Padilha arrecada R$ 188 mil no início de campanha, 3% do valor de Alckmin

Por Vitor Sorano - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Com 4% das intenções de voto, candidatura petista sofre para obter recursos; governador tucano capta R$ 5,7 milhões

Sem conseguir deslanchar nas pequisas de intenção de voto, o candidato do PT ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha, arrecadou apenas R$ 188,2 mil no início da campanha eleitoral. O valor equivale a 3% dos R$ 5,7 milhões dos quais Geraldo Alckmin (PSDB), que lidera a corrida, conseguiu captar no período.

O valor obtido por Padilha representa uma queda de 92% em comparação com o que o candidato do PT ao governo em 2010, Aloizio Mercadante,  arrecadou no início da campanha (R$ 2,3 milhões em valores atualizados).

Nenhuma empresa doou para o candidato petista neste ano, que amarga 4%, ante os 16% que Mercadante tinha em 2010, segundo o Datafolha. Com isso, o grosso da arrecadação de Padilha – 95% dos R$ 188,2 mil – veio dos cofres do partido. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (6) pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). 

Divulgação
Com desempenho fraco nas pesquisas, Padilha obteve arrecadação 92% menor do que o candidato do PT de 2010 ao governo de São Paulo, Aloísio Mercadante

Cosan e OAS bancam Alckmin

Com uma liderança ainda mais folgada neste ano – 54% das intenções de voto, ante 46% em 2010 –, Geraldo Alckmin (PSD) viu o caixa para sua reeleição crescer 40% em comparação ao de quatro anos atrás. 

Já Paulo Skaf (PMDB), não conseguiu transformar seu melhor desempenho eleitoral neste ano em maiores doações. Com 16% das intenções de voto ante os 2% que tinha em julho de 2010, o pemedebista amealhou R$ 4,35 milhões, ligeiramente abaixo dos R$ 4,44 milhões que obteve há quatro anos.

Veja também: Dilma arrecada 22% menos que em 2010 no início da campanha

Quase a totalidade dos recursos obtidos por Skaf neste início de campanha vieram da construtora OAS e do grupo Cosan, que atua nos setores de energia – incluindo cana de açúcar, um dos principais itens da agricultura paulista. A primeira doou R$ 1,3 milhão e a segunda, R$ 1,5 milhão.

A identificação de quem doou para Alckmin é mais complexa. Os R$ 5,7 milhões obtidos pelo candidato vieram, na totalidade, do Comitê Financeiro Estadual para Governador montado pelo PSDB, que recebeu R$ 6 milhões da Direção Estadual do partido. Entre os principais doadores da direção estadual, com R$ 1 milhão, está  a empreiteira CR Almeida, que opera concessões de rodovias por meio do grupo Ecorodovias, e a construtora Queiroz Galvão, com R$ 2 milhões.

Galeria: Em baixa nas pesquisas ao governo de SP, Padilha tenta sair bem na foto

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas