PSDB na oposição a Marina é jogo de cena, avaliam cientistas políticos

Por Vitor Sorano - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Partido deverá ter papel relevante em um governo da ex-senadora mesmo sem apoiá-la na eleição

Vitor Sorano/iG
Aécio Neves durante entrevista ao iG e à RedeTV! (12/09/2014)

A promessa de Aécio Neves de que o PSDB, caso derrotado na eleição presidencial, será oposição a um eventual mandato de Marina Silva (PSB) - feita durante entrevista ao iG e à Rede TV! - é apenas jogo de cena eleitoral temporário, que talvez sequer sobreviva no segundo turno, avaliam cientistas políticos.

ASSISTA: Se perder, PSDB fará oposição a Marina, diz Aécio Neves

Primeiro porque, na oposição, o PSDB seria eclipsado pelo PT. Além disso, os tucanos não podem perder a oportunidade de participar do governo do qual estão distantes há 12 anos, sobretudo se alguém com ideias parecidas assumir o comando.

“A declaração [de Aécio] é tão verdadeira quanto uma nota de R$ 3. Aécio não pode deixar de dizer que se opõe tanto a Dilma quanto a Marina”, diz Adriano Nervo Codato, professor de ciência política da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

A demarcação de território é necessária para evitar a imagem de que o tucano, que tem 15% das intenções de voto ante 33% de Marina e 36% de Dilma Rouseff (PT), segundo o Datafolha, já assumiu a derrota. Isso levaria à desmobilização da militância e poderia comprometer o desempenho do PSDB nas disputas estaduais, avalia Marco Antonio Carvalho Teixeira, professor de ciência política e de políticas públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV).

ESCANTEIO: Em debate, Dilma e Marina e enfrentam e deixam Aécio de lado no segundo debate presidencial

Teixeira lembra inclusive que, embora seja o atual presidente do PSDB, Aécio não terá autoridade para definir os rumos do partido em 2015 se fracassar na disputa pela Presidência e não vencer nem em Minas Gerais, seu Estado natal, onde com 22% dos votos está tecnicamente empatado com Marina, que tem 27% (Dilma lidera com 35%).

“Qual é a força que Aécio vai ter?”, questiona Teixeira. “Esse declaração [de que não irá apoiar Marina] está no bojo de quem quer mostrar que está no páreo e não vai jogar a toalha. O que se fala agora só tem sentido agora”, afirma o pesquisador. “O Michel Temer [presidente do PMDB e vice-presidente da República] também diz que vai para oposição. Você vê o PMDB na oposição?”

Para Maria do Socorro Braga, professora da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e integrante da diretoria da Associação Brasileira de Ciência Política (ABCP), Aécio pode desdizer a tese de oposição a Marina assim que o segundo turno entre ela e Dilma se mostrar inevitável. Ou seja, logo após o fechamento das urnas em 5 de outubro.

"Fazer isso [reconhecer apoio a Marina] no primeiro turno é entregar o jogo para as duas. Ele só fará isso na boca de urna do primeiro turno que aponte que ele está fora do segundo", diz.

Força eleitoral do PSDB e proximidade com Marina estimulam aliança

Num eventual governo Marina, o papel de oposição será naturalmente do PT - que terá sido apeado do poder após 12 anos. Já o papel de situação poderá - e deverá - ser partilhado pela candidata do PSB com outros partidos, em troca de apoio político.

O PSDB, uma das grandes siglas do País - domina 8,5% da Câmara dos Deputados, 13,6% do Senado, oito governos estaduais e mais de 700 prefeituras, segundo Codato, da UFPR -, é, também naturalmente, candidato ao posto.

“Marina precisará do PSDB, assim como do PMDB e de uma fileira de partidos nem um pouco virtuosos, para constituir uma maioria no Congresso, sem a qual não governa”, diz Codato, da UFPR. “Além do mais, os projetos de governo de Aécio e Marina são suficientemente parecidos a ponto de, uma vez a candidata do PSB vitoriosa, os dois poderem, no dia seguinte, simular uma ‘aproximação programática’, uma ‘convergência de ideias’, esse teatro todo.”

Aécio cumpre agenda de campanha em Taboão da Serra (26/09). Foto: Marcos Fernandes/PSDBAo lado do governador do Paraná e candidato à reeleição no Paraná, Beto Richa, Aécio Neves faz campanha em São José dos Pinhais (26/9). Foto: Igo Estrela/Coligação Muda BrasilAo lado da candidata do PP ao governo do Rio Grande do Sul, Ana Amélia, Aécio Neves durante coletiva de imprensa em Porto Alegre. Foto: Divulgação/PSDBAécio Neves vira gaúcho em dia de campanha Caxias do Sul ao lada senadora Ana Amélia, candidata ao governo do Rio Grande do Sul pelo PP (25/9). Foto: Marcos Fernandes/ Coligação Muda BrasilAécio Neves faz travessia de barca do Rio para Niterói em dia de campanha no Rio de Janeiro (23/9). Foto: Orlando Brito/Coligação Muda BrasilAo lado de Giovane, do vôlei, e outros candidatos, Aécio faz carreata em Betim (MG) (22/9). Foto: Marcos Fernandes/Coligação Muda BrasilCantor Fagner faz campanha ao lado de Aécio Neves na Feira de São Cristóvão, no Rio de Janeiro (21/9). Foto: Orlando Brito/Coligação Muda BrasilAécio veste chapéu e ganha imagem de Padre Cícero durante visita a Feira de São Cristóvão, que reúne tradições nordestinas, no Rio de Janeiro (21/9). Foto: Orlando Brito/Coligação Muda BrasilAécio ainda canta repende e cita o avô Tancredo Neves na Feira de São Critóvão (21/9). Foto: Orlando Brito/Coligação Muda BrasilAécio Neves faz campanha com outros candidatos do PSDB em Ipatinga, no Vale do Aço, em Minas Gerais (20/9). Foto: Coligação Muda BrasilAo lado de Paulo Souto, candidato ao governo na Bahia pelo PSDB, Aécio Neves faz corpo a corpo com eleitores em Itabuna (18/9). Foto: Valter Pontes/CoperphotoAécio Neves participa do VI Coletivo da Mulher Metalúrgica, em São Paulo (19/9). Foto: Emiliano Capozoli/Coligação Muda BrasilCandidato do PSDB à Presidência participa do encontro 'Todas com Aécio', em São Paulo (17/9). Foto: Marcos Fernandes/Coligação Muda BrasilAécio Neves, Marina Silva e Dilma Rousseff participam de debate na Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, na cidade paulista de Aparecida (16/09). Foto: DIVULGAção/PSBAo lado de Ronaldo, Aécio Neves se arrisca com passos de funk e na capoeira no lançamento do livro 'Um país chamado favela', em Madureira, no Rio (14/9). Foto: Igo Estrela/Coligação Muda BrasilRonaldo acompanhou Aécio Neves em dia de campanha na cidade do Rio de Janeiro (14/9). Foto: Igo Estrela/Coligação Muda BrasilAécio Neves ainda joga capoeira em dia de campanha ao lado de Ronaldo, no Rio de Janeiro (14/9). Foto: DivulgaçãoAécio e Ronaldo também assistem à apresentação na CUFA (14/9). Foto: Igo Estrela/Coligação Muda BrasilRonaldo e Aécio Neves fazem caminhada na orla do Rio de Janeiro. Ex-jogador carrega o número do candidato do PSDB à Presidência no peito (14/9). Foto: André Freitas/AgNewsRonaldo e Aécio posam com eleitores na praia no Rio de Janeiro (14/9). Foto: Igo Estrela/Coligação Muda BrasilFãs pedem para tirar foto com Ronaldo durante dia de campanha por Aécio Neves (14/9). Foto: André Freitas / AgNewsRonaldo ainda posta em seu Instagram uma foto com toda a família ao lado de Aécio. 'Em família. #somostodosAécio', escreve na legenda (14/9). Foto: Reprodução/InstagramAécio Neves faz carreata em Belo Horizonte ao lado de Pimenta da Veiga, candidato ao governo mineiro pelo PSDB (13/9). Foto: Leo Lara/Coligação Todos por MinasAécio Neves durante entrevista ao iG e à RedeTV! (12/09/2014). Foto: Vitor Sorano/iGAécio faz carreata ao lado do candidato a governador, Pimenta da Veiga, e do candidato ao Senado, Antônio Anastasia, em Montes Claros (MG) (11/9). Foto: Orlando Brito/Coligação Muda BrasilAécio Neves, presidenciável pelo PSDB, participa de um encontro com a juventude em Belo Horizonte (MG) (11/9). Foto: Marcos Fernandes/Coligação Muda BrasilPresidenciável Aécio Neves (PSDB) faz campanha nas ruas de Belém, no Pará (08/09). Foto: Divulgação/PSDBAécio Neves participa de ato político em Marabá, no Pará (8/9). Foto: Orlando Brito/Coligação Muda BrasilCandidato ao lado da pastora Flordelis, que cantou uma música em homenagem a ele. Foto: DivulgaçãoAécio ganha adesivo de campanha de Ana Amélia, candidata do PP ao governo do Rio Grande do Sul (5/9). Foto: Marcos Fernandes/Coligação Muda BrasilAo lado de Geraldo Alckmin, Aécio Neves faz caminhada em Santos com direito a pausa para um pastel (2/9). Foto: Igo Estrela/ObritoNewsCandidato Aécio Neves ao lado do ex-presidente FHC no comitê da campanha, em São Paulo. Foto: Orlando Brito/Coligação Muda BrasilMal nas pesquisas, Aécio Neves (PSDB) busca em São Paulo o início da recuperação de sua campanha na corrida presidencial . Foto: Divulgação/SBTAécio Neves joga futebol no evento "Futebol entre Amigos" promovido pelo ex-jogador Zico, no Rio de Janeiro (31/8). Foto: Orlando Brito/Coligação Muda BrasilAo lado de Alckmin, Aécio Neves visita à Estação Vila Prudente, da Linha 15 Prata do monotrilho, em São Paulo (29/8). Foto: Ana Flavia Oliveira/iGAlckmin, candidato a reeleição ao governo de São Paulo, e o presidenciável Aécio Neves conversam em visita a estação do monotrilho (29/8). Foto: Ana Flavia Oliveira/iGAécio toma café da manhã com operários em São Paulo (28/8). Foto: Marcus Fernandes/Coligação Muda BrasilAécio Neves (esquerda) e Aloysio Nunes Ferreira, candidatos a presidente e vice pelo PSDB, durante o lançamento do site Vamos Agir (27/8). Foto: Divulgação/Coligação Muda BrasilAécio Neves, candidato à Presidência pelo PSDB, participa de entrevista no jornal O Estado de S. Paulo, nesta quarta-feira (26). Foto: Divulgação/PSDBAécio Neves, candidato do PSDB à Presidência da República participa de debate na TV Band (26/08). Foto: Divulgação/PSDBAécio Neves (PSDB) visita Unidade da Polícia Pacificadora (UPP) da Comunidade de Santa Marta,no Rio de Janeiro (18/08). Foto: Divulgação/PSDBDilma Rousseff cumprimenta o presidenciável pelo PSDB, Aécio Neves, no velório de Eduardo Campos e vítimas do acidente aéreo (17/8). Foto: Paulo Whitaker/ReutersAécio Neves (PSDB) é entrevistado pelos apresentadores do Jornal Nacional, Willian Bonner e Patrícia Poeta (11/08).. Foto: Globo/João CottaAécio Neves em caminhada em Manaus (9/8). Foto: Igo Estrela/ObritoNewsAécio Neves e a mulher, Leticia Weber, deixam hospital com o pequeno Bernardo no colo, no Rio de Janeiro (10/8). Foto: Reprodução/InstagramPresidenciável Aécio Neves visita a comunidade ribeirinha Julião, no Amazonas (9/8). Foto: Igo Estrela/Coligação Muda BrasilGabriela, filha de Aécio, acompanha o candidato durante visita à comunidade no Amazonas. Foto: Igo Estrela/Coligação Muda BrasilTucanos Aécio Neves, Geraldo Alckmin e José Serra fazem selfie na fábrica Voith, em São Paulo (07/08). Foto: Divulgação/PSDBAécio (PSDB)com metalúrgicos Voith, em São Paulo. Ele estava acompanhado governador Geraldo Alckmin, candidato à releição, e de José Serra, que concorre ao Senado (07/08). Foto: Divulgação/PSDBCandidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, participa de encontro da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (6/8). Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaAécio Neves, candidato do PSDB à Presidência, discursa na Associação Médica de Brasília (05/07). Foto: Divulgação/PSDBAécio Neves dança com Ana Amélia, candidata do PP ao ao governo do Rio Grande do Sul em encontro em Porto Alegre (3/8). Foto: Igo Estrela/ObritoNewsAo lado de Álvaro Dias e Beto Richa, candidatos à reeleição ao Senado e governo paranaense pelo PSDB, Aécio Neves participou de caminhada em Curitiba (2/8). Foto: Divulgação/PSDBAécio Neves inaugura comitê da Coligação Muda Brasil em Belo Horizonte (31/7). Foto: Orlando Brito/Coligação Muda BrasilAécio Neves dá coletiva na Confederação Nacional da Indústria (30/7). Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaO candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves,  participa de encontro com empresários na CNI (30/7)
. Foto: José Paulo Lacerda/ CNICandidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, participa de encontro com empresários (30/7). Foto: José Paulo Lacerda/ CNIAécio Neves, Geraldo Alckmin e o padre Rosalvino, fundador da Obra Social Dom Bosco, visitam a Feira Tecnológica da Zona Leste de São Paulo (26/7). Foto: Facebook/Aécio NevesAécio Neves  visita a Vigário Geral, no Rio de Janeiro (RJ), e toca com AfroReagge (25/7). Foto: Orlando Brito/Coligação Muda BrasilCandidato do PSDB Aécio Neves participa de caminhada em Vigário Geral, no Rio (25/7). Foto: Orlando Brito/Coligação Muda BrasilCandidato à Presidência pelo PSDB, Aécio Neves, visita o Centro Cultural Waly Salomão, espaço criado pelo AfroReggae, no Rio (25/7). Foto: Orlando Brito/Coligação Muda BrasilAécio Neves em encontro com a deputada federal Mara Gabrilli para discutir políticas para inclusão de pessoas com deficiência (22/7). Foto: Marcos Fernandes/ObritoNewsAécio, candidato pelo PSDB, visita o Santuário Nossa Senhora da Piedade, em Caeté (MG). Seu avô, Tancredo Neves, costumava frequentar o local (21/7). Foto: DivulgaçãoAécio conta com a companhia de outros políticos do partido, como Pimenta da Veiga, candidato ao governo de Minas (21/7). Foto: Igo Estrela/PSDBAécio Neves visita estátua e Memorial Padre Cícero, em Juazeiro do Norte, no Ceará, na companhia de Tasso Jereissati (20/7). Foto: Igo Estrela/PSDBCandidato faz uma oração no Memorial Padre Cícero, em Juazeiro do Norte, no Ceará (20/7). Foto: Igo Estrela/PSDBFesta para Aécio Neves na Expocrato, em Crato, no Ceará (19/7). Foto: Igo Estrela/PSDBAo lado de Geraldo Alckmin, candidato à reeleição ao governo de São Paulo, Aécio visita o projeto Manaciais, em São Paulo (19/7). Foto: Marcos Fernandes/PSDBCandidato se encontra com Juvenal Araújo, presidente do Tucanafro, para conversar sobre ideias para o programa de governo (17/7). Foto: George Gianni/psdbEncontro entre Aécio Neves e Dom Orani Tempesta no Rio de Janeiro (18/7). Foto: Marcos Fernandes/ObritoNewsEleitor registra discurso de Aécio Neves em Vitória, no Espírito Santo (10/7). Foto: Reprodução/InstagramCandidato à Presidência acompanha seleção na Copa do Mundo ao lado da família (4/7). Foto: Reprodução/InstagramNo mesmo dia, ele posta uma foto com a filha Gabriela no estádio do Maracanã (4/7). Foto: Reprodução/InstagramAloysio Nunes é anunciado como vice de Aécio Neves na candidatura à presidência (30/6). Foto: Futura PressConvenção Nacional do PSDB, em São Paulo, oficializa Aécio Neves como candidato à Presidência da República (14/6). Foto: Orlando Brito/ Facebook Oficial de Aécio NevesAécio Neves e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso oficializam a candidatura do senador à presidência em São Paulo (14/6). Foto: Futura PressSerra, Geraldo Alckmin, FHC e Aécio Neves durante Convenção Nacional do PSDB no Expo Center Norte, em São Paulo (14/6). Foto: Futura PressDurante a Convenção Nacional do PSDB, Aécio Neves recebe um beijo da filha, Gabriela (14/6). Foto: Orlando Brito/ Facebook Oficial de Aécio NevesPresentes celebram durante Convenção do PSDB em São Paulo (14/6). Foto: Futura PressAécio começa caminhada pelo Brasil por São João Del Rei (13/6). Foto: Reprodução/Instagram

O cientista político lembra ainda que, para além do número de cargos executivos e parlamentares que ocupa, o PSDB possui uma forte base eleitoral, composta não apenas de antipetistas ou da alta classe média.

“E o PSDB tem programa político e econômico claros. Representa interesses reais e valores ideológicos específicos da sociedade brasileira. Ou seja, além de força política é uma força social. Nesse contexto, nem mesmo Marina Silva, com toda a sua pureza de intenções, pode abrir mão de um ator político como esse.”

MAL-ESTAR: PSDB age para apaziguar tensões após declaração de possível apoio a Marina no 2º turno

Também professor da UFSCar, o cientista político Pedro José Floriano Ribeiro avalia que Marina pode até mesmo decidir manter distância do PSDB durante o segundo turno, já que nem seria necessária uma aliança para convencer os eleitores tucanos a não votar em Dilma.  Mas isso não significaria que os tucanos vão ser mantidos longe de um eventual governo.

"Ter o PSDB ao lado no segundo turno seria tudo o que o PT gostaria. Ela [Marina] pode mais perder do que ganhar [com uma aliança formal]", afirma Ribero. "Num eventual governo, as conversas seriam iniciadas."

Participação no governo tucano poderia fortalecer legenda

O apoio parlamentar do PSDB a um eventual governo Marina resultará, forçosamente, no controle de ministérios, o que dará ao PSDB a possibilidade - que o partido não tem há 12 anos - de decidir “sobre coisas de fato grandes”, diz o professor da UFPR. A questão será não se, mas quanto poder os tucanos terão. A medida será dada pela relevância das pastas que vierem a ocupar, lembra Teixeira, da FGV.

Para Maria do Socorro, da UFSCar, o PSDB - ainda que saia mais fraco desta eleição - terá cacife para exigir participação em ministérios relevantes, como o do Planejamento ou da Fazenda, e não apenas em acessórios.

"O PSDB vai se manter como terceiro maior partido do País, ou mesmo pode vir a se tornar o segundo. Ele vai ter papel, sim, e vai querer assumir um papel preponderante. O PSDB ficaria como o PMDB é hoje para o PT", afirma.

A derrota em outubro, assim, estaria longe de significar um “tsunami político”, diz Codato, para o PSDB. E a participação no governo Marina pode ser um passo no sentido de um dia voltar ao governo federal. Teixeira lembra como a legenda exerceu, com ex-presidente Itamar Franco - que assumiu após a queda de Fernando Collor (hoje no PTB/AL) - um papel relevante na transição pós-impeachment, espécie de prelúdio para os oito anos de governo tucano (1994-2002).

“Ninguém imaginava que o Fernando Henrique Cardoso (FHC) [ministro da Fazenda de Itamar] pudesse vir a ser presidente do Brasil”, lembra o cientista político.

Nota da Redação: uma versão anterior desta reportagem informou incorretamente o nome da ABCP. O nome correto é Associação Brasileira de Ciência Política

Leia tudo sobre: eleições 2014marina silvaaécio nevesdilma rousseffpsdbpsb

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas