Ex-ministra do Meio Ambiente passou a manhã na Fundação João Mangabeira antes de confirmação de sua candidatura

Agência Brasil

A ex-senadora Marina Silva passou a manhã desta quarta-feira (20) na Fundação João Mangabeira, em Brasília, onde se reuniu com assessores e lideranças políticas, incluindo o deputado federal Beto Albuquerque (RS), o presidente do PSB, Roberto Amaral, e os governadores Renato Casagrande (ES) e João Lyra (PE). O senador Pedro Simon (PMDB-RS), amigo pessoal de Marina, disse que veio ao encontro para dar alguns “palpites” sobre a campanha.

Perfil: Evangélica, Marina terá de agradar fiéis sem espantar o voto jovem progressista

Acerto: Vice representará PSB nos estados em que Marina não concordar com alianças

Simon disse que Marina está animada, confiante e firme. “A Marina é a candidata da esmagadora maioria do Brasil e quer mudar”, disse.

Segundo ele, Marina achou “ótima” a escolha de Beto Albuquerque, líder do PSB na Câmara, para acompanhá-la como vice na chapa. Simon destacou que o fato de Albuquerque não ser conhecido nacionalmente não deve ser motivo de preocupação para o PSB, que queria um nome que simbolizasse a legenda.

Analistas políticos:  'Terceira via' de Marina ainda é uma incógnita

“A linha dele é correta, ele é bom de tribuna e tem uma boa biografia. Ele é jovem, é brilhante, grande orador, tinha uma intimidade muito grande com Eduardo [Campos] e tem com a Marina. É importante para a afirmação do partido”, explicou.

Para compor a chapa, Albuquerque, que era candidato ao Senado pelo Rio Grande do Sul, teve de abrir mão da disputa no Estado. Pedro Simon, que poderia assumir a candidatura, descartou qualquer possibilidade de campanha alegando problemas de saúde, mas garantiu que Marina terá o apoio do PMDB no território gaúcho.

As articulações entre Marina e outros políticos ocorreram ao mesmo tempo em que parlamentares e dirigentes do PSB se reuniam para construir uma carta reafirmando os compromissos de Campos e apoiando a nova composição da chapa.

Leia também: Analistas apontam os pontos fracos de Aécio, Dilma e Marina

O documento será apresentado na reunião da Executiva Nacional do partido marcada para a tarde desta quarta-feira em Brasília, quando o PSB oficializa a chapa com os nomes de Marina e Albuquerque.

Em nota, o PPS reafirmou o compromisso com a coligação. "Temos a certeza de que a chapa Marina Silva e Beto Albuquerque honrará o compromisso de Eduardo de não desistir do Brasil , mantendo acesa a chama da mudança. O PPS compromete-se com a candidatura de Marina-Beto Albuquerque com o mesmo empenho e com a mesma dedicação com que se lançou como partícipe do projeto Eduardo-Marina", disse em nota o presidente nacional do PPS, Roberto Freire, que se reuniu com a Executiva Nacional do partido nesta quarta (20).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.