Pena será cobrada a partir de sábado até a rede social apresentar informações sobre link patrocinado do tucano

O juiz eleitoral Marcelo Coutinho Gordo multiplicou por dez, para R$ 100 mil, a multa diária que o Facebook terá de pagar se não entregar os dados sobre uma suposta propaganda paga da página do governador Geraldo Alckmin (PSDB) na rede social. A decisão foi tomada nesta sexta-feira (1º).

O pedido foi feito pela campanha de Paulo Skaf (PMDB) , que acusa o tucano – seu principal concorrente na disputa pelo governo de São Paulo – de fazer propaganda irregular na internet.

Leia também: Páginas pessoais de candidatos na web são abastecidas por auxiliares

Skaf acusa Alckmin de usar links patrocinados – uma ferramenta pela qual o Facebook aumenta a exibição de determinados conteúdos aos usuários, mediante pagamento – para ampliar sua base de seguidores na rede social.  O tucano tem 324 mil seguidores, três vezes mais que o pemedebista (107 mil).

Segundo a denúncia, apenas um dos links patrocinados garantiu a Alckmin 5 mil seguidores em duas semanas. Skaf quer a desvinculação dessas pessoas e saber de onde saiu o dinheiro para pagar pela propaganda.

O Facebook, que inicialmente teria de entregar os dados sobre quem pagou até 25 de julho, conseguiu uma prorrogação. O prazo expirou nesta quinta-feira (31) às 17h, sem que a rede social prestasse as informações .

Nesta sexta-feira (1º), o juiz eleitoral reiterou a determinação para que a rede social entregue os dados, e estabeleceu a multa de R$ 100 mil por dia, a contar a partir deste sábado (2).

Além disso, com a nova decisão, o representante legal da rede social no Brasil pode ser preso se os dados não forem entregues.

Em nota, o Facebook informou que não comenta casos específicos, e que o s anunciantes são responsáveis pela adequação de seus anúncios à legislação aplicável.

"O Facebook está preparado para atender às demandas da Justiça Eleitoral", concluiu a nota.

A equipe de Alckmin informou que não se pronunciaria sobre  o caso. 

    Leia tudo sobre: facebook
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.