Petista respondeu a ataques de tucanos, que o acusaram de fechar leitos hospitalares quando ministro da Saúde

Chamado de "incompetente" pela campanha do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), que tenta a reeleição, o candidato ao governo Alexandre Padilha (PT) devolveu a artilharia em seu programa de rádio veiculado nesta quarta-feira (24). Dessa vez, o ex-ministro da Saúde disparou que Alckmin é mentiroso e que adota postura covarde quando se dirige ao petista.


"Com todo respeito, candidato. Essa postura, característica dos covardes, não condiz com o posto de governador do Estado mais poderoso do país. O senhor me respeite. Respeite a mim e a minha família. Vivo uma vida honesta. Tenho uma vida pública honrada, sem manchas", disse o petista em seu programa eleitoral radiofônico.

Mais tarde, completou que a acusação de que teria fechado leitos enquanto ministro da Saúde é "outra mentira do Alckmin". "Nem se eu, como ministro, quisesse, poderia ter fechado leitos em SP. Ministério não fecha leitos. O fechamento, ou mesmo descredenciamento, é de responsabilidade do Estado ou município", acrescentou.

Leia mais:   Pesquisa Ibope: Alckmin tem 49%, Skaf, 17%, e Padilha, 8%

Alckmin lidera com 48%, Skaf cai cinco pontos e vai a 18%

Ministro do STF vota pelo arquivamento de inquérito sobre cartel do Metrô de SP

Padilha também fez referências à formação de cartel no transporte sobre trilhos no estado. O Supremo Tribunal Federal, aliás, começou a julgar as denúncias de envolvimento de secretários do governo Alckmin no caso. Nesta terça-feira (22). O ministro Marco Aurélio Mello não viu evidências de envolvimento do tucano José Aníbal (então na pasta de Energia) e Rodrigo Garcia (Desenvolvimento Social e Tecnologia), filiado ao DEM. Ambos são deputados federais e, por isso, o caso foi ao STF. O julgamento foi interrompido por pedido de vistas.

Spot tucano

A fala foi uma resposta a um spot no qual o PSDB aponta que, enquanto ministro da Saúde, Alexandre Padilha fechou leitos e não fez uma gestão competente dos recursos da pasta. Na mesma peça, os tucanos fazem referência velada ao mensalão e à prisão de José Dirceu e José Genoino dizendo que dois quadros do partido, que já disputaram o governo do estado, estão presos.

O PT paulista denunciou o caso à Justiça Eleitoral, mas, na primeira instância, foi dado ganho de causa ao PSDB sob o a justificativa de que a crítica não ultrapassa os moldes da política.

O bate boa, que antes se atinha à mídia eletrônica, foi para as ruas. Padilha fez fortes discursos contra Geraldo Alckmin em passagem por Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo), Guarulhos e Franco da Rocha, onde cumpriu agenda recentemente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.