O pedido agora será submetido ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), que deve votar a matéria nos próximos dias

BBC

Os desembargadores do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) decidiram por unanimidade na noite desta quarta-feira pela convocação das forças federais para garantir a segurança da campanha no Estado. O pedido será submetido ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que deve votar a matéria nos próximos dias.

Forças armadas foram usadas para segurança no Rio de Janeiro nas eleições 2012
Getty Images
Forças armadas foram usadas para segurança no Rio de Janeiro nas eleições 2012

Segundo informações divulgadas pela presidência do TRE-RJ após a sessão, o pedido, como antecipado pelo desembargador eleitoral Fábio Uchôa ainda na terça-feira, contempla já a fase de campanha, e não apenas os dias anteriores à votação, em 5 de outubro.

A confirmação sobre o contingente e a data de chegada, no entanto, só serão divulgados caso o pedido seja aceito pelo TSE em Brasília.

Em nota, o TRE-RJ disse que o pedido ocorreu para "para garantir o bom andamento" das eleições e esclareceu que a convocação acontece desde a eleição de 2008.

No mesmo documento, o TRE-RJ esclarece que, embora o TSE determine "que se colha a opinião do governador" sobre a necessidade de tal medida, a corte eleitoral em Brasília também deixa claro que, quando um tribunal regional concluir que o parecer do governador não é suficiente e constatar que houve pedidos anteriores, "deliberará pela solicitação ao TSE da presença de força federal".

Relatório

A solicitação é resultado de um relatório que indicou que milícias e traficantes têm impedido alguns candidatos de entrar em ao menos 41 comunidades, inclusive favelas com Unidades de Polícia Pacificadoras (UPPs).

Em entrevista à BBC Brasil, o desembargador eleitoral Fábio Uchôa disse na terça-feira que "a cada dia que passa os candidatos estão perdendo a oportunidade de apresentar suas plataformas à população", e que, por isso, a presença da Força Nacional ou do Exército deve ser imediata, e não apenas às vésperas do primeiro turno, no dia 5 de outubro.

"De nada adianta a liberdade do exercício do voto se você não permitiu ao eleitor a possibilidade de conhecer as propostas dos candidatos. Mesmo que a votação seja de total liberdade, o processo eleitoral não pode ser visto apenas como o dia do voto. Eu penso que seria imediato, sim", avalia.

Em 2012 as Forças Armadas chegaram ao Estado seis dias antes das eleições municipais, quando o TRE-RJ solicitou a medida ao TSE.

Ausência de Estado

Na semana passada, o Ministério Público Eleitoral já havia se pronunciado favoravelmente à presença das forças federais, diante de denúncias de que traficantes e membros de milícias estavam impedindo acesso de alguns candidatos a comunidades e cobrando pedágios de até R$ 10 mil de outros.

Em 2012, Forças Armadas chegaram ao Rio seis dias antes das eleições a pedido do TRE

Das 41 comunidades, 15 seriam regiões sem UPPs; dez seriam áreas de UPPs, incluindo a Rocinha e o Complexo do Alemão; e 16 seriam comunidades dominadas por milícias.

Além disso, há relatos de que as milícias estejam fazendo cadastros com os números dos títulos de eleitor dos moradores, como forma de coagir a população a votar nos candidatos aliados. Cientes do local de votação, alegam poder conferir se a votação ocorreu conforme suas orientações.

"É um problema crônico que o Estado do Rio de Janeiro vem enfrentando há muitos anos. Trata-se de um processo longo, que não se resolve da noite para o dia", disse o desembargador Fábio Uchôa.

O problema é especialmente complicado em áreas cobertas pelas UPPs, territórios sobre os quais em tese o Estado detém o controle.

"As UPPs são apenas medidas que o governo decidiu tomar. Mas parece que agora degringolaram. Os criminosos são audaciosos, e me parece que o Estado não está com o mesmo domínio sobre essas áreas como há alguns anos", afirmou Uchôa.

'Desnecessário'

Ainda na terça-feira, tanto o secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, quanto o governador Luiz Eduardo Pezão (PMDB) deram declarações contraditórias sobre o tema.

O secretário disse à imprensa local que considerava "desnecessário" convocar forças federais, enquanto o governador rejeitou as informações elaboradas pela própria Secretaria de Segurança Pública do Estado. Mas horas depois afirmou que se o TRE solicitar o envio das forças, terá seu apoio.

A Justiça Eleitoral pediu que Pezão apresentasse um posicionamento oficial e endereçado ao tribunal, mas isso não aconteceu ao longo da terça-feira.

"É claro que as forças não cobrirão todo o território necessário, mas é o mínimo que se pode fazer. Me parece que o governador sinaliza concordância com a medida, mas não quer ter o ônus de tomar a decisão, já que não se manifestou em expediente direto ao TRE, e sim de forma oblíqua, pela imprensa", criticou o desembargador Fábio Uchôa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.