Renan determina comissão para apurar denúncias contra CPI da Petrobras

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo a Veja, diretores da Petrobras souberam de antemão quais perguntas seriam feitas durante seu depoimento na CPI

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), determinou nesta terça-feira (5) a criação de uma comissão de sindicância para apurar denúncias de vazamento de perguntas que seriam feitas a depoentes na CPI da Petrobras na Casa.

Segunda: PSDB pede investigação de senadores petistas por atuação na CPI da Petrobras

Agência Senado
O presidente do Senado, Renan Calheiros (foto de arquivo)

Dilma: Congresso é que deve responder sobre antecipação de perguntas em CPI

A decisão de instituir a sindicância atende, segundo Renan, a pedido do presidente da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), mas não impede que os trabalhos da CPI continuem.

“Estamos atendendo ao pedido do senador Vital do Rêgo e determinando a constituição de uma comissão de sindicância para esclarecermos todos os fatos e estabelecermos responsabilidade a quem as tenha”, disse Renan. “A CPI é uma instituição que não pode sair arranhada, é um instrumento fundamental de fiscalização de cumprimento do papel do Legislativo.“

Reportagem da revista Veja desta semana aponta que a presidente da Petrobras, Graça Foster, o ex-presidente da estatal José Sergio Gabrielli e o ex-diretor da Área Internacional Nestor Cerveró, que compareceram a audiências na CPI do Senado, "tiveram acesso antecipado às perguntas e foram treinados para responder aos questionamentos“ da comissão.

O fato foi classificado como grave pelo principal candidato da oposição à Presidência da República, senador Aécio Neves, e seu partido anunciou que entrará com representações na Procuradoria Geral da República e no Conselho de Ética do Senado.

Dia 29: Cardozo nega que governo tenha pressionado TCU em processo de Pasadena

Em nota, a Petrobras afirmou que tomou conhecimento das perguntas centrais que norteiam os trabalhos das comissões parlamentares de inquérito por meio do site do Senado Federal, "onde foram publicados os planos de trabalho das referidas comissões".

Um dos objetivos da criação da CPI da Petrobras no Senado é apurar denúncias de irregularidades na compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, em 2006, quando a presidente Dilma Rousseff (PT), que busca a reeleição, era presidente do Conselho de Administração da estatal.

Dia 23: Ex-presidente e diretores da Petrobras terão de devolver em US$ 792,3 milhões

Além dessa CPI, há uma outra CPI em funcionamento no Congresso, formada por deputados e senadores, para apuração das mesmas denúncias contra a Petrobras. A CPI mista também é presidida por Rêgo, que informou nesta terça que se reuniu com o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, para pedir que o órgão apure a denúncia. "O fato colocado na revista Veja suscita investigação", disse o senador.

Segundo o senador, a CPI da Petrobras no Senado ainda tem um mês e meio de trabalho pela frente até apresentação do relatório, e os trabalhos serão mantidos. "Vamos continuar na apuração dos fatos. É a nossa missão. A CPI não pode ser suspensa até por um dever constitucional e institucional do Senado."

*Com Reuters e Agência Brasil

Leia tudo sobre: cpicpi da petrobrasrenan calheirosvital do rêgo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas