TSE pode julgar denúncias de homofobia contra Levy Fidelix

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Presidenciável do PRTB fez críticas à comunidade LGBT durante debate na TV Record, no último final de semana

Agência Brasil

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pode julgar na sessão noturna desta terça-feira (30), os pedidos de direito de resposta ajuizados contra o candidato à Presidência da República, Levy Fidelix (PRTB). Com menos de 1% da intenção de votos segundo as últimas pesquisas, Fidelix é acusado de homofobia durante debate entre os presidenciáveis, no último domingo (28).

Veja a fala de Fidelix no debate da TV Record:


Defensores dos direitos LGBT acusam o candidato de ter incitado o ódio contra lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis ao explicar porque é contrário ao casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Leia mais: LGBTs preparam "beijaço" contra Levy Fidelix em São Paulo

Discurso agressivo de Levy Fidelix contra gays gera revolta nas redes sociais

Para candidatos 'nanicos', lei eleitoral favorece partidos grandes

Por que partidos considerados nanicos têm tanto espaço no debate eleitoral?

Três representações contra o candidato foram protocoladas na Corte eleitoral. A primeira, ajuizada pela Comissão Nacional da Diversidade Sexual da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), requer que parte do tempo de propaganda eleitoral gratuita a que o candidato tem direito seja destinada para que entidades de defesa da comunidade LGBT se manifestem sobre as declarações de Fidelix. A OAB também pede a cassação do registro de sua candidatura.

Veja as reações na internet à fala do candidato: 

Candidato do PRTB recebeu ataques de eleitores por sua posição contra a comunidade LGBT. Foto: Página pessoal do FacebookLevy Fidélix também foi atacado pela militância de Luciana Genro. Foto: Facebook/ReproduçãoComentário de Levy Fidelix causou revolta nas redes sociais e virou o assunto mais comentado no Twitter. Foto: ReproduçãoComentário de Levy Fidelix causou revolta nas redes sociais e virou o assunto mais comentado no Twitter. Foto: ReproduçãoComentário de Levy Fidelix causou revolta nas redes sociais e virou o assunto mais comentado no Twitter. Foto: ReproduçãoComentário de Levy Fidelix causou revolta nas redes sociais e virou o assunto mais comentado no Twitter. Foto: ReproduçãoComentário de Levy Fidelix causou revolta nas redes sociais e virou o assunto mais comentado no Twitter. Foto: ReproduçãoComentário de Levy Fidelix causou revolta nas redes sociais e virou o assunto mais comentado no Twitter. Foto: ReproduçãoComentário de Levy Fidelix causou revolta nas redes sociais e virou o assunto mais comentado no Twitter. Foto: ReproduçãoComentário de Levy Fidelix causou revolta nas redes sociais e virou o assunto mais comentado no Twitter. Foto: ReproduçãoComentário de Levy Fidelix causou revolta nas redes sociais e virou o assunto mais comentado no Twitter. Foto: ReproduçãoComentário de Levy Fidelix causou revolta nas redes sociais e virou o assunto mais comentado no Twitter. Foto: ReproduçãoComentário de Levy Fidelix causou revolta nas redes sociais e virou o assunto mais comentado no Twitter. Foto: ReproduçãoComentário de Levy Fidelix causou revolta nas redes sociais e virou o assunto mais comentado no Twitter. Foto: ReproduçãoComentário de Levy Fidelix causou revolta nas redes sociais e virou o assunto mais comentado no Twitter. Foto: ReproduçãoComentário de Levy Fidelix causou revolta nas redes sociais e virou o assunto mais comentado no Twitter. Foto: ReproduçãoComentário de Levy Fidelix causou revolta nas redes sociais e virou o assunto mais comentado no Twitter. Foto: Reprodução


Para a comissão da OAB, o candidato fez afirmações “injuriosas e depreciativas contra a população LGBT”, inclusive incitando à violência. “Aparelho excretor não reproduz. Como é que pode um pai de família, um avô ficar escorado porque tem medo de perder voto? Prefiro não ter esses votos, mas ser um pai, um avô que tem vergonha na cara, que instrua seu filho, que instrua seu neto. Vamos acabar com essa historinha". "Nós tratamos a vida toda com a religiosidade para que nossos filhos possam encontrar realmente um bom caminho familiar".

“Apesar de no Brasil ainda não haver uma legislação específica que puna a homofobia, não se pode subtrair a punição ao crime eleitoral, configurado nesse caso, pelas práticas de injúria, difamação e calúnia”, comentou a presidente da comissão da OAB, Maria Berenice Dias. Para a advogada, ao proferir “manifestações chulas e comparar orientação sexual à pedofilia”, o candidato demonstrou ser “absolutamente desqualificado para concorrer a um cargo público.

“As pessoas têm direito a expressar livremente suas opiniões, desde que não ofendam e não atinjam a integridade moral de outras pessoas. É terrível alguém em sua própria casa ter que ouvir uma manifestação dessa natureza, que causa dano moral não só aos que integram a comunidade LGBT, mas aos seus familiares, amigos e simpatizantes”, acrescentou a advogada.

A solicitação da OAB vai ser analisada pelo ministro Tarcísio Vieira. O pedido de direito de resposta pode ser julgada monocraticamente, ou seja, pelo próprio relator do processo de forma que a decisão pode ser anunciada ainda hoje. Já o pedido de cassação do registro de candidatura, em tese, deverá ser levado a plenário, para que outros ministros se manifestem sobre o voto do relator. Ainda não há previsão de quando isso pode ocorrer. Devido ao período eleitoral e à proximidade do primeiro turno, no próximo domingo (5), o TSE terá sessões todos os dias úteis durante esta semana.

Outras representações

As outras representações propostas pedem ao tribunal que aplique a multa máxima prevista para o caso de propaganda ilegal, com a agravante desta ter sido feita com o propósito de incitar o ódio. Uma das representações foi apresentada, em conjunto, pela também candidata à Presidência da República, Luciana Genro, e pelo deputado federal candidato a mais um mandato, Jean Wyllis, ambos do PSOL. A terceira foi ajuizada pelo PSTU. As representações serão julgadas pelo ministro Herman Benjamim.

Na representação conjunta, Luciana - autora da pergunta sobre o posicionamento de Fidelix quanto à violência sofrida pela população LGBT e de sua opinião em relação ao casamento e à união civil entre pessoas do mesmo sexo - e Wyllis destacam o trecho em que Fidelix diz que “se começarmos a estimular isso aí, daqui a pouco, o Brasil [que tem, hoje 200 milhões de habitantes] vai reduzir para 100 milhões. Vai pra [Avenida] Paulista e anda lá. Vê. É feio o negócio, né? Então, gente, vamos ter coragem, nós somos maioria, vamos enfrentar essa minoria”.

O site do candidato não é atualizado desde antes do debate. Fidelix usou sua conta pessoal no Twitter uma única vez, mas não comentou a polêmica.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas