Aeronave foi adquirida por R$ 19 milhões e documento que selou a intenção de compra tem apenas data e local do negócio

O contrato de compra do jatinho do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos não foi registrado em cartório e não cita informações sobre quem adquiriu a areonave. A informação é do jornal "Folha de São Paulo", publicadas nesta segunda-feira (1º).

Marina Silva: “Não tinha qualquer informação”

Márcio França:  Documentos sobre avião de Campos podem ter sido destruídos no acidente, diz PSB

Segundo a publicação, o documento, chamado carta de intenção de compra, que selou a negociação tinha apenas o valor - US$ 8,5 milhões (R$ 19 milhões), o local e a data (Recife, 15 de maio de 2014) da negociação.

Veja fotos do acidente que matou o ex-governador e mais seis pessoas

A carta foi entregue ao grupo Alexandre Andrade e Fabrício Andrade, da empresa A.F.Andrade, aos cuidados de Guilherme Vieira Machado.

Ainda de acordo com o jornal, a ausência do nome do comprador e indício de que dinheiro de caixa dois pode ter sido usado para comprar o jato. O PSB ainda não conseguiu explicar como foi feita a negociação. Na semana passada, o tesoureiro de campanha do partido, Márcio França, sugeriu que os documentos tivessem sido destruídos no acidente. 

A candidata à Presidência pela sigla, Marina Silva, também ainda não deu explicações sobre a negociação. Em entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo, ela disse que a única informação que tinha era que o avião havia sido emprestado e que o dinheiro seria ressarcido depois da campanha. Quanto aos verdadeiros proprietários, disse: “Eu não tinha qualquer informação de ilegalidade sobre os proprietários do avião.”

Na semana passada, o JN revelou que uma peixaria e empresas fantamas foram usadas para fazer o pagamento de R$ 1,7 milhão ao dono da aeronave. 

Além do ex-governador, o acidente do dia 13 de agosto deste ano matou seis pessoas. 


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.