PT engaveta decisão sobre Luiz Moura para blindar campanhas

Por Anderson Passos - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Informação é do secretário nacional de mobilização da sigla, Florisvaldo Souza; deputado está fora da eleição de 2014

O Partido dos Trabalhadores vai retomar o debate em torno da expulsão ou não do deputado estadual Luiz Moura de seus quadros somente após as eleições. A informação foi dada ao iG pelo secretário nacional de organização do partido, Florisvaldo Souza.

Divulgação/Alesp
Luiz Moura só terá definida sua filiação partidária após o processo eleitoral

Leia mais: Deputado acusado de relação com o PCC diz que só entrega mandato na Justiça

Executiva do PT-SP decide expulsar deputado suspeito de envolvimento com PCC

"Isso vai ficar para depois das eleições, porque o próprio Tribunal Regional Eleitoral negou o registro de candidatura dele [Luiz Moura]", disse o dirigente, sugerindo que o problema maior do partido era barrar a postulação à reeleição do deputado estadual.

O temor dentro do PT era que a insistência de Luiz Moura em manter sua postulação à reeleição pudesse redundar em prejuízos para as candidaturas petistas de Dilma Rousseff, no plano federal, e de Alexandre Padilha, no estadual.

Florisvaldo Souza comentou ainda que uma câmara partidária ou mesmo uma comissão executiva serão convocadas para avaliar o caso, mas não estipulou em que prazo isso deve acontecer. Acrescentou, por fim, que o processo está em status de análise interna.

O caso

A expulsão de Luiz Moura do PT foi causada por conta do desconforto causado por sua presença em uma reunião com perueiros na zona leste de São Paulo, que também teria sido acompanhada por integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC), organização criminosa que atua nos presídios do Estado. A polícia fez prisões no local e o deputado acabou liberado.

Perfil: De ladrão a deputado, conheça a trajetória de Luiz Moura

A presença de Luiz Moura no encontro veio à tona em junho. Ato contínuo, o PT estadual abriu processo para apreciar o caso. Luiz Moura, no entanto, ainda que comunicado pelo partido, abdicou de apresentar sua defesa. em discurso na tribuna da Assembleia Legislativa, onde cumpre mandato, o parlamentar negou qualquer envolvimento em ilícitos. Ainda no âmbito partidário, uma comissão executiva foi formada e, por unanimidade, decidiu pela expulsão.

O presidente do PT paulista, Emidio de Souza, sustentou que o PT tinha que dar o exemplo e não proteger quadros que cometem desvios. O deputado alegou que foi perseguido e que participar de reuniões não configura necessariamente ato ilícito.

Assembleia paulista

Na Assembleia paulista, após denúncia levada pelo deputado Pedro Tobias (PSDB) ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Casa, é aguardada uma reunião para apreciar um relatório enviado por Moura ao órgão. No entanto, com a proximidade das eleições, a falta de quórum tem prejudicado as reuniões. Via assessoria de imprensa, o presidente da Comissão, deputado Hélio Nishimoto (PSDB) disse que só irá convocar uma nova reunião do órgão duas semanas após o primeiro turno das eleições, em 5 de outubro.

O deputado tucano fez duas convocações para analisar o caso Luiz Moura após o recesso parlamentar da julho, mas a reunião não pôde ser realizada pela falta de quórum.

Leia tudo sobre: Luiz MouraPTpartidosEleições 2014

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas