“É desproporcional que eu seja o alvo do PT”, defende-se herdeira do Itaú ao iG

Por Wanderley Preite Sobrinho - iG São Paulo* |

compartilhe

Tamanho do texto

Neca Setubal relembra como conheceu Marina Silva e diz que há “preconceito” contra bancos no Brasil

Foi só depois de quase uma hora de espera no comitê eleitoral do PSB, em São Paulo, que Maria Alice Setubal (63), a Neca Setubal, recebeu a reportagem do iG para um entrevista. A educadora e coordenadora do programa de governo da presidenciável Marina Silva (PSB) dispensava uma jornalista que apareceu sem marcar hora enquanto sua assessora tentava demover a reportagem de fazer perguntas sobre o banco Itaú, do qual a entrevistada é herdeira.

Arquivo pessoal
Neca Setúbal, no centro: "impactada" ao conhecer Marina Silva

O pedido surpreendeu não só a reportagem, mas a própria Neca, que esboçou espanto. Serena, falou sobre tudo: disse que o mercado financeiro não é convidado nem para suas festas de aniversário, uma vez que, segundo ela, jamais participou das decisões do Itaú. “Sou acionista, mas minha carreira é com educação”, diz Neca, que usou sua experiência para contribuir com o programa eleitoral de Fernando Haddad, do PT, partido que hoje relaciona Neca à decisão de Marina Silva de apoiar a independência do Banco Central. “Lamento que as pessoas tenham essa visão. Os educadores têm postado manifestações de apoio no meu Facebook.”

Leia também: Autonomia do Banco Central pode tirar poder do presidente?

Na economia: Dilma mantém desenvolvimentismo e Marina flerta com liberalismo

Neca, que conheceu Marina em uma palestra em 2009, não entende porque os bancos foram tão criticados durante as manifestações. “Talvez tenha um preconceito em relação a eles.”

Leia abaixo a entrevista completa:

iG – Como é ter sido a única filha em uma família tão tradicional?

Neca Setubal – Não me enquadro em uma família tradicional. Meu pai (Olavo Setubal) foi uma pessoa aberta, de diálogo. Ele sempre respeitou diferenças e nunca me senti cerceada em termos de posições políticas ou caminhos tomados na vida. Minha mãe era ligada às artes. Ela morreu muito jovem, aos 52 anos, quando eu tinha 26. Ela era ligada à música, pintava, desenhava. Adorava contar na mesa do almoço sobre o que tinha acabado de ler. Fui estudar em uma escola experimental de freiras. Elas eram jovens, modernas, que seguiam a teologia da libertação. Tive uma educação muito mais aberta do que a maioria das pessoas tem.

iG - A senhora foi militante do MDB nos anos 70, quando seu pai era prefeito de São Paulo indicado pela ditadura. Isso não trouxe dificuldade na relação?

Neca - Não era um problema. Ele era uma pessoa liberal no conceito político do termo, e respeitava as diferentes posições. Enquanto esteve bem de saúde, convidava políticos de vários partidos, inclusive do PT, para almoçar com ele no banco Itaú, onde debatia ideias.

iG – Qual é a participação da senhora nas decisões do Itaú?

Neca – Sou acionista e pertenço a uma das famílias controladoras do banco. Nunca exerci nenhum cargo ao longo da minha vida, nunca participei do conselho executivo, só do conselho consultivo do Itaú Social. Nunca respondi pelo banco em nenhum momento, nem tenho esse mandato. Não me vejo dentro dos rótulos que tentam me colocar. Sou muito serena nisso. Tenho uma trajetória que está aí. É só dar um Google e ver que não participo das decisões do Itaú, não participo das reuniões, não frequento o mercado financeiro. Não vai encontrar uma reunião na minha casa que tenha tido o mercado financeiro, no máximo a minha família, a família Vilela, que é acionista também e temos uma relação próxima de parentesco, inclusive. Não é que eu tenha alguma coisa contra o mercado financeiro. É que simplesmente a minha trajetória é outra. Fiz um almoço no meu aniversário este ano, eram 60, 80 pessoas, e não havia ninguém do mercado financeiro, a não ser meus irmãos. Não preciso esconder nada. Essa é a minha vida. Tenho vários prêmios, livros publicados na área da educação, nunca fiquei alardeando isso porque não preciso.

iG – Por que os bancos se transformaram no vilão do capitalismo?

Neca – Não sei, talvez tenha um preconceito em relação aos bancos, um certo estigma em relação aos bancos que ocorre ao longo dos anos. Tinha de perguntar para quem faz isso.

iG – A senhora tem uma opinião formada a respeito da autonomia do Banco Central?

Neca – Junto com Maurício Rands, sou a responsável pela coordenação do programa de governo, que não reflete a minha opinião ou a do Maurício. Ele é fruto de uma participação intensa da sociedade e de uma coligação de partidos. Não sou especialista em economia. Nesse capítulo sobre economia, não tive nenhuma participação a não ser na leitura final para arredondar o texto.

iG – A campanha adversária vem dizendo que a senhora é a ligação da Marina Silva com os banqueiros. Como a senhora se sente estando no meio de uma guerra entre dois candidatos a presidente?

Neca – Sou uma pessoa que está ao lado de uma candidata com chances de chegar à Presidência da República. É natural que tenha de prestar contas. Sou uma pessoa mais discreta, mais na minha. Lamento que as pessoas tenham essa visão, mas também sou reconhecida pelos educadores que me conhecem e que têm postado manifestações de apoio no Facebook. Lamento porque não faz sentido eu ser o alvo da campanha do PT. É desproporcional ele buscar atacar Marina com a minha pessoa.

iG – Qual a sua trajetória profissional?

Neca – Me formei na USP em Ciências Sociais, fiz mestrado em Ciência Política e um tempo depois fiz um doutorado em psicologia da Educação na PUC. E fui dar aula. Fui professora da Universidade Mackenzie, depois no colégio Santa Cruz. Dei vários cursos pequenos na PUC e em outras instituições. Quando estava com filhos pequenos, criei uma pré-escola e assumi uma classe de alfabetização porque estava muito fascinada pelas teorias construtivistas. Em 1987, criei o Cenpec (Centro de Pesquisa em Educação e Cultura), uma ONG que trabalha com projetos encomendados por várias instituições, como Ministério da Educação, secretarias estaduais, municipais, fundações empresariais e órgãos internacionais, como o Unicef.

iG – Foi por isso que a senhora foi chamada a ajudar na campanha a prefeito de Fernando Haddad (PT)?

Neca – Sim. Gosto muito do Fernando Haddad, o admiro. Hoje em dia não consigo acompanhar sua gestão à frente da Prefeitura, mas destaco o plano diretor que ele fez para a cidade. Um plano avançado, que pela primeira vez tem um olhar de futuro levando em conta as questões contemporâneas.

iG – Por que não aceitou o convite para ser sua secretária de Educação?

Neca – Fiquei muito honrada com o convite, mas estava em um momento de vida que não podia aceitar. Admiro muito o Fernando pela gestão dele no Ministério da Educação. O Cenpec tem muitos contatos com o Ministério.

iG - Como a senhora conheceu Marina Silva?

Neca – A conheci em 2009 em uma palestra no Sesc Vila Nova (em São Paulo). Até aquele dia, a conhecia por jornal, revista. Naquele dia, estava sentada no auditório. Fiquei impactada com a visão que ela passou. Pouco depois, ela fez outra palestra que também me impressionou. Então comecei a participar de um movimento chamado Brasil Sustentável, que deu origem à candidatura da Marina em 2010. Fazia parte o Ricardo Young e o Guilherme Leal, que eu conheço desde os 18 anos. Ele me chamou para colaborar com o programa de educação. Então me aproximei dela.

iG – O que lhe chamou a atenção na Marina?

Neca – A forma como ela discursa. Ela começa muito mansa, baixinho. De repente, quando você se dá conta, aquela figura magra e pequena cresce tanto que a plateia fica completamente hipnotizada. Às vezes não é o conteúdo, é aquele carisma que envolve quem está ouvindo.

iG – A senhora fez doação para a campanha dela?

Neca – O que acontece é que o Estadão colocou em uma manchete que eu doei para “Marina e os aliados da Rede”. Não doei para Marina. Doei para o CNPJ da campanha do Eduardo Campos. Isso lá atrás, no começo da campanha. E doei para os candidatos da Rede.

iG – Dizem que a Marina é pouco objetiva em suas respostas. Isso não a aproxima da velha política, que raramente tem uma posição clara sobre assuntos polêmicos?

Neca – Não tem absolutamente nenhuma relação. Ela tem uma forma muito conceitual de apresentar suas propostas e acho que muitas vezes é objetiva. Depende do nível de pergunta. Mas ela tem uma objetividade de mostrar propostas concretas. O presidente da República tem de ter a capacidade de escolher bons gestores. Esses sim têm a responsabilidade de responder com números e detalhes.

iG – Não foi uma falha o programa de governo não citar o pré-sal?

Neca – Ele é citado em energia e nos royalties do petróleo para a educação. O que acontece é que o programa não foca apenas em pré-sal e petróleo. O foco está em buscar a diversidade da matriz energética do Brasil, um País com toda essa riqueza de recursos naturais, de água, sol, vento, cana de açúcar. Na verdade é uma forma de o PT descontextualizar o programa e dizer que a Marina é contra o pré-sal, o que não é verdade.

iG – Se a Marina vencer, a senhora será ministra da Educação?

Neca – Nunca discutimos cargos, nem no círculo mais próximo de Marina. Se passarmos para o segundo turno e a Marina for eleita, vou estar onde ela achar melhor.

Mais: O fracasso da candidatura de Aécio

Famosos trocam engajamento das manifestações por cautela antes das eleições

Marina cumpre agenda em Manaus e visita reserva Florestal Adolpho Ducke, na Zona Norte da cidade (21/9). Foto: Vagner Campos/MSilva onlineMarina Silva tem encontro com lideranças dos movimentos negros em Salvador (20/9). Foto: Vagner Campos / MSILVACâmeras e celulares voltados para Marina Silva em dia de campanha em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista (19/9). Foto: Vagner Campos/MSilva onlineAtor Marcos Palmeira e cantor Gilberto Gil ao lado de Marina Silva em encontro com artistas na escola de cinema Darcy Ribeiro, no Rio (17/9). Foto: Vagner Campos/MSilva onlineAtor Marcos Nanini também demonstra apoio à Marina Silva em evento com artistas no Rio de Janeiro (17/9). Foto: Vagner Campos / MSILVAOtávio Muller é mais um ator da Globo no encontro da candidata do PSB com artistas na escola de cinema Darcy Ribeiro, no Rio (17/9). Foto: Vagner Campos/MSilva onlineMarina Silva recebe orientações em intervalo de debate entre presidenciáveis promovido pela Confederação Nacional dos Bispos (CNBB) em Aparecida (16/9). Foto: Vagner Campos/MSilva onlineMarina Silva fala com representantes do setor cultural e recebe apoio do cantor Gilberto Gil (15/9). Foto: Vagner Campos/MSilva onlineDinho Ouro Preto, vocalista da banca de rock Capital Inicial, faz selfie com Marina Silva em evento em São Paulo (15/9). Foto: Vagner Campos/MSilva onlineCineasta Fernando Meirelles e músico Dinho Ouro Preto posam com Marina em encontro da candidata do PSB com representantes do setor cultural, em São Paulo (15/9). Foto: Vagner Campos/MSilva onlineMarina Silva tem encontro com lideranças indígenas na CNTC (Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio), em Brasília (14/9). Foto: Vagner Campos/MSilva onlineMarina recebe carinho de seu vice Beto Albuquerque durante discurso em Ceilândia, no Distrito Federal (14/9). Foto: Vagner Campos/MSilva onlineCelular prontos para registrar discurso de Marina Silva em Teresina, no Piauí (13/9). Foto: Leo Cabral/PSBMarina Silva faz discurso em João Pessoa, na Paraíba (13/9). Foto: Leo Cabral / PSBMarina Silva e Beto Albuquerque dão entrevista coletiva em Sobral, no Ceará (13/9). Foto: DivulgaçãoMarina Silva faz comício na Praça do Ferreira, no centro de Fortaleza (12/9). Foto: Vagner Campos/PSBPresidenciável Marina Silva (PSB) visita entidade filantrópica na zona leste, em São Paulo (10/09). Foto: DIVULGAção/PSBMarina Silva sorri durante compromisso de campanha em Belo Horizonte (9/9). Foto: Leo Cabral/ MSILVA OnlineMarina Siva visita creche no Bom Retiro, em São Paulo (8/9). Foto: Wanderley Preite/iGCrianças se apresentam para Marina Silva em creche no Bom Retiro, em São Paulo (8/9). Foto: Wanderley Preite/iGCandidata do PSB aplaude apresentação de crianças em creche em São Paulo (8/9). Foto: Wanderley Preite/iGMarina Silva também faz visita e posa para fotos no Parque da Juventude em São Paulo nesta segunda-feira (8/9). Foto: DivulgaçãoMarina Silva faz campanha em Vitória da Conquista, na Bahia (7/9). Foto: DivulgaçãoCandidata participa do lançamento da casa de Beto e Marina m Guarulhos (SP), um dos comitês de campanha (5/9). Foto: DivulgaçãoMarina Silva e o vice Beto Albuquerque têm encontro com José Ivo Sartori, candidato do governo do RS, e Pedro Simon, candidato ao Senado, em Porto Alegre (4/9). Foto: Luiz Chaves/ Sartori 15A candidata à Presidência da República pelo PSB, Marina Silva, durante debate no SBT (1/9)  . Foto: Alice Vergueiro / Futura PressMarina Silva e sei vive Beto Albuquerque têm encontro com a juventude do PSB no Rio de Janeiro (30/8). Foto: Facebook/Marina SilvaAo lado de Romário, Marina e Beto Albuquerque passeiam pela favela da Rocinha, no Rio de Janeiro (30/8). Foto: Facebook/Marina SilvaMarina Silva (PSB) discursa durante lançamento do programa de governo em São Paulo (29/08). Foto: Vitor SoranoMarina Silva (PSB) e vice Beto Albuquerque lançam o programa de governo em São Paulo (29/08). Foto: Vitor SoranoMaurício Rands, um dos coordenadores do programa de governo de Marina Silva (PSB), discursa sobre plano (29/08). Foto: Vitor SoranoMarina Silva recebe placa durante visita a FENASUCRO em Sertãozinho, interior de São Paulo (28/8). Foto:  Leo Cabral/ MSILVA OnlineA presidenciável Marina Silva (PSB) é entrevista por William Bonner e Patricia Poeta na bancada do Jornal Nacional (27/08). Foto: Globo/ João CottaMarina Silva chega para debate TV Band, o primeiro com os presidenciáveis nestas eleições (22/08). Foto: Marcos Bezerra/Futura PressEncontro entre Marina, Dilma e Aécio no debate da TV Band (26/8). Foto: Marcos Bezerra/Futura PressMarina Silva, candidata do PSB à Presidência, faz selfies durante passeio pela Bienal do Livro, em São Paulo (23/8). Foto: Vanderlei Preite Sobrinho/iGMarina Silva posta para fotos ao lado de eleitores na Bienal do livro (25/8). Foto: Vanderlei Preite Sobrinho/iGMarina Silva, candidata do PSB à Presidência, visita Bienal do livro em São Paulo (25/8). Foto: Vanderlei Preite Sobrinho/iGMarina posa para fotos ao lado de eleitores no Centro de Tradições Nordestinas, em São Paulo (25/8). Foto: DIVULGAção/PSBCandidata do PSB autografa livro no durante visita ao Centro de Tradições Nordestinas, em São Paulo (25/8). Foto: DIVULGAção/PSBMarina Silva visita Centro de Tradições Nordestinas, em São Paulo (25/8). Foto: DIVULGAção/PSBEm Recife, terra de Eduardo Campos, Marina Silva fez o seu primeiro ato de campanha como presidenciável do PSB neste sábado (23/8). Foto: DIVULGAção/PSBMarina Silva e o vice Beto Albuquerque ganham bonecos gigantes durante caminhada em Pernambuco (23/8). Foto: DIVULGAção/PSBBeto Albuquerque, Roberto Amaral, Marina Silva e  Rodrigo Rollemberg no lançamento oficial da nova chapa presidencial do PSB,em Brasília (20/08). Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaRoberto Amaral (centro), presidente do PSB, assiste aperto de mão de Marina Silva e Beto Albuquerque, componentes da chapa presidencial do partido (20/08). Foto: Alan Sampaio/ iG BrasiliaPresidenciável Marina Silva (PSB) participa da missa de sétimo dia do ex-governador Eduardo Campos (19/08). Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIAMarina Silva conforta Renata Campos, viúva de Eduardo Campos, no velório do político (17/8). Foto: Ricardo Moraes/ReutersMarina Silva, que era candidata à vice na chapa de Eduardo Campos, encontra Dilma no velório do político (17/8). Foto: Ricardo Moraes/ReutersCandidata à vice Marina Silva lamenta a morte do ex-governador Eduardo Campos (13/8). Foto: ReproduçãoMarina já tentou candidatura à Presidência em outras eleições e foi senadora. Aqui ela é vista no Congresso (20/10/2010). Foto: Antonio Cruz/ABrMarina Silva ao lado de Eduardo Suplicy, senador pelo PT (20/10/2010). Foto: Antonio Cruz/ABrMarina é cumprimentada por José Sarney durante reunião de políticos (23/05/2010). Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência BrasilEm fevereiro de 2013, Marina lança seu novo partido, o Rede Sustentabilidade (16/02/2013). Foto: José Cruz/ABr Marina conversa com Heloísa Helena no lançamento do partido Rede (16/02/2013). Foto: José Cruz/ABr Em 2014, Marina é oficializada como vice na chapa de Eduardo Campos para Presidência (14/4). Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaParceria Marina e Eduardo Campos ganhou força em 2013, quando o presidenciável rompeu com atual governo. Foto: Ueslei Marcelino/ReutersRelembre a caminhada de Marina ao lado de Campos nas eleições. Eles visitaram arcebispo do Rio (12/8). Foto: PSBAo lado de Marina, Campos visita conjunto habitacional para idosos na Paraíba (9/8). Foto: DIVULGAção/PSBEduardo Campos e Marina Silva na Fundação Abrinq (7/8). Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGMarina e Erondina fazem caminhada pela Bahia (3/8). Foto: Twitter/Silva_MarinaCandidata à vice-presidência do PSB, Marina Silva, é vista durante sabatina do seu companheiro de chapa, Eduardo Campos, na CNI (30/7). Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIACandidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos, e sua vice, Marina Silva, chegam a auditório para encontro na CNI, em Brasília (30/7). Foto: José Paulo Lacerda/ CNIEduardo Campos e Marina Silva inauguram casa Campos-Marina em Osasco. Local será comitê eleitoral da campanha da dupla (28/7). Foto: Facebook/Eduardo CamposMarina Silva, vice na chapa de Eduardo Campos à Presidência, se refresca em café em Belo Horizonte (22/7). Foto: Flávio Tavares/Hoje em Dia/Futura PressMarina Silva e Eduardo Campos durante coletivo para o lançamento da candidatura de dez aliados de Marina ao Legislativo (26/7). Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGEduardo Campos e Marina Silva visitam a Exposição Agropecuária do Crato, município do Ceará (20/7). Foto: Divulgação/Site OficialEduardo e Marina vestem kimono para acompanhar a 17ª edição do Festival do Japão, em São Paulo. Foto: Reprodução/Facebook Eduardo CamposEduardo Campo e Marina Silva registram candidatura presidencial pelo partido PSB (3/7). Foto: Reprodução/Facebook oficial PSBPSB oficializa candidatura de Eduardo Campos e Marina Silva à presidência e vice-presidência da República em Brasília (28/6). Foto: Humberto Pradera

*Com Vitor Sorano

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas