Campanha do candidato petista ao governo de São Paulo tem rendido imagens com poses inusitadas do ex-ministro da Saúde

Nas últimas pesquisas de intenção de voto para o governo de São Paulo , Alexandre Padilha (PT) tem tido uma performance discreta, não ultrapassando mais do que 5%. O mesmo não se pode dizer do desempenho dele nas imagens de sua intensa agenda de campanha pelo Estado. Disposto a atrair a atenção dos eleitores, o petista não se acanha em aparecer nas poses mais inusitadas.  

Numa visita a cidade paulista de Carapicuíba, por exemplo, Padilha foi parar nos ombros do septuagenário senador Eduardo Suplicy (PT-SP). Enquanto passeava de "cavalinho", carregado pelo colega petista, o ex-ministro da Saúde ainda alisou a careca do pai do cantor Supla. 

Em outra agenda de campanha, no bairro paulistano de Campo Limpo, Padilha bateu bola num campinho de terra, sem o menor medo de se desiquilibrar e acabar no chão. Ainda na zona sul da capital, o petista exibiiu seus dotes artísticos tocando violão em um boteco.  

Padilha exibe a mesma animação na hora de fazer fotos com eleitores. Em São Mateus, zona leste da capital,  sobrou até para a colega petista e ministra da Cultura Marta Suplicy, que teve de bancar a fotógrafa para o candidato.  

Fotos: Campanha vira maratona de cafezinhos, petiscos e selfies para candidatos

Os candidatos Geraldo Alckmin (PSDB) e Paulo Skaf (PMDB), líder e segundo colocado nas pesquisas, respectivamente, têm sido bem mais discretos nas sua agendas de campanha. Em seus maiores momentos de descontração, os dois apareceram tomando cafezinhos com os eleitores.

A performance de Padilha diante das câmeras lembra do ex-ministro José Serra na corrida para a prefeitura de São Paulo, em 2012.  Na ocasião, o tucano se destacou com suas poses inusitadas e involuntariamente cômicas.

Alguns  momentos de Serra viraram memes e piadas na internet, como quando ele perdeu o sapato ao chutar uma bola. Em outra ocasião, o tucano foi surpreendido por uma leitora mais calorosa, que lhe tascou um beijo na boca.  

Leia também: Arrecadação de Alckmin sobe e de Skaf cai em relação a 2010


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.