Alckmin nega que tenha evitado confronto com Skaf e Padilha em debate

Por Anderson Passos - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Peemedebista Paulo Skaf acusou candidato tucano à reeleição de intimidar prefeitos do PMDB a apoiá-lo

O governador de São Paulo e candidato à reeleição, Geraldo Alckmin (PSDB), rejeitou na madrugada desta quarta-feira (1º) que evitou confrontar os adversários diretos na disputa ao governo do Estado. Os concorrentes ao Palácio dos Bandeirantes participaram nesta terça-feira (29) do último debate antes do primeiro turno, realizado pela TV Globo. 

Análise: Subindo em pesquisa, Skaf e Padilha se unem para atacar Alckmin em debate

"Todos são candidatos, todos são iguais. Abordamos temas como saúde, educação para o trabalho, segurança pública e investimentos para o estado", resumiu Alckmin, em entrevista coletiva aos jornalistas, explicando porque não dirigiu questionamentos diretos ao peemedebista Paulo Skaf e ao petista Alexandre Padilha.

Veja imagens do último debate entre candidatos ao governo de São Paulo:

Candidatos ao governo de São Paulo participaram na noite desta terça-feira (30) do último debate antes do primeiro turno das eleições. Foto: Marcos Bezerra/Futura PressLíder nas pesquisas e candidata à reeleição, Geraldo Alckmin participou do encontro com concorrentes ao Palácio dos Bandeirantes. Foto: ReproduçãoSegundo nas pesquisas, Paulo Skaf (PMDB) foi pouco atacado neste debate da Rede Globo, realizado nesta terça-feira. Foto: ReproduçãoAlexandre Padilha (PT) atacou o rival tucano inúmeras vezes no debate com os temas falta de água e saúde pública. Foto: ReproduçãoO jornalista César Tralli foi o mediador do último debate antes do primeiro turno das eleições. Foto: ReproduçãoLaércio Benko (PHS) também participou do encontro e se declarou contra a reeleição em cargos legislativos. Foto: ReproduçãoGilberto Maringoni (PSOL) usou seu tempo de resposta para criticar o presidenciável Levy Fidelix e "o discurso homofóbico". Foto: ReproduçãoGilberto Natalini, representante do PV, também participou do debate na TV Globo nesta terça-feira. Foto: ReproduçãoWalter Ciglioni (PRTB) defendeu o colega de partido Levy Fidelix, dizendo que as pessoas precisam 'respeitar a liberdade de expressão'. Foto: ReproduçãoEncontro com concorrentes ao Palácio dos Bandeirantes é o último antes do primeiro turno das eleições, realizado no dia 5 de outubro. Foto: Reprodução

Durante o debate, o Alckmin direcionou suas perguntas aos candidatos com menor expressão, como o nanino Gilberto Natalini, representante do PV. O candidato Natalini, por sua vez, afirmou que "não houve nenhum tipo de agrado" ao tucano e que apresentou opiniões divergentes à atuação do governo paulista em diferentes áreas.

Sobre o tema central do debate, o risco de falta de água no Estado, Natalini opinou da necessidade de alertar a população sobre o risco de racionamento. Tanto no debate quanto na entrevista coletiva, o tucano fez questão de dizer que esse risco está descartado.

Alckmin minimizou a questão sobre os alvos de suas perguntas e disse que "o que interessa são os temas" levados ao debate. Para o tucano, houve uma "quantidade impressionante de perguntas" que nem sempre ele pôde responder.

Em rápida fala aos jornalistas, Skaf (PMDB) atribuiu a uma ação "intimidatória" do governador paulista o apoio de prefeitos de seu partido à reeleição do tucano. Ele disse que espera a 'pesquisa' de 5 de outubro - data do primeiro turno das eleições - para opinar sobre pesquisas.

Alckmin vive na Disneylândia

Ao deixar os estúdios da TV Globo, Padilha lamentou que Alckmin tenha fugido ao embate direto e destacou que o tucano vive no mundo da propaganda. "Parece a Disneylândia", alfinetou o petista ao comentar a propaganda eleitoral tucana e a tese de Alckmin de que "não faltará água no Estado". 

Em terceiro lugar nas pesquisas de intenções de voto, Padilha desafiou o atual governador e visitar comunidades do Estado que têm sofrido com a falta de água, propondo ainda o "desafio da torneira de água". 

"Faço o desafio da torneira de água. Eu quero que ele [Alckmin] vá comigo até a Barra de Taipas que há 20 anos não tem água. A Guarulhos, a vários bairros da capital de São Paulo pra ver o que está acontecendo. Eu acho que esse debate escancarou a falta de sensibilidade do governo do Estado", criticou. 

Perguntado sobre a chance de chegar ao segundo turno da corrida eleitoral, Padilha disse que a militância do PT está na rua e que a imprensa e os institutos de pesquisa terão de rever seus conceitos depois da eleição do próximo domingo (5).

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas