Candidato tucano ainda minimizou nova pesquisa Ibope que o colocou em terceiro na disputa, com 19% das intenções de voto

O candidato à Presidência Aécio Neves (PSDB) classificou a candidatura da concorrente Marina Silva, representante do PSB, como um "projeto improvisado". A declaração foi dada nesta terça-feira momentos antes do debate presidencial da TV Bandeirantes. O tucano minimizou ainda a nova pesquisa Ibope , divulgada hoje, que o coloca com 19% das intenções de voto, em terceiro lugar na corrida.

Pesquisa Ibope: Marina abre dez pontos sobre Aécio e venceria Dilma no segundo turno

Candidato Aécio Neves (PSDB) durante entrevista antes do debate presidencial nesta terça-feira
Marcos Bezerra/Futura Press
Candidato Aécio Neves (PSDB) durante entrevista antes do debate presidencial nesta terça-feira

Aécio entrou nos estúdios da emissora escoltado pelo seu vice Aloysio Nunes, que não desgrudou do ouvido do candidato, que, simpático fez questão de cumprimentar a imprensa. "O Ibope é uma pesquisa que vem depois de uma comoção que tomou conta do Brasil, [a morte de Eduardo Campos] . Tenho absoluta confiança na nossa proposta, que foi amplamente debatida pelo País, não é projeto improvisado."

Questionada sobre o cenário positivo de sua campanha, com 29% das intenções de voto no primeiro turno e dez pontos à frente do tucano, Marina foi cautelosa ao dizer que seria apenas um "retrato do momento". Ela afirmou que pediu calma para a sua equipe de campanha com os resultados positivos e argumentou ainda que os trabalhos só estão começando.

Pesquisa anterior: Ibope volta a indicar vitória de Dilma em eventual segundo turno

Datafolha: Marina empata com Aécio no 1º e com Dilma no 2º turno

O vice-presidente Michel Temer, atual vice na chapa de Dilma Rousseff, também demonstrou tranquilidade com os números do Ibope. A recente pesquisa apontou que a petista perderia para Marina no segundo turno, com 45% ante 36% de Dilma. "Temos 40 dias pela frente. Não há preocupação", explicou Temer.  

O coordenador da campanha de Dilma à reeleição, Luiz Marinho, também disse que o desempenho positivo de Marina ainda é influenciado pela morte de Eduardo Campos (PSB). "[ O desempenho de] Marina ainda não decantou o morto, a tragédia, o corpo quente do defunto", disse Marinho antes do início do debate presidencial da TV Bandeirantes. "A Marina tem consistência, mas é cedo para qualquer decisão."

Marinho chegou a comparar Marina com candidatos como Roseana Sarney e Ciro Gomes, candidatos à presidência que apresentavam bons resultados no início da campanha, mas não chegaram ao segundo turno.

O coordenador alfinetou o candidato do PSDB, Aécio Neves, que aparece em terceiro na pesquisa, com 19% das intenções de votos, dez pontos atrás de Marina e 15 de Dilma. "O Aécio, se não se cuidar, ela (Marina) se consolida no segundo lugar. Neste momento a disputa é entre Aécio e Marina."

Pesquisa anterior

Na pesquisa anterior, divulgada pelo Ibope em 7 de agosto, a presidente Dilma tinha 38% das intenções de voto e Aécio aparecia em segundo lugar, com 23%. Já Eduardo Campos, na ocasião, candidato do PSB à presidência tinha 8%. Campos morreu em um acidente aéreo no cidade de Santos no último dia 13.

Entre os nanicos, o pastor Everaldo (PSC) aparece em quarto lugar com 1% dos votos, assim como Luciana Genro (PSOL). Os outros candidatos não chegaram a 1%.

Marina Silva tirou votos de todos os candidatos ao entrar na disputa. Dilma e Aécio perderam quatro pontos cada. Até os índices de brancos, nulos e indecisos caíram. Na pesquisa anterior, votos brancos e nulos somavam 13% e agora chegam a 7%. Eleitores indecisos atigiam 11% dos entrevistados e agora esse índice chega a 8%.

Rejeição

A ex-senadora é também a que tem menor índice de rejeição entre os três primeiros colocados, segundo o Ibope. Apenas 10% dizem que não votariam na candidata, contra 36% que rejeitam Dilma e 18%, Aécio. Pastor Everaldo tem 14% de rejeição e Zé Maria (PSTU) tem 11%.

A avaliação ao governo da atual presidente Dilma Rousseff teve pequena variação positiva. Para 34% dos eleitores, a gestão dela é boa ou ótima. Na avaliação anterior, esse índice era de 32%. Entre os que desaprovam, o índice de ruim ou péssimo passou de 31% para 29% neste levamento.

Encomendanda pela Rede Globo e pelo jornal Estado de São Paulo , o pesquisa ouviu 2.506 eleitores entre os dias 23 e 25 de agosto.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.