Marina diz que Aécio deveria começar a se preocupar com as pesquisas

Por Reuters | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em coletiva, candidata do PSB à Presidência ainda disse que o PT e o PSDB estão tremendo de medo de sua candidatura

Reuters

A candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, disse neste sábado (27) que PT e PSDB estão “tremendo de medo” de sua candidatura e afirmou que o candidato tucano, Aécio Neves, deveria começar a se preocupar com as pesquisas eleitorais. Na mais recente pesquisa Datafolha, ele voltou a aparecer em terceiro lugar, nove pontos atrás da acreana.

Reuters
A candidata à presidência pelo PSB durante coletiva de imprensa em São Paulo, neste sábado (27)

O discurso veio durante entrevista coletiva em seu comitê de campanha em São Paulo, proferido ao lado de seu candidato a vice, Beto Albuquerque, e de lideranças do PSB, da Rede Sustentabilidade e de partidos que apoiam sua candidatura ao Planalto.

Leia mais:
Datafolha: Dilma vai a 40%, Marina cai para 27% e Aécio oscila para 18%
Sensus mostra Dilma com 35,1%, seguida de Marina, 25%, e Aécio, 20,7%

"Eu nunca imaginei que eles (PT e PSDB) fossem se juntar. Eles gostam tanto da polarização, já se acostumaram tanto a fazer o plebiscito, que pela primeira vez na história desse país o PT e o PSDB estão juntos na mesma artilharia nos combatendo”, disse a candidata a jornalistas. "Os dois maiores partidos e seus auxiliares estão tremendo de medo."

A cerca de uma semana do primeiro turno da eleição, as pesquisas têm apontado queda de Marina e aumento da vantagem da candidata à reeleição pelo PT, Dilma Rousseff. Na simulação de segundo turno, a disputa entre ambas permanece acirrada, mas Dilma assumiu a liderança numérica contra a candidata do PSB.

Veja o estilo de Marina Silva na campanha presidencial:

Marina usa colares de sua fabricação. Foto: Alan Sampaio /iG BrasíliaMarina usa outro colar de sua coleção. Foto: DivulgaçãoMarina ao lado de Eduardo Campos: nova candidata do PSB investe em visual étnico e gloss caseiro. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaMarina usa colar de flecha, marca da campanha de 2010. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaBlusa de renda da convenção foi comprada em loja no Aeroporto de Recife. Foto: Agência BrasilMarina costura bainha da saia da marca Gatos de Rua, coletivo de Recife que trabalha com materiais recicláveis. Foto: DivulgaçãoEm meio à correria da campanha, Marina encontra tempo para finalizar colar de jarina. Foto: DivulgaçãoMarina levou para São Paulo uma oficina portátil para continuar produção de colares. Foto: DivulgaçãoColar de jarina está sendo montado. Assessores otimistas apostam que ficará pronto antes da posse. Foto: Divulgação

Aécio tem comemorado as pesquisas, que apontam variação positiva de suas intenções de voto dentro da margem de erro e neste sábado, em evento em Osasco, alfinetou Dilma e Marina afirmando não querer na Presidência “nem o PT que está aí, nem o PT renovado”, em uma referência aos mais de 20 anos em que Marina foi integrante do partido.

“Talvez o melhor fosse o Aécio se preocupar com o PSDB envelhecido”, rebateu a candidata do PSB.

Leia também:
Com Dilma ou Marina, PF teme perder poder a partir de 2015
Derrota de Aécio e vitórias de Alckmin e Serra reacenderão disputa no PSDB

Marina disse que a pesquisa “definitiva” é a do dia 5 de outubro, data do primeiro turno das eleições, e afirmou que o tucano deveria estar preocupado com as pesquisas, já que antes os presidenciáveis tucanos disputavam a primeira posição e agora ele está disputando a segunda.

“Eu dizia isso em 2010 (sobre a quebra da polarização PT-PSDB) e muita gente ficava descrente. Aconteceu, virou manchete”, brincou a ex-senadora. “A nossa candidatura é ascendente e a sociedade brasileira sabe isso. Tanto a Dilma quanto o Aécio sabem disso. E nós já sabemos qual é a candidatura descendente, que não disputa o primeiro lugar. Disputa o segundo lugar. Está disputando o segundo lugar há 12 anos.”

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas