Vantagem de Dilma no Nordeste faz alto comando do PSDB questionar estratégia de Aécio de concentrar campanha em SP

As pesquisas eleitorais ascenderam o sinal amarelo no ninho tucano. Embora ainda seja cedo para um cenário mais palpável sobre a preferência do eleitorado, o alto comando do PSDB está preocupado com a estratégia adotada pelo candidato Aécio Neves de concentrar em São Paulo a campanha presidencial . Na avaliação dos dirigentes, se as eleições fossem hoje, Aécio levaria uma vantagem de 3 milhões de votos sobre a candidata do PT, a presidente Dilma Rousseff , mas perderia no Nordeste por uma diferença bem maior.

Estratégia: Aécio adia agenda no Nordeste para se concentrar no Sudeste

Artigo: Aécio reconhece uso de aeroporto e equívoco em não saber sobre homologação

Com os dados das pesquisas nas mãos, um dirigente do PSDB fez as contas e concluiu que, só no Ceará, Dilma teria 2,5 milhões de votos de vantagem. O problema torna-se ainda maior quando entram na avaliação redutos nordestinos do PT, como Bahia e Pernambuco, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva , principal cabo eleitoral de Dilma, mantém a popularidade em alta.

Ao perceber a estratégia tucana, Lula decidiu fazer caravanas pelo Nordeste para fazer campanha para a candidata do PT. Pernambucano de Garanhuns, o objetivo do ex-presidente é lembrar ao eleitorado pobre da região que foi em seu governo que o programa Bolsa Família ganhou dimensão.

Na CNI: Aécio diz que Brasil vive quadro de 'estagflação'

Embora tenha correligionários de peso na região, os coordenadores da campanha tucana querem que Aécio monte uma agenda nordestina o mais rápido possível. O candidato havia decidido fazer isso só depois do início da campanha pelo horário gratuito de rádio e tevê, a partir do próximo dia 19.

Os esforços do PSDB estão voltados agora para a possibilidade de forçar um segundo turno, estimulando, discretamente, o crescimento das candidaturas dos presidenciáveis Eduardo Campos (PSB) e pastor Everaldo Pereira (PSC), este por meio dos votos dos evangélicos.

Analistas de mercado: Eleição presidencial é a mais incerta desde 1989

Na avaliação dos tucanos, o pastor tem grande potencial de crescimento em função do avanço da comunidade evangélica, que representa 25% do eleitorado brasileiro.

    Leia tudo sobre: lula
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.