, Luciana Genro vai continuar desempenhando um papel nesse cenário. Ele considera que esse eleitor mais mobilizado das manifestações trouxe uma agenda persistente ao país, e que o desempenho de Luciana foi importante para destacar seguimentos minoritários que devem ser valorizados e são importantes para a democracia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.