Wilson Brumer sugeriu que candidatura de Aécio Neves ao Planalto trabalha com manutenção de 23 das atuais 39 pastas

Economista da campanha de Aécio Neves (PSDB) à Presidência da República, Wilson Brumer admitiu nesta segunda-feira (29) que o tucano poderá não cortar o número de ministérios pela metade, como prometido.

O economista Wilson Brumer, ligado aos tucanos, em debate em São Paulo
Vitor Sorano
O economista Wilson Brumer, ligado aos tucanos, em debate em São Paulo

Segundo Brumer, um eventual governo Aécio poderá ter até 23 ministérios, o que equivale a 59% dos 39 atuais. Cortar pela metade significaria reduzir para o espaço na Esplanada dos Ministérios entre 19 e 20 pastas.

Leia mais:  Candidatos na TV: Dilma fala de Marina, que fala de Dilma. E elas ignoram Aécio

A uma semana da eleição, Dilma e Marina apostam na TV e Aécio faz esforço final

"Em termos numéricos, estamos falando de no máximo 20 a 23 ministérios", disse Brumer, indicado pela equipe de Aécio para participar de debate com Maurício Rands e Rodrigo Sabattini, que representaram as candidaturas de Marina Silva (PSB) e Dilma Rousseff (PT), respectivamente. O evento foi promovido pelo Pensamento Nacional das Bases Empresariais (PNBE).


No sábado (27), Aécio havia citado a possibilidade de ter de 22 a 23 ministérios, considerando esse número como a metade.

Brumer, que foi secretário de Estado durante o governo de Aécio em Minas Gerais, argumentou que o cargo de ministro perdeu a respeitabilidade.

"O ministro perdeu a liturgia do cargo. Hoje a sociedade brasileira não sabe quem é o ministro."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.