Futuro governador de Pernambuco terá desafio de melhorar indicadores sociais

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Seis candidatos disputarão o comando do Poder Executivo do Estado, tendo como desafio aprimorar educação e saneamento

Agência Brasil

Aumentar o tempo total de estudo da população, a renda familiar média e o acesso a serviços de saneamento básico e saúde são alguns dos desafios que o vencedor da disputa eleitoral pelo governo de Pernambuco terá de enfrentar.

Eleições 2014: 171 candidatos a governador disputam a preferência do brasileiro

Heinrich Aikawa/ Instituto Lula
Candidato do PTB, Armando Monteiro (E), segura a mão de Dilma Roussef em encontro do PT com PTB na capital de Pernambuco. Lula também esteve presente

O Produto Interno Bruto (PIB) do Estado, que é cerca de R$ 125 bilhões, vem crescendo acima da média brasileira. No entanto, os indicadores sociais reunidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que 1,7 milhão de famílias pernambucanas têm renda per capita de até meio salário mínimo por mês e estão inscritas no Cadastro Único de programas sociais do governo federal. Destas, 1,1 milhão recebem o Bolsa Família para complementar a renda, um indicativo de que ainda precisam de ajuda governamental para não viver na miséria.

No que se refere à educação e ao trabalho, somente 10% dos jovens entre 15 e 29 anos estudam e trabalham; 39,9% deles só trabalham e 26,9% não estudam nem trabalham. Os números ajudam a explicar o alto índice de analfabetismo no Estado: 20% das pessoas com 25 anos ou mais não têm instrução ou estudaram menos de um ano. Apenas 22,4% das pessoas a partir dessa idade estudaram 11 anos, tempo suficiente para concluir o ensino médio; e 8,1% estudaram 15 anos, o suficiente para concluir o ensino superior.

Na saúde, o desafio do próximo governador de Pernambuco será fazer investimentos que se reflitam no aumento da expectativa de vida da população. Entre os homens, a esperança de vida ao nascer é de 67,9 anos, enquanto a média brasileira é de 71 anos. Entre as mulheres, a expectativa é de 76,3 anos, ante a média nacional de 78,3 anos.

Ampliar o saneamento básico também está entre os desafios do vencedor das eleições de outubro no Estado. Entre os domicílios urbanos pernambucanos que têm renda per capita familiar de até meio salário mínimo, 50% não têm acesso a saneamento adequado. Dos 185 municípios do Estado, 22 não têm nenhum tipo de rede coletora de esgoto.

Em outubro, seis candidatos disputarão o comando do Poder Executivo estadual. O empresário e senador Armando Monteiro (PTB) concorrerá ao governo pela primeira vez. Ele é o cabeça de chapa da coligação Pernambuco Vai Mais Longe, formada por PTB, PT, PSC, PDT, PRB, PTdoB. Terá como vice Paulo Rubem Santiago Ferreira. Antes de ser senador, Monteio foi deputado federal.

Jair Pedro (PSTU) disputa pela segunda vez o governo de Pernambuco. Sem coligação com outros partidos, ele terá como vice Kátia Maria da Silva Telles. Jair Pedro é do Recife e já foi candidato à prefeitura da capital em 2012 e a vice-prefeito em 2008.

Assim como ele, José Carlos Pantaleão da Silva (PCO) disputa sem coligação. Servidor público, ele já foi candidato a vereador do Recife em 2008. A chapa do PCO tem Silvio Santos Pereira Lima como candidato a vice.

José Gomes (PSOL) assume a liderança da coligação Mobilização por Poder Popular, formada pelo PSOL e o PMN. A candidata a vice-governadora é Viviane Nascimento. Gomes já foi candidato a vice-prefeito em 2008 e a deputado federal em 2006.

O servidor público Miguel Anacleto (PCB) também será candidato sem coligação. Ele não participou das últimas eleições e terá como vice Délio Mendes Filho.

Paulo Câmara (PSB) será o candidato da maior coligação para o governo de Pernambuco. A aliança Frente Popular de Pernambuco é formada por PMDB, PCdoB, PSB, PTC, PRP, PV, PTN, PR, PSD, PPS, PSDB, SD, PPL, DEM, PHS, PSDC, PROS, PP, PEN, PRTB, PSL, além de seu partido, o PSB. Terá como vice Raul Jean Júnior.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas