Presidente diz ter determinado à Casa Civil investigação sobre caso em meio a comício eleitoral em Osasco, grande São Paulo

Agência Brasil

A presidente Dilma Rousseff classificou como inadmissível o uso da rede de internet do Palácio do Planalto para alteração de perfis de jornalistas na Wikipédia, enciclopédia virtual, neste sábado (9).

Ontem: 'Feliz é a nação cujo Deus é o Senhor', diz Dilma a evangélicos

Dilma Rousseff participa de ato de sindicalistas em apoio a sua candidatura, em São Paulo (7/08)
Futura Press
Dilma Rousseff participa de ato de sindicalistas em apoio a sua candidatura, em São Paulo (7/08)

Campanhas: Dilma e Aécio travam guerra jurídica na internet

"A minha opinião é que isso é absolutamente inadmissível por parte do Planalto, do governo federal, ou por parte de qualquer governo. Nesse caso específico é algo que quem individualmente quiser fazer que o faça, mas não coloque o governo no meio", afirmou Dilma, candidata à reeleição pelo PT, durante evento de campanha em Osasco, na Grande São Paulo.

A presidente ressaltou que determinou à Casa Civil uma investigação com a participação do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), do Ministério da Justiça, da Polícia Federal, da Secretaria-Geral da Presidência e da Controladoria-Geral da União (CGU).

"Eu, particularmente, acho, pela experiência que a gente sabe que existe, que é possível descobrir. Não vou chegar e falar 'vai ser descoberto', mas acho que é possível descobrir", acrescentou.

Reportagem do jornal O Globo publicada na sexta (8) apontou que os perfis dos jornalistas Miriam Leitão e Carlos Alberto Sardenberg, ambos da Rede Globo, na Wikipédia foram alterados em maio do ano passado a partir da rede de internet do Palácio do Planalto. Foram incluídas críticas às atuações dos profissionais como comentaristas econômicos.

Veja fotos de Dilma durante a campanha:

Durante o evento, Dilma disse já ter tido problemas com a internet no passado e lembrou que seu e-mail foi invadido.

"O meu e-mail foi pirateado. Abriram meu e-mail, abriram totalmente meu e-mail, no final da campanha de 2010, ou no início, não me lembro ao certo. Eu repudio integralmente esse tipo de ação, como o fiz diante de todos os vazamentos."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.