Após indeferimento de candidatura, Arruda diz que “tem fé em Deus e no TSE”

Por Wilson Lima - iGBrasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Na primeira coletiva, ex-governador do DF disse que “não irá dormir” e que vitória no Tribunal Superior será “definitiva”

Um dia após ter seu pedido de candidatura ao governo do Estado indeferido pela Justiça Eleitoral, o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda (PR) classificou como “esdrúxula” a decisão do Tribunal Regional Eleitoral do DF (TRE-DF) e que confia no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e em Deus para reverter a decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF) . “Deus escreve certo por linhas tortas”. No final do pronunciamento oficial, Arruda convocou uma oração com os correligionários.

TRE nega registro e cassa candidaturas de José Roberto Arruda e Jaqueline Roriz

Prestes a ser julgado, Arruda se diz vítima e ironiza Lei da Ficha Limpa

Valter Campanato/ Agência Brasil
José Roberto Arruda (PR) teve sua candidatura ao governo do Distrito Federal cassada, mas pretende recorrer no TSE


Arruda teve seu pedido de candidatura indeferido na noite de terça-feira pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Distrito Federal, por 5 votos a 2. Arruda teve sua candidatura impugnada pela Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) do DF com base na Lei da Ficha Limpa, após ele ter sua condenação pelo crime de improbidade administrativa confirmada pela 2ª Câmara Criminal do Distrito Federal no início de julho. Arruda foi condenado por envolvimento no mensalão do DEM, esquema de corrupção desarticulado pela Polícia Federal em 2009, durante a Operação Caixa de Pandora. Na época, o iG antecipou os principais momentos da operação e publicou com exclusividade um vídeo em que Arruda aparecia recebendo suposta propina de Durval Barbosa, então secretário de Relações Institucionais do governo de Brasília.

Durante o julgamento do pedido de impugnação de Arruda, os desembargadores entenderam que os efeitos da Lei da Ficha Limpa são imediatos a partir do momento da condenação em segunda instância. Os desembargadores também afirmaram que o indeferimento da candidatura de Arruda teve como princípio a preservação da probidade administrativa e da moralidade.

Escândalo no Distrito Federal: Veja lista de reportagens sobre o caso

Mais: candidatos negam má-fé e alegam fim do prazo de inelegibilidade

Arruda afirmou que esse entendimento é esdrúxulo e que já existe uma visão completamente diferente do TSE. Ele alega que não foi enquadrado na Lei da Ficha Limpa, mas que se tornou inelegível pelo crime de improbidade administrativa. “O TSE já enfrentou essa matéria centenas de vezes e em todas as decisões de casos como o nosso. De condenação por improbidade posterior à data do registro, decidiu que as candidaturas são legítimas e devem continuar”, analisou Arruda.

Para ele, a única conseqüência da impugnação de sua candidatura será no âmbito político. “Se já vínhamos enfrentando dificuldade para confeccionar, saibam essas dificuldades nos próximos dias essas dificuldades vão aumentar. Se as dificuldades midiáticas, se as dificuldades causadas pelas dúvidas plantadas pelos nossos adversários, vamos reconhecer, elas vão aumentar”, analisou Arruda. “Dia 19 de agosto começa o programa eleitoral e lá estarei eu defendendo o nosso plano de governo. Amanhã tem debate na Band, me aguardem, estarei lá”, convocou o ex-governador.

Durante todo o seu pronunciamento aos correligionários, Arruda conclamou a “força divina” para tentar dar ânimo à campanha. Ele também citou o filósofo chinês Confúcio para conclamar a militância. “Para conhecer as pessoas, é preciso que você enfrente o sucesso e a desgraça. No sucesso, você conhece a quantidade dos seus amigos; no momento da dificuldade, você conhece a qualidade dos seus amigos. Gente, esse é o momento de dificuldade. Chegou a hora e saber quem está conosco de verdade”, disse Arruda. “Se a minha missão é usar aquilo que Deus me deu para voltar ao cargo do qual me tiraram na covardia, eu vou até o fim”. Em seguida, ele complementou. “Fé em Deus e Arruda neles. Nós precisamos ter muita fé em Deus agora”.

O ex-governador é líder nas pesquisas de intenções de voto no Distrito Federal conforme o último levantamento do Ibope, divulgado em 30 de julho. Arruda tem 32% das intenções de voto, contra 17% do candidato do PT, Agnelo Queiroz e 15% do senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF).

Leia tudo sobre: eleições 2014ArrudaTSE

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas