Ao lado dos amigos, Nicolas Setsuo afirma ter estudado sobre os candidatos antes de definir seu voto

Nicolas Setsuo estudou antes de ir votar
Amanda Campos/iG
Nicolas Setsuo estudou antes de ir votar

O adolescente Nicolas Setsuo resolveu trocar o passeio semanal com os amigos pelo que chamou de "ação cidadã". Com 17 anos, o jovem comemorou sua estreia como eleitor na Universidade Anhanguera, campus Campo Limpo, neste domingo (5).

"Assisti aos debates, li sobre propostas e levei em conta questões como a falta de água em São Paulo. Quero votar com responsabilidade", afirmou ele.

LEIA MAIS: Eleições têm 1.869 urnas substituídas: "Dentro da média"

Acompanhado por dois amigos, o jovem de fala mansa mostrou sua "cola" antes de entrar na sessão eleitoral e se disse tranquilo antes de votar pela primeira vez.

"Como cidadão, acho muito importante essa oportunidade de opinar sobre quem deveria governar o meu País. Estou feliz por hoje", disse.

Assim como o amigo Nicolas, Gustavo Souto Barbosa, 18, também estreou nas urnas neste domingo. Mas por obrigação, segundo ele.

"Até bem pouco tempo atrás eu não tinha a consciência de que meu voto poderia ser importante para o Brasil", analisou. "Este ano estou preparado. Estudei os candidatos, principalmente os à presidência, e escolhi o que melhor me representaria", acrescentou.

O jovem confidenciou que vai votar no candidato que melhor abordou temas que, em sua opinião, são prioritários para o País, como a questão das minorias sociais e do aborto. "Voto na Luciana Genro porque ela encarou temas polêmicos e apresentou boas propostas", explicou.

E MAIS: Camisa canarinho da seleção vira meio de protesto nas urnas em SP

Nem todos, porém, parecem querer antecipar a obrigatoriedade do voto. Enquanto esperava pela irmã mais velha do lado de fora do maior colégio eleitoral da cidade de São Paulo, Jeferson Silva, 17, afirmou não ter a intenção de votar antes do momento definido por lei.

"Não acompanho política. Acho chato. Vou votar um dia porque sou obrigado", enfatizou.

Com seu skate na mão e mexendo em um dos fones de ouvido, o jovem diz ser contra a obrigatoriedade do voto e acredita que ações diárias, e não política, podem mudar o mundo.

"Não desrespeito ninguém, não prejudico as outras pessoas. Quero mudar o mundo fazendo a minha parte, sendo uma boa pessoa", acrescentou ele.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.