Com cenário eleitoral afetado pela morte do candidato do PSB, horário gratuito começa a ser veiculado nesta terça

Terá início nesta terça-feira (19) a propaganda eleitoral gratuita em rádio e TV. A largada ocorre em meio à repercussão da morte do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos. Ainda assim, os principais candidatos que disputam o Palácio do Planalto com o PSB optaram por manter o plano original para o início da campanha televisiva.

A presidente Dilma Rousseff, que tenta a reeleição, vai estrear na TV com um balanço da gestão. Já o candidato tucano, Aécio Neves, deve usar a propaganda para se apresentar ao eleitorado e falar de sua trajetória política.

Com 11 minutos e 24 segundos de tempo de TV, o programa de Dilma deve se concentrar em alguns eixos principais. O plano do marqueteiro João Santana é exaltar realizações do governo e mostrar a petista como uma receita que deu certo. Temas como emprego e renda devem ter papel fundamental nesta primeira fase.

Veja imagens das campanhas dos presidenciáveis: 

Uma das prioridades na TV será mostrar Dilma como autora de “grandes realizações”. De acordo com um integrante da campanha, a presidente será mostrada diante de grandes obras de infraestrutura, como a transposição do Rio São Francisco.

Além disso, a campanha petista apostará na força política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para novamente alavancar votos para a presidente. Cabo eleitoral de luxo, ele terá sua imagem amplamente explorada como grande avalista da candidatura a reeleição.

Datafolha: Marina empata com Aécio no 1º e com Dilma no 2º turno

Já o tucano Aécio Neves, aproveitará os primeiros programas para se apresentar, já que fora da Região Sudeste, não conta com o nível de conhecimento de Lula e Dilma.

Aécio terá Aécio terá 4 minutos e 35 segundos. Um dos eixos de sua campanha será apresentá-lo como homem casado, pai de dois filhos recém-nascidos e de uma filha de seu primeiro casamento e herdeiro político de seu avô, Tancredo Neves, que morreu em 1985, depois de ter sido eleito presidente da República, ainda pelo voto indireto.

Outro eixo dos primeiros programas terá foco em enaltecer a imagem de político com capacidade de gestão, que governou Minas Gerais por dois mandatos.

A campanha socialista que, com a morte do titular, Eduardo Campos, terá Marina Silva como cabeça de chapa, teve de correr para redefinir sua estratégia na TV. A exposição na TV e no rádio é vista como fundamental para tentar alavancar votos e chegar ao segundo turno. Marina terá dois minutos e três segundos de tempo.

Mais Datafolha: Aprovação de governo Dilma sobe para 38%, indica pesquisa

E ainda: Marina precisa conciliar atritos e cobranças dentro da coligação do PSB

Sem o anúncio oficial da candidatura de Marina, a saída foi usar o primeiro programa para prestar uma homenagem a Eduardo Campos e aos assessores que morreram com ele no acidente aéreo no último dia 13 de agosto. Os primeiros programas gravados com o ex-governador serão editados e reaproveitados. De acordo com integrantes da campanha, a parte em que Marina o apresenta como candidato irá ao ar no primeiro programa.

A ex-senadora, só deverá aparecer como candidata no programa de quinta-feira (21), depois do anúncio oficial da chapa que deverá ocorrer na quarta-feira (20).

A propaganda eleitoral está dividida em dois blocos diários de 25 minutos de duração cada bloco. Nas rádios, a transmissão ocorrerá de 7h às 7h25 e das 12 horas à 12h25.

Na televisão, o primeiro bloco terá início às 13 horas e vai até 13h25. Á noite, será exibida das 20h30 até 20h55. Nas terças, quintas e sábado serão veiculados os programas dos candidatos à Presidência da República. Nas segundas e quartas e sextas-feiras, serão exibidas as propagandas das campanhas estaduais.

As candidaturas do Pastor Everaldo (PSC) e de Eduardo Jorge (PV) terão um minuto. A candidata do Psol, Luciana Genro (Psol) e o candidato do PSDC, José Maria Eymael (PSDC) terão 50 segundos. Já Levy Fidelix (PRTB), José Maria (PSTU), o Mauro Iasi (PCB) e o Rui Costa Pimenta (PCO) terão 45 segundos cada um, em cada bloco.

Leia também: Preocupado com rejeição, PT reformula campanha de Dilma

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.