Julgamento de 600 processos com repercussão geral é desafio para Lewandowski

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Novo presidente do Supremo Tribunal Federal disse ter apoio dos colegas da corte para dar vazão a esses julgamentos

Agência Brasil

O julgamento de cerca de 600 processos com repercussão geral que aguardam solução no Supremo Tribunal Federal (STF) será o maior desafio do novo presidente da Corte, ministro Ricardo Lewandowski, que foi eleito nesta quarta-feira (13).

Quarta: Lewandowski é eleito presidente do Supremo

Divulgação/SCO/STF
Lewandowski em foto de arquivo

Perspectiva: Temas polêmicos devem voltar ao Supremo no segundo semestre

“Temos hoje cerca de 600 processos para julgamento com repercussão geral. Quando o Supremo escolhe um tema com repercussão geral, os demais processos nos tribunais inferiores ficam represados", explicou o ministro.

Segundo Lewandowski, atualmente existem temas que envolvem de 150 mil a 300 mil processos, e as instâncias inferiores têm dificuldades até para guardá-los e os jurisdicionados ficam sem solução para tais problemas levados à Justiça”, destacou o ministro. Ele disse que tem o apoio dos colegas do tribunal para dar vazão a esses julgamentos.

No primeiro semestre deste ano, os ministros do Supremo julgaram o mérito de 18 processos com repercussão geral reconhecida. Ao todo, a Corte já se pronunciou definitivamente em 182 temas que tiveram repercussão geral reconhecida desde que o tribunal passou a adotar esse instrumento, em 2007. No ano passado, tiveram decisão final (de mérito) 46 temas com impacto em, pelo menos, 116,4 mil processos sobrestados em 15 tribunais.

Em sua primeira participação em um evento da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) depois de eleito presidente do STF, Lewandowski disse que pretende pautar sua gestão no diálogo com os Poderes Executivo e Legislativo, com o Ministério Público e associações como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e as que representam magistrados.

No evento, cujo tema foi Justiça Restaurativa, o ministro comprometeu-se a defender melhores condições salariais e de trabalho para os juízes brasileiros. “O que nós pretendemos é permitir que os juízes tenham todas as condições para melhorar a prestação jurisdicional e, para isso, eles têm de ter as condições adequadas para tanto, seja do ponto de vista de equipamento, seja do ponto de vista de apoio material e humano e, porque não dizer, uma remuneração condigna”, afirmou.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas