Escândalo na Petrobras agita cenário eleitoral

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo revista Veja, ex-diretor Paulo Roberto Costa teria envolvido deputados, senadores, governadores e ministros em esquem de propina envolvendo contratos da empresa estatal

BBC

Supostas denúncias feitas pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa à Polícia Federal estremeceram o cenário eleitoral, a pouco menos de um mês para o primeiro turno das eleições .

BBC Brasil
Paulo Roberto Costa foi diretor de abastecimento e refino da Petrobras entre 2004 e 2012

De acordo com uma reportagem publicada no sábado pela revista Veja, Costa teria citado mais de 30 nomes, entre deputados, senadores, governadores e ministros, como beneficiários de um esquema de propina envolvendo contratos da estatal.

A reportagem não traz detalhes, documentos nem valores sobre o possível esquema. Os nomes, segundo a revista, teriam sido mencionados por Costa à Polícia Federal durante 40 horas de depoimento, como parte do acordo de delação premiada que o ex-diretor fez com procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato.

O caso: Ex-diretor da Petrobras cita ministro e até Campos em lista de propina

A operação Lava Jato foi deflagrada em março com a prisão do doleiro Alberto Yousseff, acusado de liderar um esquema de lavagem de dinheiro que teria movimentado R$ 10 bilhões.

'Homem-bomba'

Ex-diretor de abastecimento e refino da Petrobras entre 2004 e 2012, Costa é suspeito de intermediar negócios entre a estatal e fornecedores, e distribuir propina a políticos.

Leia mais: PSB defende Eduardo Campos após denúncias de ex-diretor da Petrobras

Ele foi preso em 20 de março deste ano por tentar ocultar provas de esquema de lavagem de dinheiro e solto cerca de um mês depois. Em junho, voltou à prisão e aceitou acordo de delação premiada.

Segundo a Veja, Costa teria afirmado à Polícia Federal que os políticos citados por ele ficariam com uma comissão de 3% sobre o valor de contratos firmados pela Petrobras.

Ainda de acordo com a reportagem, o ex-diretor de abastecimento da Petrobras teria admitido pela primeira vez que empreiteiras envolvidas em contrato com a estatal eram obrigadas a contribuir para um caixa paralelo.

A reportagem da revista também faz menção à compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, contra a qual pesam denúncias de superfaturamento. Segundo a publicação, Costa disse que a aquisição da planta teria servido para abastecer o caixa de partidos e como propina para os envolvidos no esquema.

Reações

O conteúdo da publicação gerou reações em todo o espectro político, inclusive dos presidenciáveis.

Neste domingo, o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, minimizou o impacto das denúncias feitas por Costa, chamando-as de "boataria".

Leia ainda: Aécio quer volta de ex-diretor da Petrobras à CPI

"Acho que estão tentando usar essa delação premiada, ou melhor, a notícia parcial de vazamento não confiável, para tentar, um pouco no desespero, mudar o rumo da campanha", afirmou Carvalho, que não figura na suposta lista de políticos relatada por Costa.

"Não posso tomar como denúncia contra a base aliada uma boataria de um vazamento, de um procedimento que eu não sei qual é".

"Vazamento é sempre condenável; pode ser usada por um advogado de um réu para prejudicar outro...", acrescentou.

E também: Marina diz que PT e PSDB se uniram e fazem "campanha desleal" 

Já o ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, afirmou que as denúncias vão ser investigadas. "O inquérito corre em sigilo por isso não é possível fazer nenhuma valoração a respeito".

Confira abaixo as reações dos principais candidatos à Presidência à reportagem da revista Veja sobre as supostas denúncias de Paulo Roberto Costa.

Dilma Rousseff: "[Uma reportagem] não lança suspeita nenhuma sobre o governo, na medida em que ninguém do governo foi oficialmente acusado". "Ao ter os dados eu tomarei todas as providências cabíveis, tomarei todas as medidas, inclusive, se tiver que tomar medidas mais fortes".

Aécio Neves: "Não dá para a presidente Dilma dizer que não sabia o que vinha acontecendo. A marca mais perversa do governo do PT é o aparelhamento do Estado. Eles têm um plano para se perpetuar no poder, causando situações como esta da Petrobras. Os cargos de direção precisam ser ocupados por pessoas sem ligação com partidos políticos e não por pessoas que negociem, troquem favores".

Marina Silva: "O PT e o PSDB estão juntos numa campanha desleal, que afronta a inteligência da sociedade brasileira fazendo todo o tipo de difamação, calúnias, desconstrução do nosso projeto político e da minha pessoa, enquanto o que estamos fazendo é discutindo e dialogando". "Nós queremos as investigações. Não queremos que prevaleça a estratégia leviana que já se faça associação inclusive (com integrantes do partido dela, PSB) esquecendo a grande quantidade de envolvidos que estão por aí vivos e muito aptos a continuar diminuindo o patrimônio público."

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas