Após uso de palavra no horário eleitoral, dono do Club e Hotel Bahamas avalia garra de candidatos: 'De tesão, eu entendo', diz

Nesta semana, com o início da propaganda eleitoral no rádio e na TV, a palavra tesão ganhou as páginas dos jornais e virou assunto nas redes sociais e em rodas de bar. Isso porque o candidato ao governo paulista pelo PMDB, Paulo Skaf , disse em seu programa que o atual governador e candidato à reeleição pelo PSDB, Geraldo Alckmin , " não governa com garra, tesão ".

Na TV: Alckmin inaugura monotrilho e Skaf diz faltar tesão ao governador de SP

Oscar Maroni, dono do Club e Hotel Bahamas
Ana Flávia Oliveira
Oscar Maroni, dono do Club e Hotel Bahamas

Análise: Datafolha traz números ruins, mas melhora da aprovação é boa notícia para Dilma

Atrás de uma “autoridade” no assunto, o iG foi ao escritório de Oscar Maroni, 63, um dos empresários mais proeminentes da noite paulistana, perguntar como ele vê o "tesão" dos candidatos aos palácios do Planalto, em Brasília, e dos Bandeirantes, em São Paulo.

Com uma expressão séria enquanto afirmava "de tesão, eu entendo", o psicólogo de formação Maroni, dono do Club e Hotel Bahamas, em Moema, bairro nobre da zona sul de São Paulo, foi enfático e não titubeou em nenhum instante ao analisar o perfil dos candidatos.

"Aécio [Neves] tem [tesão]... Solteirão na flor da idade, aquela libido toda pulando dentro de si. Todo preocupado com a estética, com a postura. Eu acho que é um homem que tem garra", brinca, mas sem deixar de lado a análise política do candidato. "Os mineiros dizem que ele tem grande competência. Ele vem de um grande amadurecimento político", diz. Sem declarar abertamente, ele afirma que “tende” a votar no ex-governador de Minas Gerais.

Datafolha: Marina empata com Aécio no 1º e com Dilma no 2º turno

De acordo com a última pesquisa Datafolha divulgada na segunda-feira (18), o presidenciável do PSDB aparece tecnicamente empatado com Marina Silva , candidata do PSB , com 20% das intenções de voto. Ela tem 21%, enquanto a presidente Dilma Rousseff , candidata à reeleição pelo PT, tem 36%.

Preocupado com o sentido da palavra usada por Skaf, Maroni define com ar professoral, como quem pretende prender a atenção de uma classe com cem alunos. "Estamos usando um tesão subjetivo, obviamente não é o tesão sexual. Ter tesão é ter paixão pelo que você faz", qualidade que, segundo ele, é uma das mais importantes de um administrador.

Ex-filiado ao PT (cuja carteirinha ainda exibe com um misto de orgulho e decepção ao tirar da carteira), Maroni também foi candidato a vereador em São Paulo, em 2008. Recebendo 5.804 votos, não foi eleito. Esse currículo, aliado à sua atividade principal de empresário “da noite”, o faz analisar de forma bem peculiar a atual presidente do País, que descreve como uma mulher extremante competente e com grandes ideologias políticas e que "tem tesão sim na política".

Veja imagens da campanha eleitoral dos candidatos à Presidência:

Fazendo a ressalva de que "precisamos de renovação", completa: "Eu a acho uma mulher sensual. Não é das mulheres mais sensuais do Brasil, mas ela é sensual pela inteligência, pela capacidade de chegar lá, de ter a liderança. Saiu da submissão dos machos e tem a sua opinião própria e sua personalidade. Mas isso não é suficiente para governar o Brasil. Ela teve que ter o Lula a tira colo."

A candidata do PSB, a ex-senadora Marina, é a menos indicada para assumir o comando do País, segundo Maroni. Para ele, faltam nela a vivência e a garra que os outros dois candidatos têm. Fazendo uma analogia com a vida escolar, Maroni define:

"Eu acho que, para chegar a um cargo universitário, tem de fazer a pré-escola, o primário, o ginásio. Você tem de crescer. Só idealismo social e honestidade não são suficientes. Para administrar tem de ter e prática, que só se adquire no dia a dia. Marina não passou por isso ainda."

Tesão no Palácio dos Bandeirantes

Entre os candidatos ao governado da maior cidade do País, Maroni refuta o apelido de “Picolé de Chuchu” dado ao atual governador de São Paulo. “Eu acho que o Skaf tem menos tesão que o Alckmin, que é político de carreira. Ele começou de baixo e veio crescendo. Acho que tem uma grande capacidade administrativa. Skaf tem tesão em ganhar a política, se eleger, adquirir o poder, tomar decisões. Mas não tem o gene ligado à liderança que o Alckmin tem.”

Mirando 2018: Alckmin vira 'picolé de pimenta' com forte articulação política

Apesar de não esconder o descontentamento com a crise de desabastecimento de água pela qual passa o Estado de São Paulo e de desconversar sobre as denúncias de formação de cartel para compra e reforma de trens do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) envolvendo o secretário da Casa Civil licenciado e principal coordenador da campanha de Alckmin, Edson Aparecido, o empresário diz não ver outro candidato com mais tesão para governar o Estado que o tucano.

Na TV, Skaf critica Alckmin, acusando-o de governar sem tesão. “Acho que o Skaf tem menos tesão que Alckmin', diz Maroni
Reprodução
Na TV, Skaf critica Alckmin, acusando-o de governar sem tesão. “Acho que o Skaf tem menos tesão que Alckmin', diz Maroni

Usando a mesma analogia da idade escolar usada anteriormente, ele define o candidato petista, terceiro colocado nas pesquisas de intenção de voto (5%), Alexandre Padilha , como “ginasial”. “Acho que o Padilha não tem tesão. Para ter tesão político, você tem de ter carreira e competência política. Eu acho que tem de aprender um pouco mais. Ele está fazendo o ginásio ainda.”

Alckmin lidera as pesquisas de intenções de voto no Estado, com 55%, segundo o último levantamento Datafolha divulgado no dia 15, seguido do peemebista, que tem 16%.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.