Após recuperação no Sul e Sudeste,tucanos creem na TV para voltar a crescer

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Integrantes da campanha tucana dizem que já detectaram crescimento da candidatura. Aécio teria se recuperado nos estados do Rio de Janeiro, Paraná e Rio Grande do Sul

Brasil Econômico

Integrantes da campanha do presidenciável do PSDB Aécio Neves dizem que, desde o último sábado, já detectavam o crescimento de sua candidatura. Aécio, que estará hoje em São Paulo e Minas Gerais, vem se recuperando nos estados do Rio de Janeiro, Paraná e Rio Grande do Sul e espera novo crescimento nos próximos dias após aparições na TV. Ele gravará o programa Bom Dia Brasil, da Rede Globo, na segunda-feira, e depois participará dos debates entre presidenciáveis nos dias 28, na TV Record, e no dia 2 de outubro, na emissora carioca. Aecistas ressaltam que, em Minas Gerais, mais de 30% dos eleitores ainda não decidiram o seu voto. Portanto, consideram também que o mau desempenho do candidato de Aécio ao governo mineiro, Pimenta da Veiga, não é definitivo.

Leia mais: Na Bahia, Aécio volta a prometer favorecimento tributário para Nordeste

Divulgação/PSDB
Nas ruas de Itabuna (BA), Aécio Neves faz campanha com o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), e Paulo Souto (DEM), candidato ao governo do Bahia (18)


A coordenação de sua campanha avalia que a candidata do PT à presidência Dilma Rousseff está em situação de “desespero” e a candidatura de Marina Silva (PSB) “desmoronando”. Aécio continuará criticando duramente Dilma e, ao mesmo tempo, mirando Marina e sua ligação com o PT. Para o deputado José Anibal (PSDB-SP), “a virada começou já no último sábado, o Aécio continua a crescer e, com certeza, estará no segundo turno”. E prossegue: “A Dilma tem prazo de validade e a Marina não se sustenta. Ela fala uma coisa num dia e, no dia seguinte, muda. As duas também se atacam, enquanto o Aécio apresenta propostas claras para saúde, segurança e educação”, afirma. Em São Paulo, o tucano terá hoje encontro com mulheres operárias, ligadas à Força Sindical. Em Minas Gerais, visita Belo Horizonte e a região do Vale do Aço.

Para PSB, votos de Aécio serão divididos

Amigo de Marina Silva e companhia inseparável da candidata em campanha pelo Rio de Janeiro, o deputado federal Alfredo Sirkis (PSB) acha que o cenário confortável para a ex-senadora no primeiro turno é uma distância de Dilma Rousseff que não ultrapasse dez pontos percentuais nas pesquisas de intenção de voto e uma distância bem maior de Aécio Neves, para que não haja riscos no atual cenário desenhado para o segundo turno. Nessa segunda fase, Sirkis acredita que nem todos os eleitores de Aécio votarão em Marina. Há a expectativa de que uma parcela migre para Dilma. Por isso, o PSB deve traçar estratégia para Marina “roubar” votos da petista como compensação da divisão do eleitorado tucano.

Voando alto

Depois de prometer a chegada de uma fábrica sueca de aviões supersônicos, o prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho (PT), levou ao ministro de Aviação Civil, Moreira Franco, na terça-feira, o projeto de um aeroporto na cidade. A intenção de Marinho é iniciar a construção em 2017.

Kassab alertou Alckmin sobre ataques

O candidato do PSD ao Senado por São Paulo, Gilberto Kassab, ligou para o deputado Edson Aparecido, coordenador da campanha de Geraldo Alckmin ao governo paulista, para avisar que poderia utilizar no horário eleitoral o discurso de que o ex-prefeito José Serra “não costuma cumprir nem a metade de seus mandatos”. Kassab fez o alerta depois que sua imagem foi utilizada por Alckmin na TV para atacar o adversário Paulo Skaf (PMDB), ligando-o também aos ex-governadores Paulo Maluf e Luiz Antônio Fleury Filho.

Em represália, líder do PSD criticou Serra

Depois do telefonema de Kassab, o governador Alckmin retirou do ar as imagens com críticas ao ex-prefeito e líder do PSD. No entanto, os ataques voltaram ao ar nos últimos dias. Foi a deixa, então, para Kassab mirar na TV o seu antigo aliado José Serra. O ex-prefeito reeditou agora uma tática do PT de criticar Serra por não cumprir mandatos.

“Nosso objetivo era chegar ao segundo turno. Isso está consolidado. A próxima fase será aumentar a frente de apoio a Marina” - Roberto Amaral, presidente nacional do PSB, sobre os próximos passos da campanha da presidenciável de seu partido

*Com Leonardo Fuhrmann

Leia tudo sobre: Eleições 2014

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas