Candidato do PT é contra a redução da maioridade penal e aproveitou para criticar o governo tucano de Geraldo Alckmin

A redução da maioridade penal foi um dos temas presentes no debate dos candidatos que disputam o Palácio do Bandeirantes, neste sábado (23), na TV Band. O assunto foi citado por um dos jornalistas da emissora ao petista Alexandre Padilha, com direito de réplica a Paulo Skaf (PMDB). O terceiro e segundo lugar das pesquisas de intenções de voto, respectivamente, não concordaram entre si sobre a privação de liberdade aos menones infratores.

Mais: 'PT não estará no meu palanque', diz Skaf em primeiro debate com concorrentes

Segundo Padilha, 98% dos crimes cometidos no Estado de São Paulo são cometidos por maiores de 18 anos. Ele se disse surpreso com a intenção dos opositores de promover a redução da maioridade se os números mostram o contrário e aproveitou a questão para mais uma vez fazer crítica ao governo tucano.  

Veja imagens do debate dos candidatos ao governo de São Paulo:

"Acreditamos em novos mecanismos que mantenham [os menores] em privação de liberdade, mas sou contra mudar a Constituição Brasileira. Nós assistimos o PSDB governar São Paulo por 20 anos. Aonde o PSDB levou presídio, vou levar escola", defendeu.

Nos 30 segundos de réplica, Skaf prontamente discordou do petista e disse ainda que "se um jovem de 16 e 17 anos tem direito de escolher o presidente", deve estar preparado para enfrentar as consequências de seus atos em sociedade. "Se tem direito [a votar], tem deveres para serem cumpridos", explicou. 

Mais sobre o debate:

- Skaf sobre crise hídrica em SP: "Faltou investimento e acabar com desperdício”
- Padilha diz que PSDB e Alckmin convivem há 20 anos com corrupção no metrô
Candidatos ao governo de São Paulo lamentam ausência de Alckmin em debate

Padilha voltou para a tréplica argumentando que reduzir a maioridade penal não eliminaria a atuação dos menores no mundo do crime. Mas, apenas daria uma nova parcela de crianças para serem manipulados pelos "donos do crime". "A mudança na Constituição não enfrentará os donos do crime. Com isso, jovens de 12 ou 14 anos serão iniciados no crime". Ele encerrou dizendo que defende uma reforma na Constituição, a reforma política, com uma atuação da população. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.