Delúbio cumprirá pena em regime domiciliar

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ex-tesoureiro do PT condenado no Mensalão assinou documentação na Vara de Execuções Penais em Brasília

Condenado na Ação Penal 470, conhecida com o processo do Mensalão, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares passará a cumprir sua pena em regime domiciliar. A homologação ocorreu nesta terça-feira (30) na Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, onde o ex-dirigente do PT assinou os termos do novo formato da pena. Assim, o ex-tesoureiro fica proibido de deixar o Distrito Federal sem antes comunicar a Justiça e deve permanecer em casa no período entre 22h e 5h da manhã.

Alan Sampaio / iG Brasília
Delúbio Soares foi beneficiado por decisão do STF na última semana

A decisão foi concedida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, na última semana. Condenado a 6 anos e 8 meses de prisão no julgamento da Ação Penal 470, Delúbio estava preso desde novembro de 2013 no Centro de Detenção de Brasília.

Para conceder o benefício de prisão domiciliar, o ministro Luís Roberto Barroso alegou que a pena de Delúbio Soares foi cumprida antecipadamente já que ele vinha prestando trabalho externo desde a condenação, atenuando assim em 117 dias a permanência em regime fechado. De acordo com a lei, a cada três dias trabalhados, o preso pode abater um da condenação.

Leia mais: STF concede regime aberto a Delúbio Soares

PGR é a favor de prisão domiciliar para Delúbio Soares

Ministro do STF concede progressão de regime a Bispo Rodrigues

Delúbio trabalhou no assessoramento aos sindicalizados na Central Única dos Trabalhadores (CUT), recebendo salário de aproximadamente R$ 5 mil para trabalhar das 8h às 18h. Ele continuará a trabalhar na CUT.

Relembre em imagens o julgamento do Mensalão:

Ministro Celso de Mello vota a favor dos embargos infringentes. Foto: Divulgação/STFPresidente do STF,  Joaquim Barbosa acompanha a sessão que determinou novo julgamento. Foto: Divulgação/STFDecano do STF, Celso de Mello deu o voto de desempate na discussão dos embargos. Foto: Divulgação/STFO procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na sessão desta quarta-feira no STF. Foto: Divulgação/STFO placar no julgamento foi de seis votos a favor dos embargos; cinco ministros votaram contra. Foto: Divulgação/STFAdvogados dos réus do mensalão acompanham sessão que definiu novo julgamento. Foto: Divulgação/STF



 

Assim como Delúbio Soares, outros três réus do Mensalão foram beneficiados com o regime de prisão domiciliar em decisão monocrática do ministro Luís Roberto Barroso. São eles ex-presidente do PT José Genoino e o ex-tesoureiro do extinto PL (atual PR) Jacinto Lamas e o ex-deputado Bispo Rodrigues.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas