Coordenador de Dilma admite que campanha arrecadou menos do que o esperado

Por Vitor Sorano - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Marinho crê, no entanto, que avanço de Marina vai aumentar doações de empresários que rejeitam candidata do PSB

Coordenador da campanha de reeleição à Presidência da República de Dilma Rousseff (PT) em São Paulo, Luiz Marinho, admitiu que a arrecadação do comitê financeiro petista ainda está aquém do esperado. Marinho, que é prefeito de São Bernardo do Campo, também entende que a candidatura ainda precisa aprimorar sua organização.  

"Falta de grana e de ajustar a logística. Isso tem que melhorar muito na campanha da Dilma em São Paulo e no Brasil como um todo", apontou Marinho na noite da última terça-feira (26), no debate presidencial na TV Band. Segundo o coordenador petista, têm ocorrido algumas dificuldades na entrega de material de campanha da presidente Dilma pelo Brasil.

Veja imagens do primeiro debate presidencial:

Debate da TV Band é o primeiro encontro entre os concorrentes à Presidência da República. Foto: Marcos Bezerra/Futura PressTucano Aécio Neves durante o primeiro debate entre presidenciáveis na TV Bandeirantes. Foto: Orlando Brito/Coligação Muda BrasilDeputado Marco Feliciano (PSC), candidato à reeleição, chegou atrasado ao debate nesta terça. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGEncontro de Dilmas: humoristas encarnam Dilma Rousseff, candidata à reeleição do PT, nos bastidores da TV Band. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGCandidatas Marina e Dilma, conversam momentos antes do debate entre presidenciáveis. Ao lado, Aécio Neves. Foto: Marcos Bezerra/Futura PressDilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, chega ao estúdio da TV Band para o primeiro debate entre presidenciáveis. Foto: Marcos Bezerra/Futura PressMarina Silva (PSB) foi cautelosa ao comentar nova posição nas pesquisas de intenções de voto. 'Só o começo dos trabalhos'. Foto: Marcos Bezerra/Futura PressAécio Neves (PSDB) cutucou a adversária Marina ao classificá-la como um 'projeto improvisado' à Presidência. Foto: Marcos Bezerra/Futura PressLuciana Genro, candidata do PSOL, também participou do primeiro debate presidencial. Foto: Marcos Bezerra/Futura PressPastor Everaldo (PSC) aparece em quarto lugar nas pesquisas, com 1% dos votos. Foto: Marcos Bezerra/Futura PressEduardo Jorge (PV) também participa do debate presidencial da TV Band. Foto: Marcos Bezerra/Futura PressLevi Fidélix (PRTB) também participa do debate presidencial da TV Band. Foto: Marcos Bezerra/Futura Press

No entanto, Marinho argumentou que não só a campanha de Dilma tem tem tido dificuldade para arrecadar, mas todas as outras. Para ele, o avanço de Marina Silva (PSB) nas pesquisas de intenção de voto pode ter um efeito colateral positivo, com a petista recebendo mais doações por conta de uma suposta resistência do empresariado à candidata do PSB.

Na primeira parcial da arrecadação, divulgada no início de agosto, Dilma declarou ter levantado R$ 9,6 milhões, contra R$ 8,1 milhões de Aécio Neves (PSDB). O número é 22% menor do que no mesmo período de 2010, na primeira eleição dela. O valor não inclui as doações feitas ao comitê financeiro da campanha.

Maior das eleições 2014, o limite de gastos estipulado pela campanha de Dilma é de R$ 298 milhões. Aécio Neves tem o segundo maior teto financeiro, com R$ 290 milhões. 

Performance no debate:

- Agressiva e irônica, Dilma mantém Aécio como o principal adversário
- Marina é pressionada por adversários a provar que é alternativa ao PT e PSDB
- No ataque, Aécio tenta desconstruir imagem de Marina e confronta Dilma 

A campanha de Aécio em 2014 aumentou arrecadação em relação a 2010, quando José Serra foi o candidato do PSDB.

Na primeira parcial, o maior doador de Dilma é a indústria de alimentos JBS, que dou R$ 4,5 milhões, seguido da Ambev, do setor de bebidas, com R$ 4 milhões. A construtora Andrade Gutierrez deu R$ 1 milhão.

Já os maiores valores doados à candidatura de Aécio saíram do Comitê Financeiro Nacional do PSDB para a campanha à  Presidência da República do tucano. Foram R$ 6,7 milhões de um total de R$ 8,1 milhões. O comitê, por sua vez, teve até como maior doador a JBS, com R$ 5 milhões.

Pesquisa Ibope

Com 29% das intenções de voto, Marina disparou na corrida eleitoral e agora está na cola de Dilma, que teria 34% no primeiro turno se as eleições fossem hoje, segundo pesquisa Ibope divulgada nesta terça. Em um eventual segundo turno entre as duas candidatas, Marina ainda ganharia de Dilma, com nove pontos percentuais a frente - 45% contra 36%.

Mais: Serra boceja durante debate e Alckmin vai embora antes do final

De acordo com o Ibope, o candidato tucano, Aécio Neves, aparece em em terceiro lugar com 19% das intenções de voto. Caso vá para o segundo turno com Dilma, o tucano teria 35% contra 41% da petista. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Leia tudo sobre: eleições 2014dilma rousseffluiz marinho

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas