Cardozo nega que governo tenha pressionado TCU em processo de Pasadena

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Reportagem diz que advogado-geral tentou tirar de pauta o processo, que acabou condenando 11 diretores da Petrobras

Agência Brasil

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, negou nesta terça-feira (29) que o governo tenha pressionado o Tribunal de Contas da União (TCU) para adiar votação sobre a compra da Refinaria de Pasadena pela Petrobras.

Dia 23: Ex-presidente e diretores da Petrobras terão de devolver em US$ 792,3 milhões

PASADENA REFINING COMPANY/DIVULGACAO
Compra da refinaria de Pasadena, nos EUA, desencadeou denúncias na Petrobras (foto de arquivo)

Graça Foster diz que compra de Pasadena pela Petrobras 'não foi bom negócio'

Dilma nega ter recebido cópia antecipada do contrato de Pasadena

Em coletiva no Rio de Janeiro, Cardozo disse que foi ao TCU juntamente com o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, para pedir um prazo maior para que a União pudesse se pronunciar sobre o relatório.

“Já tínhamos conhecimento do relatório, que inclusive inocentava a presidenta da República, mas o ministro Adams achava necessário, e eu pessoalmente avaliei como correto, que houvesse mais tempo para que a União pudesse se pronunciar na manifestação naquela sessão. Acompanhei o ministro Adams, para que pudéssemos dialogar relativamente à possibilidade de ter mais prazo para que a União pudesse coletar dados e fazer estudos do relatório. Esta foi exclusivamente a nossa razão de ida. Não foi para estabelecer nenhum tipo de pressão”, disse.

Reportagem publicada nesta terça (29) no Jornal O Globo diz que Adams tentou tirar de pauta o processo do TCU, que acabou condenando 11 diretores da Petrobras a ressarcir os cofres públicos em US$ 1 bilhão por causa da suspeita de irregularidades na compra da refinaria norte-americana.

Leia tudo sobre: pasadenatcupetrobras

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas