Rachel Moreno nasceu no Egito e busca ser eleita como deputada em SP. Eleições têm mais de cem naturalizados

As eleições de 2014 contam com 111 candidatos que não nasceram no Brasil, mas, naturalizados, adotaram o País como pátria e buscam conquistar cargos públicos. É o caso de Rachel Moreno (PT), candidata a deputada federal que fugiu da Guerra de Suez, no Egito, e hoje se considera “mais brasileira do que qualquer outro".

Pesquisa eleitoral: Dilma tem 39%, Marina, 25%, e Aécio, 19%, aponta Ibope

Rachel tinha 11 anos quando deixou a cidade de Alexandria (Egito), com os pais e uma irmã, e desembarcou em território brasileiro em 1957, após sua família judia-egípcia enfrentar dias difíceis na guerra. Ela conta que na época o Brasil já “fazia parte do imaginário” dos seus familiares, pois era um dos poucos países abertos a imigrantes.

Nascida no Egito, Rachel Moreno é candidata do PT ao cargo de deputada federal em São Paulo
Reprodução
Nascida no Egito, Rachel Moreno é candidata do PT ao cargo de deputada federal em São Paulo

“Cada pessoa podia sair com até U$ 100 no bolso [ do Egito ]. Minha mãe, que até então nunca tinha trabalhado, virou secretária porque falava francês e inglês. Como eu era criança, não falei por dois meses. Tinha medo de falar besteira na escola”, relembra a psicóloga e escritora, ressaltando que uma das maiores barreiras de adaptação foi a língua portuguesa. Até hoje a família conserva práticas da cultura judaica.

Leia mais sobre eleições 2014: 

Datafolha: Dilma Rousseff tem 40%, Marina Silva 25% e Aécio Neves 20%
Do luto à luta: pais de vítimas da violência e negligência entram na política
Na reta final do primeiro turno, PSDB vê futuro incerto

A candidatura política, segundo Rachel, surgiu quase que por acidente após uma amiga desistir na última hora na disputa. “Nunca tinha pensado nisso”, confessa. Com uma campanha “pobre de recursos e predominantemente militante”, a psicóloga formada na USP tem como principal bandeira a equidade de gêneros e representação das mulheres na política. Ela diz que nunca foi alvo de preconceitos por sua origem, mas para quem pensar em criticá-la por não ser “brasileira pura”, ela responde: “Estou aqui desde 1957. Sou mais brasileira do que qualquer outro, na verdade”.

Veja outros candidatos naturalizados das eleições 2014:

Naturalizados em números e regras

Segundo o TSE, entre os candidatos naturalizados, quase 80 buscam vagas nas Assembleias Legislativas e outros 30 querem conquistar assentos na Câmara dos Deputados. Dois candidatos disputam cargo de deputado distrital, um a segundo suplente de senador e outra a vice-governador.

Alguns candidatos preencheram ainda ficha de candidatura do TSE com a cidade de origem, como A Caniza (Espanha), Bekarzala (Líbano), Cabo Verde (Portugal), Castrovillari (Itália), Concepción (Paraguai), Haifa (Israel), Montevidéu (Uruguai) e Trípoli (Líbano).

Entre todos os Estados brasileiros, São Paulo está no topo do ranking como o que tem mais candidatos naturalizados no pleito, com 35 representantes. Empatados com o segundo lugar, aparecem Minas Gerais e Pernambuco, com 13 naturalizados cada.

De acordo com a Constituição Federal brasileira, estrangeiros estão aptos a concorrer a cargos eletivos no Brasil desde que sejam naturalizados. A única exceção na corrida eleitoral é a Presidência da República, cargo exclusivo aos brasileiros natos. A vice-presidência, presidência do Senado e da Câmara também não podem ser ocupados por estrangeiros, mesmo naturalizados.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.