TSE nega pedido do PV para adiar início do horário eleitoral por morte de Campos

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Partido diz ser necessário mais tempo para coligação liderada pelo PSB escolher um novo nome para liderar a chapa

Reuters

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Dias Toffoli, não acatou o pedido do candidato do PV à Presidência da República, Eduardo Jorge, pelo adiamento do horário eleitoral gratuito no rádio e na TV devido à morte do candidato Eduardo Campos (PSB).

Marina tem mais força que Campos para quebrar polarização entre PT e PSDB

Luto: Marina pede respeito e que não se fale em política até enterro de Campos

Jorge pediu ao TSE, na quinta-feira, pelo adiamento do início do horário eleitoral, marcado para começar no dia 19 de agosto, alegando ser necessário dar mais tempo à coligação liderada pelo PSB para a escolha de um novo nome para liderar a chapa após a morte de Campos num acidente aéreo.

Dilma Rousseff e Eduardo Campos durante vistoria às obras do lote 13 e do canal de aproximação do Rio São Francisco. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR Reunião com Campos e Fernando Coelho. Foto: Palácio do PlanaltoDilma Rousseff, Lula e Eduardo Campos, durante a campanha de 2012. Foto: DivulgaçãoCampos rompeu com o governo neste ano e foi oficializado candidato do PSB à Presidência em junho (28/6). Foto: Humberto PraderaEduardo Campo e Marina Silva registram candidatura à Presidência (3/7). Ele deixou o governo de Pernambuco em abril deste ano. Foto: Reprodução/Facebook oficial PSBMaterial de campanha de Eduardo Campos, candidato à Presidência. Marina Silva era a vice em sua chapa. Foto: Ueslei Marcelino/ReutersCampos comemora aniversário de 49 anos durante caminhada de campanha em Arapiraca- AL.   (8/8/2014). Foto: PSBEduardo Campos foi eleito governador de Pernambuco em 2006 e reeleito em 2010. Foto: Ana Carolina Dias, iG PernambucoO governador de Pernambuco e presidente do PSB, Eduardo Campos, veio a São Paulo para encontro com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Foto: Ricardo Stuckert/Instituto LulaEduardo Campos postou uma imagem ao lado do pai, Maximiano Campos, no dia dos pais. Foto: Facebook/Eduardo CamposEduardo Campos e a família durante missa. Ele deixa mulher e cinco filhos  (10/8). Foto: Facebook/Eduardo CamposEduardo postou na sua página no Facebook uma foto no nascimento de seu filho. Miguel nasceu com síndrome de down (29/1/2014). Foto: Facebook/Eduardo CamposEduardo Campos ao lado da família. Foto: ReproduçãoAo lado de Lula, Campos e a família velam o corpo de Miguel Arraes, avô do político, em Recife (14/8/2005). Foto: Ricardo Stuckert/PRCampos comemora com governadores Aécio Neves (MG) e José Serra (SP) e com Lula a escolha do Brasil como sede da Copa (Zurique - 30/7/2007). Foto: Ricardo Stuckert/PRLula cumprimenta Eduardo Campos, que assume como ministro de Ciências e Tecnologia (23/1/2014). Foto: Ricardo Stuckert/PRCampos foi aliado de Lula durante seu governo e seguiu ao lado do PT até meados de 2013. Foto: Ricardo Stuckert/PREduardo Campos, ministro de Ciências e Tecnologia (2004), conversa com José Dirceu, ministro da Casa Civil na época. Foto: José Cruz/ABr Eduardo Campos, presidente do PSB e governador de Pernambuco (2006-2010), acompanha discurso do ministro da Educação Aloizio Mercadante. Foto: Antonio Cruz/ABrLula, na época Presidente, recebe governadores, entre eles Eduardo Campos, que comandou Pernambuco de 2006 a 2014. Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr

Ao indeferir o pedido, Toffoli justificou sua decisão dizendo que a Justiça Eleitoral não teria como deliberar sobre a matéria, pois as regras referentes ao horário eleitoral são determinadas por legislação específica e não por decisões do TSE.

"Em que pese a relevância das razões apresentadas, não há como postergar o início da propaganda gratuita, pois a matéria é estabelecida pela legislação eleitoral e não por ato de vontade da Justiça Eleitoral", escreveu Toffoli em sua decisão, divulgada na quinta-feira à noite pelo TSE.

Adversários: Para PT e PSDB, clima de comoção pode impulsionar Marina Silva

Campos morreu na quarta-feira com mais seis pessoas quando a aeronave em que estava caiu em Santos (SP) enquanto fazia o trajeto entre o Rio de Janeiro e Guarujá, onde ele teria agenda de campanha.

A coligação Unidos pelo Brasil --formada por PSB, PHS, PRP, PPS, PPL e PSL-- tem até o dia 23 para escolher um substituto para Campos na cabeça de chapa ou desistir da disputa. A ex-senadora Marina Silva, vice de Campos na chapa, é uma das cotadas para substituir o ex-governador.

Leia tudo sobre: eleições 2014morte de campos

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas