"Fiquei estarrecido com o que houve na CPI. Quando você quer falar a verdade, não tem que ensaiar pergunta. Você vai e fala"

O candidato do PSB à presidência, Eduardo Campos, classificou de “teatro” a CPI que investiga a Petrobras no Congresso. De acordo com reportagem da revista "Veja", o Planalto articulou uma combinação de perguntas e respostas entre integrantes da comissão e a cúpula da estatal, investigada pela compra suspeita de uma refinaria nos Estado Unidos.

Leia também : 'Vamos tirar o Ministério da Agricultura do balcão político', diz Campos

A declaração de Campos foi dada ao lado de Marina Silva na Fundação Abrinq, onde o candidato assinou o Termo de Compromisso Presidente Amigo da Criança, com metas nacionais para crianças e adolescentes, como universalização de creches e fim do trabalho infantil.

De acordo com o candidato, toda CPI é válida, desde que tenha como objetivo investigar suspeitas de corrupção. O caso da apuração envolvendo a compra supostamente irregular da refinaria de Pasadena, entretanto, ele vê como um "teatro". "Fiquei estarrecido com o que houve na CPI da Petrobras. Montar um teatro... Quando você quer falar a verdade, não tem que ensaiar pergunta. Você vai e fala."

Para Campos, o assunto é sério demais para tamanho "requinte": "Todo esse treinamento em um assunto tão sério. Acho que é a primeira vez que se revela que houve um ensaio. Uma preparação de perguntas e respostas dessa forma não se tem notícia."

Sob pressão: Emparedado por Aécio e Dilma, Campos faz o discurso da nova política

Analistas de mercado: Eleição presidencial é a mais incerta desde 1989

Campos foi à Fundação Abrinq, na zona sul de São Paulo, acompanhado da esposa, Renata Campos (45), e do filho caçula, de 7 meses, nascido com Síndrome de Down. Visivelmente emocionado, ele lembrou de seus programas para crianças e adolescentes em Pernambuco e prometeu garantir o direito ao pré-natal para proteger gestantes em gravidez de alto risco. “Em nosso programa em Pernambuco, a família sai com o álbum do bebê para ajudar na construção dos laços afetivos.”

Marina só tomou a palavra para lembrar que tirou sua primeira foto quando tinha 16 anos. “Tinha muita vontade quando era criança. Uns primos trouxeram algumas do Ceará. Acho que Deus ouviu tanto a minha prece que hoje a coisa que eu mais faço na vida é bater foto”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.