Pouco perguntado, Aécio vira coadjuvante em debate dominado por adversárias

Por Ricardo Donisete - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Candidato do PSDB foi ignorado por Dilma e Marina no confronto e respondeu menos questões que as rivais

Num provável reflexo das pesquisas que o apontam em terceiro lugar, Aécio Neves (PSDB) teve que se contentar com a posição de coadjuvante no debate do SBT, realizado nesta segunda-feira (01). Além de ser estrategicamente ignorado pelas adversárias Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB), o tucano também não teve muita sorte no sorteio que definiu a ordem para cada candidato perguntar.

Nos dois blocos de perguntas entre candidatos, Aécio não conseguiu estar entre os primeiros a perguntar. Dilma e Marina conseguiram esse privilégio, mas não quiseram questionar o tucano. No total, o candidato do PSDB respondeu três questões, contra quatro de cada adversária.

O tucano pode questionar Dilma apenas uma única vez. Ele escolheu o tema segurança pública para fazer isso. "Seu governo investe muito pouco nesta área. Apenas 13% vêm da União", perguntou Aécio, que foi acusado de ser desmemoriado pela rival.

2º debate: Dilma e Marina se confrontam e deixam Aécio Neves em segundo plano

A presidente e candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), durante o debate com os candidatos. Foto: Alice Vergueiro / Futura PressO candidato à Presidência da República pelo PSDB, Aécio Neves, durante o debate com os candidatos . Foto: Alice Vergueiro / Futura PressA candidata à Presidência da República pelo PSB, Marina Silva, durante o debate com os candidatos  . Foto: Alice Vergueiro / Futura PressO candidato à Presidência da República pelo PRTB, Levy Fidelix. Foto: Alice Vergueiro/Futura PressO candidato à Presidência da República pelo PSC, Pastor Everaldo. Foto: Alice Vergueiro/Futura PressA candidata à Presidência da República, Luciana Genro . Foto: Alice Vergueiro / Futura PressO candidato à Presidência da República, Eduardo Jorge (PV). Foto: Alice Vergueiro/Futura PressOs candidatos à Presidência da República, durante o debate . Foto: Alice Vergueiro / Futura Press

"Acho que você tem memória fraca. O Governo Federal deu um apoio financeiro de R$ 140 milhões para Minas Gerais. Além disto, sua memória é tão fraca que em caso de transporte público temos parceria com o governo de Minas. O metrô em Minas Gerais é feito em parceria com a prefeitura e com a iniciativa privada. Meu governo colocou R$ 143 bi em metrô em nove capitais", retrucou Dilma.

O candidato do PSDB desmentiu a presidente. "São as mesmas promessas de quatro anos atrás, candidata. Em Belo Horizonte, ganha um prêmio em quem andar em um palmo de metrô construído pelo governo federal."

Adversárias de Aécio no debate: 
Agora vitrine, Marina vira alvo de Dilma, Aécio e Luciana Genro em debate
Dilma continua no ataque durante debate, mas muda o foco para Marina Silva

Mesmo quando não estava confrontando Dilma diretamente, Aécio procurou atacar a presidente, citando inclusive a retração 0,6% do PIB brasileiro, divulgada na semana passada pelo Banco Central. "O governo do PT perdeu um longo período que poderia ter realizado vários investimentos com o auxílio do setor privado", criticou o tucano em outro momento, quando discutia mobilidade urbana com Levy Fidelix, candidato nanico do PRTB.

Aécio ainda foi carimbado por Luciana Genro (PSOL) como o candidato das classes abastadas. "Ele governa para as elites, a política econômica do PSDB é uma política que só interessa aos de cima, aos do andar de cima” , provocou Luciana.

O ataque do tucano à adversária Marina só veio mais claramente nos últimos minutos do debate, quando Aécio procurou se colocar como a opção mais segura ao eleitor em relação às rivais.  

“Ficou claro que temos dois campos políticos. Um do governismo que fracassou. No campo de mudanças, temos várias. Mas uma delas, e reitero que acredito nas boas intenções da candidata Marina, defende teses que combatia há algum tempo”, disse Aécio, na sua última tentativa de se destacar no debate.

Leia tudo sobre: Eleições 2014Aécio Neves

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas