Dilma muda estratégia e mira em Aécio no debate da TV Globo

Por Vitor Sorano - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Petista sequer faz perguntas para Marina Silva, que havia sido alvo preferencial de seus ataques nos embates anteriores

A recuperação de Aécio Neves (PSDB) nas pesquisas de intenção de voto levou Dilma Rousseff (PT) a privilegiar o tucano em seus ataques durante o debate na TV Globo desta quinta-feira (2), em detrimento de Marina Silva (PSB). Alvo prioritário até então, a pessebista não chegou a ser alvo de perguntas da petista.

Pesquisa Datafolha feita em 1º e 2 de outubro mostra que a diferença entre Aécio e Marina, que chegou a ser de 20 pontos, está em três pontos - ele com 21% e ela com 24% -, o que configura empate técnico. Dilma tem 40%. A mudança de postura da presidente reavivou a polarização PT e PSDB que dominou eleições anteriores, mas havia ficado em segundo plano neste ano em razão da ascensão da candidata do PSB.

Análise: Aécio enfatiza escândalo da Petrobras e ataca Dilma e Marina

AP Photo/Felipe Dana
Presidente Dilma, candidata à reeleição, evitou perguntas a Marina em último debate

O primeiro tema escolhido pela petista para atacar diretamente o tucano, inclusive, foi a privatização - uma arma historicamente presente nas campanhas do PT contra o PSDB.

No início do segundo bloco, Dilma retomou a discussão, ocorrida durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) sobre a venda da Petrobras e afirmou achar estranho que Aécio trate "privatizações com tanta leveza."

Ataque: Marina tenta polarizar com Dilma e se descolar de Aécio no último debate

A presidente voltou a questionar o tucano no terceiro bloco, perguntando qual a opinião dele sobre o programa Minha Casa, Minha Vida - uma das marcas do governo do PT. A questão serviu de pretexto para que a petista e o tucano discustissem a paternidade de programas sociais, como o Bolsa Família, e qual governo combateu melhor a inflação.

Contra Marina, Dillma manteve a estratégia de criticar a proposta, incluída no programa do PSB, de estabelecer a autonomia formal do Banco Central - o que impediria a intervenção do governo no comando da autoridade monetária -, como fez ao longo da campanha. "O que está escrito em seu programa é a independência do Banco Central", disse Dilma em resposta a questionamento de Marina sobre o tema. "Independência do Banco Central é dar um quarto poder para os bancos."

Leia mais sobre o debate na TV Globo:

Nova estratégia: No ataque, Marina tenta polarizar com Dilma e se descolar de Aécio
Última chance: Aécio e Marina assumem agressividade em debate de duelos
Ataques: Dilma vira alvo e Aécio e Marina se enfrentam: 'não ponha palavra na minha boca'
Farpas: Marina acusa Dilma de experiente e petistsa rebate: 'você não é a nova política?' 

Dilma também contra-acatou Marina sobre corrupção. "Vamos colocar as coisas, os pingos nos is. O seu diretor, nomeado por você, de fiscalização do Ibama [subordinado ao Ministério do Meio Ambiente, que foi comandado pela candidata do PSB], foi afastado no meu governo por crime de desvio de recursos e eu nao sai por aí dizendo que você tenha acobertado a corrupção", disse Dilma.

Ao fim do debate, Dilma negou que tenha privilegiado ataques a Aécio. "Não priorizei nenhum candidato. Eu fiz as perguntas porque as pessoas vão sendo definidas, ao longo do debate", afirmou Dilma em coletiva de imprensa.

Veja imagens da último debate entre os presidenciáveis na TV Globo:

Sete presidenciáveis que participaram do debate da TV Globo na noite desta quinta-feira (02). Foto: ReutersPresidenciáveis Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB) se cumprimentam antes do debate . Foto: ReutersAécio Neves (PSDB) e Dilma se encontram na chegada ao estúdio do debate da Globo . Foto: APAécio e Marina Silva, candidatos do PSB à Presidência, cumprimentam-se antes do debate na TV Globo. Foto: Ricardo Moraes/Reuters - 2.10.14Diferentemente dos outros debates, os candidatos não estavam em púlpitos, mas sentados em cadeiras  . Foto: ReproduçãoLuciana Genro (PSOL) abriu o debate fazendo perguntas para candidata à reeleição Dilma. Foto: ReproduçãoJá no primeiro bloco, Marina e Aécio partiram para o enfrentamento, de olho numa vaga no segundo turno . Foto: ReproduçãoMarina e Dilma também trocaram farpas durante o debate . Foto: ReproduçãoEduardo Jorge (PV) uma postura mais descontraída do que os adversários. Foto: ReproduçãoLevy Fidelix (PRTB) foi atacado pelos adversários por suas declarações antigay . Foto: ReproduçãoAécio e Luciana bateram boca, a candidata do PSOL se desentendeu com o tucano: 'Não aponte o dedo para mim ' . Foto: ReproduçãoDilma e Rousseff são fotografadas pouco antes do debate da Rede Globo . Foto: AP

Corrupção é principal arma de adversários

A corrupção continuou a ser a principal arma dos adversários contra Dilma e, dentro do tema, ênfase foi dada à demissão do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, preso pela Polícia Federal durante a Operação Lava Jato, que investiga lavagem de dinheiro de recursos oriundos de corrupção da estatal.

No debate anterior, realizado pela TV Record em 29 de setembro, a petista havia tentado usar a demissão e a prisão de Costa como provas de que seu governo tem combatido a corrupção. Marina e Aécio, entretanto, bateram na tecla de que as atas da estatal provam que o ex-diretor é quem deixou o cargo.

Dilma argumentou ser prática comum no serviço público que, quando é demitido, um servidor peça para sair. A presidente também prometeu implementar novas medidas para combater a corrupção, como tornar a prática de caixa 2 crime eleitoral e criminalizar todas as ações de servidores que resultem em enriquecimento ilícito.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas