José Mariano Beltrame afirmou também que ações de reforços à segurança para as eleições vão começar nesta sexta-feira

Agência Brasil

O secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, afirmou nesta quinta-feira (2) que há uma predisposição para ações criminosas e confrontos no período eleitoral. Segundo o secretário, já estavam previstas, para começar amanhã, ações de reforço à segurança para as eleições.

José Mariano Beltrame, secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro
Alan Sampaio / iG Brasília
José Mariano Beltrame, secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro

"Há uma predisposição a isso. Não posso dizer que [as ações criminosas] estão relacionadas às eleições, mas, se vocês fizerem uma reflexão e acompanharem o que, em 2007, o tráfico fez aqui, inclusive botando fogo com pessoas vivas dentro de um ônibus e metralhando delegacias. Que, em 2010, começou a espalhar focos de incêndio, e agora novamente nós temos essas ações. Pode haver uma predisposição a isso", disse o secretário, que participou de uma reunião que durou cerca de uma hora com o governador Luiz Fernando Pezão, o chefe de Polícia Civil, Fernando Veloso, e o comandante-geral da Polícia Militar, José Luís Castro Menezes. "Em 2007 [início do primeiro mandato de Sérgio Cabral], quando anunciei que ia mandar 40 presos para um presídio federal, seis pessoas barbarizaram a cidade. Em 2010, a mesma coisa, porque nós poderíamos permanecer [no governo]".

Leia mais: Exército vai patrulhar Favela da Maré nas eleições

A reunião ocorreu no Centro Integrado de Comando e Controle do Estado do Rio e, segundo Beltrame, teve o objetivo de pôr o governador a par das ações que estão planejadas. A partir de amanhã, a Polícia Civil fará operações de repressão qualificada em vários pontos da cidade e algumas delegacias serão reforçadas. Já a Polícia Militar terá o dobro de policiais de batalhões de operações especiais nas ruas, com esquema especial de folgas. "A inteligência vai procurar buscar informações bastante detalhadas no sentido de antecipar qualquer tipo de ação".

Para o dia da eleição, Beltrame afirmou que haverá forte policiamento na cidade: "Domingo, temos um trabalho especial, um número muito grande de policiais. Onde tiver uma urna na cidade, vai ter um policial militar".

E também: Rio pede forças federais para garantir campanha em áreas de milícia

O confronto, que chegou a fechar ontem a Avenida Brasil, aconteceu, segundo o secretário, quando a polícia impediu a movimentação de traficantes da Pedreira, que saíram do Caju em direção ao Complexo da Maré. Há unidades de polícia pacificadora nas favelas do Caju e no Complexo da Maré. "É um movimento articulado do tráfico no sentido de desmoralizar totalmente o trabalho de pacificação, quem sabe pretendendo que esse projeto não continue. É uma demonstração de que prejuízos estão acontecendo a esses marginais", disse Beltrame.

Sobre o Morro do Cavalão, na zona sul de Niterói, Beltrame afirmou que as ações criminosas foram orquestradas por um preso apelidado de Cadar, que será transferido de Bangu 3 para um presídio federal. O ônibus incendiado na noite de ontem no bairro vizinho, Icaraí, foi queimado por 15 menores de idade, segundo Beltrame. O secretário afirmou ainda que os confrontos na Mangueira se devem à situação financeira do tráfico e que, na Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha, um traficante foi morto pelo Batalhão de Operações Especiais. "São ações, no nosso entendimento, em um primeiro momento, isoladas, mas a intelgência está atenta".

Beltrame lembrou que há limitações legais para operações policiais no período eleitoral. Nos cinco dias anteriores às eleições e nas 48 horas posteriores, a lei só permite realizar prisões em flagrante, em virtude de sentença criminal condenatória por crime inafiançável ou por desrespeito a salvo-conduto. Apesar disso, ele garantiu que a Polícia Civil está detectando prisões que poderão ser feitas depois do pleito. "A resposta que temos que dar tem que ser racional, pensada. Não é uma resposta à base de tiro e à base de entrada em maneira inopinada em qualquer lugar".

Veja os principais candidatos ao governo do Rio de Janeiro em campanha:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.