Para Rui Falcão, cenário atual será revertido com eventos, o envolvimento da militância e o programa eleitoral no rádio e TV

Reuters

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, procurou subestimar em entrevista à Reuters os altos índices de rejeição da presidente Dilma Rousseff , argumentando que são compatíveis com os de outras candidaturas petistas e que a campanha eleitoral que começa a engrenar agora será o momento para combatê-la.

Ao iG: ‘Vamos reeleger Dilma e trazer Lula de volta em 2018’, diz Rui Falcão

Rui Falcão, presidente nacional do PT (foto de arquivo)
Divulgação PT Nacional
Rui Falcão, presidente nacional do PT (foto de arquivo)

Para Falcão, que também é deputado estadual e coordenador-geral da campanha, os candidatos do PT nunca tiveram rejeição inferior a 30% e a da presidente, que se encontra em 35% segundo a última pesquisa do Datafolha , cederá por conta da presença de Dilma em eventos de campanha, do envolvimento da militância e do programa eleitoral no rádio e na TV.

Preocupado com rejeição: PT reformula campanha de Dilma e recruta Lula em SP

A propaganda na TV e no rádio, argumentou Falcão, vai permitir mostrar as realizações do governo Dilma - "as pessoas não têm dimensão de tudo que foi feito". E também fazer um comparativo com o passado, com o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, do PSDB, partido do principal adversário de Dilma, o senador Aécio Neves .

"Esse negócio do passado é fazer disputa de projetos; nosso projeto contra o projeto do (ex-presidente do Banco Central) Armínio Fraga, nosso projeto contra o projeto do FHC, o nosso projeto contra o projeto do Eduardo Gianetti da Fonseca", disse Falcão, citando dois dos principais economistas das equipes de Aécio e do ex-governador Eduardo Campos (PSB), que têm uma linha econômica claramente liberal.

Contra episódio Santander, governo boicota evento mundial de educação do banco

"Esse é um comparativo que não é para gerar medo, mas é para as pessoas refletirem que não vale a pena voltar ao passado", disse, depois de ser questionado se a campanha pretende investir no discurso do medo, como foi o caso de uma propaganda do PT meses atrás, que mostrava um cenário bastante sombrio para contrastar "como é hoje" e "como era antes dos governos do PT".

Mesmo não investindo explicitamente no temor do eleitorado, um exemplo usado por Falcão para mostrar as diferenças de projetos indica que o resultado final não será tão diferente. "Estamos reduzindo o que eles chamam de custo Brasil, sem precisar reduzir o custo Brasil pela via liberal, que é arrochar salário, ter uma taxa razoável de desemprego."

Veja fotos de Dilma em campanha:

Galeria: Campanha vira maratona de cafezinhos e petiscos para candidatos

Falcão relevou até mesmo a alta rejeição de Dilma em São Paulo, maior colégio eleitoral do País, que está em 47% segundo o Datafolha, e onde o candidato do PT ao governo do Estado, o ex-ministro Alexandre Padilha, está com apenas 4% das intenções de voto. "O Padilha vai crescer, pode apostar; não tem como o Padilha ter só 4%", disse Falcão, acrescentando que o movimento beneficiaria a presidente.

Mudanças

Mesmo o desejo de mudança da grande maioria da população, mostrado nas pesquisas eleitorais, que ganhou corpo a partir das grandes manifestações populares de junho de 2013 e que muitos analistas veem como um fator a pesar contra Dilma, foi defendido por Falcão como um ponto a favor do governo.

Analistas de mercado:  Eleição presidencial é a mais incerta desde 1989

"A população percebeu que é possível mudar a partir das mudanças que nós promovemos nesses 12 anos", disse o presidente do PT, referindo-se aos dois governos de Luiz Inácio Lula da Silva e ao mandato de Dilma.

Entre as mudanças que o PT defende na campanha, Falcão citou a reforma política proposta por Dilma em resposta às manifestações e outras três que também estão no programa de governo da candidata: reforma federativa, urbana e dos serviços públicos.

A reforma federativa englobaria mudanças tributárias, que exigem um pacto com os governadores, e a alteração do sistema de segurança pública, com um novo papel do governo federal.

Citando o que classificou de operação bem-sucedida da integração das forças de segurança durante a Copa do Mundo, Falcão defendeu o debate com os Estados, para "ver se é possível ampliar" isso.

Num momento de pessimismo com a economia, ele admitiu que a inflação é um problema, mas acredita não será um empecilho para a reeleição de Dilma, que será a própria porta-voz da campanha para essa área.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.