Dilma e Aécio Neves também debateram: eles se acusaram de prejudicar a estatal Petrobras

O segundo bloco do debate à Presidência da República na TV Globo pegou fogo com o duelo entre a petista Dilma Rousseff, presidente e candidata à reeleição, e Marina Silva (PSB), favorita a disputar o segundo turno. Assim como no primeiro bloco, Aécio Neves (PSDB) e Pastor Everaldo (PSC) trocaram passes para atacar o governo petista.

Presidenciáveis Marina e Dilma se cumprimentam antes do debate
Reuters
Presidenciáveis Marina e Dilma se cumprimentam antes do debate

Marina escolheu Dilma para perguntar quem está se apresentando ao eleitor: “a candidata de 2010 favorável à autonomia do Banco Central ou a de agora, que é contra?”. Dilma respondeu dizendo que Marina está “confundindo autonomia e independência” ao assegurar que é favorável à autonomia do BC, mas não por lei.

Mais: Aécio e Marina entram em confronto direto; Luciana Genro ataca a Globo

Em sua vez de falar, Marina acusou Dilma de não ter experiência política. “Não foi vereadora, deputada, senadora e confunde os problemas. Acha que a autonomia do Banco é um poder independe. Ela vai servir para combater a inflação.”

A presidente respondeu que “a inflação está sob controle” e ironizou a adversária ao fazer piada com o slogan de Marina, que defende a eleição de seu nome como alternativa à “velha política. “Fala da minha inexperiência alguém que defende a ‘nova política’... Quer dizer que quem não foi deputada e senadora não pode ser candidata? Está na Constituição que qualquer brasileiro pode ser presidente da República. O que precisa é competência.”

O bloco começou com Aécio perguntando a Dilma. Enquanto a petista acusou o tucanato de tentar privatizar a Petrobras quando esteve no governo, Aécio respondeu dizendo que o o PT entregou a estatal a uma “quadrilha”.

O bloco, com assuntos temáticos, terminou tratando da violência pública. Fidelix acusou Luciana Genro de defender o consumo às drogas ao advogar a legalização da maconha, enquanto a candidata do PSOL perguntou à Marina se ela não iria fazer como o PSDB e aumentar o rigor contra jovens infratores.

Marina respondeu grosso. Disse que a rival era eleitoreira ao criticar seu programa de governo, mais parecido com o da socialista do que com o do tucano ou petista. “Você é que mudou o seu programa depois que eu reclamei que antes só tinha frase genérica.”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.