“Foi uma luta de David contra Golias”, diz Marina Silva sobre derrota

Por Wanderley Preite Sobrinho - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em São Paulo, candidata do PSB criticou divulgação de pesquisas de intenção de voto na véspera das eleições

A candidata derrotada do PSB à Presidência da República, Marina Silva, lamentou neste domingo a diferença de tempo no horário eleitoral gratuito em relação a seus adversários. Ela comparou a disputa televisiva à luta bíblica entre David e Golias.

Vagner Campos/ MSILVA Online
Marina Silva fala de luta desigual por tempo na TV

Leia também: Marina dedica "vitória" a Eduardo Campos e sua família

As declarações da ex-candidata a presidente foi feita em um salão de festas na zona oeste de São Paulo, local escolhido por seu partido para o discurso após a apuração das urnas.

Aécio acena a Marina: "Todos que quiserem contribuir serão bem-vindos"

Marina se referiu aos personagens bíblicos quando questionada sobre sua reação às pesquisas eleitorais de sábado que a colocavam em terceiro lugar na disputa. Para ela, não há problema com as pesquisas, mas com a legislação que as permite às vésperas do pleito. “Se há algo a ser questionado, não são as pesquisas, mas a legislação.”

A pessebista lembrou que tinha apenas dois minutos no horário eleitoral, “contra cinco do Aécio e quase 12 da Dilma”. “Isso dificultou a possibilidade de expor nossas ideias e responder [aos ataques] de forma razoável. É de fato uma luta de David contra Golias."

Marina lamentou especialmente a suposta agressividade do PT na campanha, mas disse que “apanhar de seus antigos colegas” é um preço que se paga. “Vale a pena. Estou nessa jornada há mais de 30 anos. Minha determinação é que o Brasil seja melhor e há um preço a se pagar.”

Marina também não quis dizer nada sobre seu futuro político alegando que, no momento, estaria preocupada com o Brasil. “Não fazemos política pensando apenas nas próximas eleições”, disse.

Já o seu vice, o deputado federal Beto Albuquerque, afirmou que tentará eleger o governador do Rio Grande do Sul no segundo turno e que, no ano que vem, talvez exerça advocacia. “Me formei e nunca exerci. Agora pode ser o momento.”

Leia tudo sobre: Eleições 2014

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas