Aeronave seria de responsabilidade do comitê de campanha de Campos. Marina criou outro comitê ao assumir candidatura

Marina Silva posta para fotos ao lado de eleitores na Bienal do livro, em São Paulo
Vanderlei Preite Sobrinho/iG
Marina Silva posta para fotos ao lado de eleitores na Bienal do livro, em São Paulo

Para o PSB, a candidata à Presidência Marina Silva não vai responder sobre o avião que era usado por Eduardo Campos e que caiu em Santos no dia 13 de agosto. O político e as seis pessoas que estavam no Cessna PR-AFA morreram no acidente. A aeronave não havia sido declarada à Justiça Eleitoral e, agora, o partido afirma que Marina Silva, que assumiu a candidatura, não tem que ser envolvida no caso. 

Leia também: Documentos sobre avião podem ter sido destruídos no acidente, diz PSB

Segundo informações desta terça-feira (26) do jornal O Globo , Marina tem um novo comitê de campanha, com um novo CNPJ, como determina a lei eleitoral em caso de morte de um candidato. O avião usado por Campos era de responsabilidade do comitê de campanha do ex-governador de Pernambuco e que já foi extinto com a sua morte.

Diante disso, Marina não teria que respoder na Justiça pelo uso do avião. Quem deveria prestar contas e explicar o motivo para a aeronave não ter sido declarada na prestação de contas ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) é o antigo comitê, segundo dirigentes do PSB. Um dirigente disse ao jornal que com a morte de Campos, uma prestação de contas se interrompe e começa uma outra com Marina. 

Entenda: Marina promete respostas sobre compra do jato que matou Campos

A publicação diz ainda que a versão do PSB para o assunto reforça uma tese de que o avião teria entrado em um caixa dois na campanha de Campos, ou seja, o gasto não foi declarado regularmente. 

Ainda segundo O Globo , o partido segue duas linhas para explicar a falta de declaração. Uma delas é que Eduardo Campos poderia ter feito um acordo verbal com empresários. Outra é que os documentos estariam dentro do avião e também foram destruídos no acidente. Márcio França, novo tesoureiro da campanha presidencial do PSB, também levantou a segunda hipótese na segunda-feira (25), antes de um debate para o governo de São Paulo. Nos dois casos, o PSB reconhece que não haveria recibo registrado no TSE, como exige a lei. 

Vídeo mostra queda de avião de Campos. Relembre: 


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.