Vazamento de dados do Governo Federal cresceu quase 10 vezes no período da Copa

Por Wilson Lima I iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Relatório do CTIR revela crescimento de ocorrências no 2º trimestre do ano em comparação com 1º trimestre

O vazamento de informações de computadores do Governo Federal cresceu 9,3 vezes e a quantidade de sites governamentais derrubados por hackers aumentou 60% no segundo trimestre deste ano, em comparação com o primeiro trimestre 2014. Os dasos constam do relatório do Centro de Tratamento de Incidentes (CTIR) de Segurança de Rede de Computadores da Administração Pública Federal.

Segundo o relatório do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, órgão responsável pelo monitoramento de ataques cibernéticos aos computadores do Governo Federal, esse crescimento exponencial de ações de hackers ocorreu por causa da Copa do Mundo. Em junho, conforme o GSI, houve uma tentativa incessante de invasões nos sites ou computadores governamentais. “Durante o referido evento, no período de 12 de junho de 2014 a 13 de julho de 2014, o CTIR atuou em parceria com o Centro de Defesa Cibernética do Ministério da Defesa e com o Grupo de Resposta a Incidentes de Segurança para a Internet brasileira na detecção e tratamento dos eventos de segurança de redes”, afirma o documento.

Veja também: Investigação confirma autenticidade de documentos vazados do Itamaraty

Pelos dados do CTIR, ocorreram 243 casos de vazamento de informações de terminais do Governo Federal no segundo trimestre de 2014, contra 26 casos nos três primeiros meses do ano. Entre os casos de vazamento de dados ocorridos no segundo trimestre desse ano, está a invasão do grupo de cyber ativistas Anonymous nos computadores do Itamaraty que culminou no compartilhamento de documentos internos do Ministério de Relações Exteriores (MRE).

WAGNER CARMO/Gazeta Press
Durante a Copa do Mundo no Brasil, vazamento de dados do Governo Federal cresceu quase 10 vezes


O Governo Federal alega que não houve o vazamento de informações de caráter estratégico e a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) não detalha oficialmente quais informações foram acessadas pelos hackers. No entanto, fontes com trânsito na Abin informaram ao iG que em pelo menos dez casos no segundo trimestre houve acesso à dados considerados confidenciais.

Ainda segundo os dados do CTIR, ocorreram 421 casos de indisponibilidade de sítio (quando um site é tirado do ar) no segundo trimestre desse ano, em comparação com os 266 casos do primeiro trimestre de 2014. No início da Copa do Mundo, por exemplo, vários sites governamentais ou ligados à promoção do mundial de futebol foram tirados do ar, como, por exemplo, o worldcup2014.gov.br, que ficou indisponível na véspera da abertura do mundial.

Ataques ao Itamaraty: Governo avalia que resposta à espionagem foi falha

Leia também: Hackers vazam supostos documentos do Itamaraty

No segundo trimestre deste ano, também foi registrado crescimento da ordem de 70% de uma ocorrência chamada “abuso de sítio”. Ou seja, problemas com a configuração dos sites governamentais provocados por agentes externos ou não e exposição de códigos fonte ou descobertas de eventuais vulnerabilidades nos sistemas. Entre janeiro e março, foram registrados 347 casos de “abuso de sítio”. Entre abril e junho, 591 eventos do gênero.

No geral, o CTIR teve um total de 6,2 mil ocorrências de problemas em computadores da administração pública federal entre os meses de abril e junho. Apenas em junho, foram registradas 2,7 mil ações contra os terminais do Governo Federal. No primeiro trimestre de 2014, foram registradas 5,2 mil ocorrências no total.

Leia tudo sobre: Copa do Mundo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas