Antes de demitir, Dilma conviveu com diretor da Petrobras preso, diz PSB

Por Vitor Sorano - iG São paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Coordenador do programa de Marina ironiza argumento da petista de que tirou Paulo Roberto Costa da estatal

Vitor Sorano/iG - 29.9.14
Rands: 'ela o demitiu depois de conviver todo esse tempo'

O coordenador de programa de Marina Silva (PSB), Maurício Rands, ironizou nesta segunda-feira (29) a declaração da presidente Dilma Rousseff (PT), feita no domingo (28), de que foi a responsável por demitir o então diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, preso pela Policia Federal no âmbito de operação contra lavagem de dinheiro oriundo de corrupção na estatal.

"Na verdade ela demitiu depois de ter convivido com ele durante todo esse tempo, não é?", disse Rands, durante evento do Pensamento Nacional das Bases Empresariais (PNBE).

Costa foi diretor de Abastecimento da Petrobras entre 2004 e 2012. O órgão está subordinado ao Conselho de Administração da companhia, que Dilma presidiu entre 2003 e 2010 - quando foi substituída pelo atual ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Candidatos participam do quarto debate presidencial no estúdio da TV Record, em São Paulo, na noite deste domingo (28). Foto: Gabriela Bilo/Futura PressDilma elegeu Marina como seu alvo principal no debate, mas também atacou Aécio . Foto: ReutersDilma Rousseff (PT) conversa com o principal marqueteiro de sua campanha, João Santana, no debate da Record . Foto: Gabriela Bilo/Futura PressMarina centrou seus ataques na adversária Dilma, escanteando Aécio. Foto: ReutersMarina Silva (PSB) se consulta com sua equipe de assessores no intervalo do debate . Foto: Gabriela Bilo/Futura PressSe comportando como franco atirador, Aécio atacou tanto Dilma quanto Marina . Foto: ReutersNo intervalo do debate, Aécio Neves (PSDB) também conversou com seus assessores . Foto: Gabriela Bilo/Futura PressMarina e Dilma protagonizaram os embates mais duros do encontro entre presidenciáveis. Foto: Vitor SoranoDilma fez vários  pedidos de resposta ao ser citada nas falas dos colegas, apenas um foi concedido pela direção do debate . Foto: Divulgação/PTAécio Neves chega aos estúdios da TV Record para o quarto debate entre presidenciáveis. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGO ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, no debate presidencial da TV Record, na noite deste domingo (28). Foto: Vanderlei Preite Sobrinho

Durante o debate entre os presidenciáveis na TV Record, que foi ao ar no domingo (28), Dilma usou a demissão e a prisão de Costa na Operação Lava-Jato, da PF, como argumento de que seu governo tem combatido a corrupção.

"Na verdade, uma coisa tem que ficar clara: quem demitiu o Paulo Roberto fui eu", disse Dilma ainda no primeiro bloco. "Eu dei autonomia para a Policia Federal para prender o senhor Paulo Roberto e os doleiros todos", afirmou, no terceiro bloco, após questionamento de Aécio Neves, o candidato do PSDB.

Metade mais uns: Tucanos reevem corte de ministérios

Rands contrapôs as promessas de Dilma para o problema ao fato de a presidente ainda não ter regulamentado a legislação que permite a responsabilização de empresas em casos de corrupção. A lei foi aprovada em 2013 pelo Congresso, mas, segundo o pessebista, ainda aguarda um decreto presidencial para vigorar completamente.

"Agora, no finalzinho da campanha eleitoral, ontem [domingo] no debate ela dizer que tem propostas para combater a corrupção.... um governo que podia ter sido mais duro com a corrupção, para dizer o mínimo, e que sequer regulamentou, editou o decreto que regulamenta a lei 12846/2013", criticou.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas