Debate RedeTV-iG: Pezão é o alvo principal dos candidatos ao governo do Rio

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Além do governador, o líder das pesquisas, Garotinho, também esteve na mira dos adversários Crivella, Lindberg e Motta

Os candidatos ao governo do Rio de Janeiro participaram na noite desta terça-feira (02) de um acalorado confronto. O debate foi produzido pela RedeTV e pelo Portal iG, com a participação do jornal O Dia. Concorrendo à reeleição, o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) foi o alvo principal dos outros adversários. Mas Anthony Garotinho (PR) também esteve na mira de Marcelo Crivella (PRB), Lindberg Farias (PT) e Tarcisio Motta (PSOL), os outros compontentes da discussão. 

Horas antes do debate, o Ibope divulgou pesquisa revelando que Garotinho lidera as intenções de voto, com 27%, seguindo de Pezão, 19%, Crivella, 17%, Lindberg, 11%, e Motta, 3%.  Brancos e nulos somam 14%, enquanto 8% permanecem indecisos, sem saber em quem votar.  

As milícias, grupos armados que tomam várias comunidades do Rio, cobrando ‘pedágios' dos moradores, centraram grande parte do debate. Tanto Pezão quanto Garotinho, que já governou o Estado, foram acusados de serem tolerantes com esses criminosos, permitindo que suas ações ilegais se fortalecessem em seus respectivos governos. 

Ibope: Garotinho empataria com Crivella e Pezão em caso de segundo turno

 Debate foi promovido em parceria entre o iG e a emissora RedeTV no Rio de Janeiro. Foto: ReproduçãoLuiz Fernando Pezão (PMDB) durante o debate RedeTV-iG com os candidatos ao governo do Rio. Foto: ReproduçãoAnthony Garotinho (PR) durante o debate RedeTV-iG com os candidatos ao governo do Rio. Foto: ReproduçãoMarcelo Crivella (PRB) durante o debate RedeTV-iG com os candidatos ao governo do Rio. Foto: ReproduçãoLindberg Farias (PT) durante o debate RedeTV-iG com os candidatos ao governo do Rio. Foto: ReproduçãoTarcisio Motta (PSOL) durante o debate RedeTV-iG com os candidatos ao governo do Rio. Foto: ReproduçãoTales Farias (vice-presidente editorial do iG), Tony Vendramini (repórter da RedeTV) e Fernando Molina (colunista do O Dia) fizeram perguntas aos políticos. Foto: Reprodução

“Nunca um governo enfrentou tanto as milícias como nós. Existem mais de 600 milicianos presos... Vamos continuar implantando UPPs, enfrentando as  milícias”, se defendeu Pezão. Devolvendo o ataque de Garotinho, o peemedebista apontou o adversário como responsável pela proliferação dos milicianos no Estado.

O assunto voltou à tona quando o publisher e vice-presidente editorial do iG, Tales Faria, questionou Garotinho sobre a promessa dele em permitir a circulação livre do transporte público alternativo. “O senhor disse que se eleito vai liberar as vans. É sabida a ligação das vans com milícias. O senhor não teme estar ressuscitando "a farra das milícias" no Rio de Janeiro?”, questionou o jornalista.

Leia também: Candidatos chegam ao debate e comentam pesquisa Ibope

Apesar de admitir que a milícia possa controlar parte dessa frota, Garotinho afirmou que o transporte alternativo é conduzido, em sua maioria, por trabalhadores honestos. “Pode ter miliciano dirigindo van? Pode sim. Mas quem é mais nocivo para a sociedade, o miliciano dirigindo van ou um deputado que tem conta no exterior?”, disse o candidato do PT.

Estatização do Maracanã

O líder das intenções de voto aproveitou suas falas no debate para fazer uma série de promessas, como a redução do IPVA em 50% e o fim da vistoria veicular. O candidato ainda prometeu desfazer a privatização do estádio do Maracanã, chamada por ele de “grande negociata”.

“Eu vou cancelar a privatização do Maracanã. Ricardo Teixeira, que tem uma fazenda em Piraí, perto do Pezão, vai lá chorar com ele, mas tudo bem”, provocou Garotinho, citando o ex-presidente da CBF.

André Mourão / Agência O Dia
Antes do debate, Lindberg cumprimenta Garotinho, enquanto Pezão estuda para o confronto


Turismo gay no Rio

Membro da igreja Universal, Crivella foi questionado pelo iG sobre falta de apoio dele a criminalização da homofobia, num Estado que tem uma capital com forte turismo gay, possibilitando uma grande arrecadação de impostos. 

Mais: Crivella convida gays para almoçar, mas se nega a assinar compromisso com grupo

“Turismo gay, hétero, ideológico. Esses são diretos das pessoas, não cabe fazer qualquer discriminação. O espírito democrático e minha vocação para respeitar o direito dos outros, está escrito na minha trajetória. No Rio de Janeiro, com recurso próprio, fiz o projeto Cimento Social. Eu respeito as pessoas, eu respeito as opções das pessoas”, respondeu Crivella.

Nova política x velha política

Em quarto lugar nas pesquisas, Lindberg tentou se vender como o único representante da nova política entre os debatedores. “É possível criar um novo caminho no Rio de Janeiro, tivemos manifestações... A volta do Garotinho é um retrocesso, a continuidade do governo Pezão é um retrocesso”, defendeu o petista, em suas considerações finais. “O Rio de Janeiro não pode ir para trás, enquanto todo o Brasil quer ir para frente”, completou.

André Mourão / Agência O Dia
O debate RedeTV-iG teve como mediadora a jornalista Amanda Klein


Próximos debates RedeTV-iG

Este foi o primeiro encontro de uma série de três debates organizados pela RedeTV e iG. Os próximos serão realizados em São Paulo (domingo, dia 7/9) e Minas Gerais (21/9). Em Minas, o debate terá a participação do jornal O Tempo, parceiro do iG no Estado.

Um novo ciclo de eventos nos três Estados irá complementar as eleições no segundo turno. A mesma parceria com a emissora RedeTV também terá sabatina com os três principais candidatos à Presidência da República, Dilma Rousseff (PT), Marina Silva (PSB) e Aécio Neves (PSDB).

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas