Correligionários passaram mal na sede do PSB e socorrista teve de atender funcionários do palácio do Governo

A notícia da morte de Eduardo Campos (PSB) causou desmaios na sede do PSB em Recife e causou atendimentos de enfermaria no Palácio do Campo das Princesas, sede do governo de Pernambuco.

"Muita gente aqui no Palácio, nas repartições públicas [ passaram mal ]. O Eduardo era um pai para os mais novos, irmão para os de sua idade e um filho para os mais velhos", diz o deputado federal Pastor Eurico (PSB-PE). 

Leia também: "A imagem que quero guadar de Campos é a de despedida", diz Marina Silva

De acordo com a Casa Militar do Palácio das Princesas, duas ou três pessoas precisaram de atendimento do socorrista do local.

No diretório estadual, alguns correligionários de Campos tiveram de ser atendidos por colegas após desmaiarem, segundo secretário-geral do PSB no Estado, Adilson Gomes.

Um dos filhos de Campos, João, deixou o local minutos antes de a notícia da morte do candidato, conta o secretário-geral.

"Eu tinha acabado de conversar com o filho dele, João, que veio aqui no partido adesivar o carro com a propaganda do pai e de Marina", conta Gomes. "Meia hora depois de João sair, chegou a notícia pelas redes sociais."

Eurico afirmou que os familiares de Campos estão sendo "bem acompanhados".

Ministra do Tribunal de Contas da União (TCU), a mãe de Eduardo Campos, Ana Arraes, foi medicada antes de embarcar de Brasília para Recife. O ministro José Múcio, também do TCU, acompanhou a colega.

O avião em que Eduardo Campos viajava do Rio de Janeiro para o Guarujá, no litoral paulista, caiu por volta das 10h desta quarta-feira (13) em de Santos. Além do candidato, morreram os assessores Carlos Augusto Leal Filho e Marcelo Ira, o fotógrafo Alexandre Gomes e Silva, o piloto Marcos Martins e o copiloto Geraldo Cunha.

Leia também: Morre Eduardo Campos, candidato do PSB à presidência


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.