Coordenador tucano em SP nega negociação de cargos e diz que maioria dos marinistas migrará naturalmente para Aécio

O coordenador de campanha de Aécio Neves (PSDB), Alberto Goldman, disse que a ex-senadora Marina Silva (PSB), que ficou em terceiro na eleição presidencial, poderá fazer parte de um eventual governo do tucano caso o apoie no segundo turno. Mas negou que haja negociação de cargos.

2º turno: Se eleito presidente, Aécio Neves não se compromete a ficar um só mandato

"Nem ela vai reivindicar [cargos] nem nós vamos oferecer. Mas é natural, evidentemente, que as forças políticas que estiverem juntas vão governar juntas, é um processo natural. Como se fosse um regime parlamentarista", disse Goldman ao iG , nesta terça-feira (7).

Alberto Goldman, coordenador de campanha de Aécio Neves (psdb) à presidência
PSDB/ DIVULGACAO
Alberto Goldman, coordenador de campanha de Aécio Neves (psdb) à presidência

Com 22,2 milhões de votos no primeiro turno - ante 34,9 milhões de Aécio e 43,3 milhões de Dilma Rousseff (PT) - Marina tem sido amplamente cortejada pelo tucano, que já admitiu mudar o seu programa para adequar ao dela.

Segundo Kennedy Alencar, blogueiro do iG , a candidata do PSB foi convidada para ser chanceler de um eventual novo governo do PSDB. No primeiro comício de segundo turno, nesta terça-feira (7), Aécio incorporou termos do programa de Marina , como "sustentabilidade" e "nova política".

Para Goldman, o apoio formal de Marina é "importante", mas a candidatura tucana prevê que boa parte dos eleitores da ex-senadora migrem naturalmente para Aécio.

Entenda: Com PSB rachado, Marina Silva cogita dar apoio a Aécio Neves

"Ninguém tem o controle de rebanhos. Isso vale para qualquer líder político", diz. "O eleitor da Marina vai tomar a sua decisão. Como a grande maioria do eleitorado da mudança, a grande maioria do eleitorado da Marina virá para o Aécio. Agora, evidentemente que a presença da Marina, que é uma figura forte, ajuda a consolidar esse processo da transição de uma maioria dos votos dela."

Goldman minimizou a possibilidade de contradição entre o discurso de mudança de Aécio e o eventual apoio de alguém que construiu sua carreira política no PT - como o próprio senador argumentou na campanha.

"São questões que, em uma disputa eleitoral, viram quase que puramente táticas", disse. "O que o Aécio usou, colocou a lembrança de que ela era do PT, evidentemente é uma questão tática e eleitoral. E ela compreende isso. Tanto que está, me parece, disposta a caminhar no sentido de apoiar Aécio."

Veja imagens de Aécio Neves em campanha pelo País:

O coordenador da campanha do Aécio também disse acreditar que as principais figuras do PSB - cujo presidente, Roberto Amaral, é próximo do ex-presidente Lula - estarão como Aécio, citando o governador eleito de Pernambuco, Paulo Câmara, e o deputado Beto Albuquerque (RS), vice na chapa de Marina e que já deu sinais de que não apoiará Dilma.

'Alienação' explica desempenho acima do esperado

Goldman considera que Aécio ainda não é suficientemente conhecido pela população brasileira, e cogita mesmo que parte do eleitorado de Dilma possa migrar para o tucano na votação do 2º turno, dia 25.

O coordenador de campanha considera que o desempenho de Aécio - que chegou a cair para 14% das inteõnçes de voto terminou com 34%, acima do que projetavam Ibope e Datafolha - decorre do fato de que as pessoas deixaram para decidir seu voto apenas nos último sdias,.

"Eu diria que [há] até um certo grau de alienação da população sobre o processo de decisão, de escolha de governantes. O que aconteceu foi o que tinha que acontecer", afirma. "Só demorou para acontecer porque a população se ligou mesmo nos últimos dias."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.