Defensores de financiamento privado disputam reeleição com caixa milionário

Por Marcel Frota - iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Parlamentares que trabalharam para manter contribuição de empresas nas eleições levantaram mais de R$ 11 milhões

Divulgação
Eduardo Cunha: sozinho, o deputado já arrecadou R$ 3,7 milhões junto a empresas

Eles foram os protagonistas da articulação que ao longo do ano passado buscou fazer um esboço de reforma política como resposta para as manifestações de junho. Em comum, a convicção sobre o financiamento privado e a defesa dessa bandeira no texto da reforma que nasceu a partir do trabalho do grupo formado na Câmara dos Deputados com a tarefa de buscar consenso sobre o tema.

Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), Leonardo Picciani (PMDB-RJ), Vicente Cândido (PT-SP), Cândido Vaccarezza (PT-SP) e Carlos Zarattini (PT-SP) já arrecadaram juntos R$ 11.115.081,50.

Líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Cunha é um dos mais ferrenhos defensores do financiamento privado de campanha. Ele já contabiliza R$ 3.683.333,33 em verbas arrecadadas para seu comitê.

Cunha, que tem planos de uma candidatura à presidência da Câmara na próxima legislatura, recebeu verbas repassadas por meio do diretório partidário que tiveram como doador a distribuidora de bebidas CRBS S.A., que doou R$ 1 milhão, Telemont Engenharia Telecomunicações S.A., que doou R$ 900 mil, a mineradora Mineração Corumbaense Reunidas S.A., com R$ 700 mil, Banco BTG Pactual, com R$ 500 mil, e o Bradesco Saúde, que repassou R$ 250 mil. Cunha também recebeu doação no valor de R$ 333 mil da Rima Industrial S.A.

Conterrâneo de Cunha e aliado próximo do líder peemedebista, principalmente no que diz respeito à manutenção das doações privadas, Leonardo Picciani também tem desempenho acima da média em termos de arrecadação. Ele conquistou a simpatia política da Hosp Rio Material Hospitalar Ltda., que repassou ao PMDB R$ R$ 500 mil. O presidente do PMDB carioca também foi agraciado com R$ 500 mil da Ipe Engenharia Ltda e R$ 199 mil da Construtora Queiroz Galvão. No total, Picciani já arrecadou R$ 1.202.212,50.

Na Bahia, Lúcio Vieira Lima só fica atrás de Benito Gama (o presidente nacional em exercício do PTB já contabiliza R$ 4.034.501,36) e Jutahy Júnior (o tucano já arrecadou R$ 1.852.853,20) quando o assunto é arrecadação de dinheiro para a campanha por uma vaga na Câmara dos Deputados. Lima é um dos mais próximos aliados de Cunha e, apesar de estar na sua segunda disputa eleitoral aparece em terceiro lugar no ranking dos candidatos a deputado federal mais abonados da Bahia, arrecadou R$ 1.489.750,00.

Na segunda parcial de sua prestação de contas para a Justiça Eleitoral, Lima contabiliza doações originárias da Construtora OAS, com R$ 732 mil, a gigante do setor de alimentos JBS, que repassou R$ 200 mil e Bradesco Saúde, origem de R$ 100 mil repassados ao candidato via diretório estadual do PMDB.

Petistas

Apesar da posição histórica do PT em defesa do financiamento exclusivamente público de campanhas, três de seus parlamentares atuaram em conjunto com Eduardo Cunha e o PMDB no âmbito do grupo de trabalho da reforma política em defesa do modelo atual de financiamento.

Agência Brasil
Cândido Vacarezza: mais de R$ 1 milhão arrecadados junto a iniciativa privada

Cândido Vaccarezza coordenou o grupo a revelia do partido, que indicou o então deputado federal Ricardo Berzoini para representar a legenda do no grupo. Defensor do financiamento privado nos moldes atuais, Vaccarezza também não pode se queixar de dificuldades de arrecadação. O petista já contabiliza R$ 1.146.235,66 para sua campanha.

O deputado que coordenou o grupo de trabalho da reforma política na Câmara recebeu quatro grandes doações que compõem a maior parte do dinheiro que o petista levantou. Recebeu R$ 191,5 mil da Braskem (parte em doação direta, parte repassada via diretório nacional). Recebeu ainda R$ 380 mil da empresa Arasuco Aromas e Sucos, R$ 300 mil da Cosan Lubrificantes e Especialidades e R$ 95 mil repassados pelo diretório do PT doados por CR Almeida Engenharia em Obras.

Carlos Zarattini, deputado que tem articulação próxima a Vaccarezza, já ultrapassou a marca dos R$ 2 milhões em arrecadação: foram R$ 2.374.500,01. Zarattini recebeu aporte de R$ 200 mil para sua campanha do Centro Educacional Nossa Cidade. Também contabilizou R$ 380 mil repassados pela Construtora OAS pro meio do diretório nacional, R$ 475 mil do Banco Safra, R$ 200 mil do Banco BGT Pactual, R$ 332,5 mil da Construtora Queiroz Galvão, R$ 275 mil da BTG Pactual Assent Management e R$ 100 mil da UTC Engenharia.

Leia também: 

Financiamento privado de campanha acirra ânimos entre STF e Congresso

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, Vicente Cândido, também faz uma arrecadação milionária para sua campanha. Cândido já conseguiu R$ 1.219.050,00. Entre os principais doadores do petista estão a empresa Acqua Minerale Empreendimentos Imobiliários, que doou R$ 100 mil ao petista, Ferrara Incorporadora, com R$ 228 mil, e R$ 200 mil doados por Parque Ilha do So Incorporações. Cândido recebeu ainda reforço de R$ 250 mil para sua campanha doados por Fábio Roberto Chimenti Auriemo, da gigante do setor imobiliário JHSF Participações.

No vermelho

Apesar dos valores milionários arrecadados por esses candidatos, alguns deles estão com as contas no vermelho. É o que mostra a planilha de gastos de cada comitê. Cunha, por exemplo, registrou gastos de R$ 3.704.072,24, a maior parte deles com serviços gráficos e pagamentos de anúncios e serviços realizados por terceiros. Cunha também repassou R$ 200 mil para o comitê de correligionário.

Zarattini é outro que até aqui gastou muito mais do que arrecadou. Sua declaração de gastos no TSE mostra que o petista já investiu em sua campanha R$ 4.244.210,57 gerando um déficit até aqui de R$ 1.869.710,56. Em situação deficitária também está a campanha de Vicente Cândido. Além de gastos com publicidade e pessoal, o petista repassou R$ 420 mil para comitês de correligionários que disputam uma vaga na Assembleia Legislativa de São Paulo.

Gastos já realizados:

Eduardo Cunha (PMDB-RJ): R$ 3.704.072,24
Leonardo Picciani (PMDB-RJ): R$ 1.102.756,35
Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA): R$ 1.051.016,17
Cândido Vaccarezza (PT-SP): R$ 1.126.437,98
Vicente Cândido (PT-SP): R$ 1.932.981,14
Carlos Zarattini (PT-SP): R$ 4.244.210,57

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas