Encontro realizado no Palácio da Alvorada teve início no fim da tarde de terça-feira (22) e terminou por volta das 22 horas

A presidente Dilma Rousseff tentou disseminar otimismo em relação à economia na primeira reunião com os presidentes de partidos que compõem sua aliança para a reeleição em outubro. O encontro realizado no Palácio da Alvorada teve início no fim da tarde de terça-feira (22) e terminou por volta das 22 horas.

Pesquisa Ibope: Dilma venceria Aécio e Campos em eventual segundo turno

Mosaico Político: Inserções comerciais devem ser trunfo para Dilma

Participaram da reunião, além do vice-presidente Michel Temer, que preside o PMDB, os presidentes do PSD, PP, PR, PROS, PDT, PCdoB e PRB. Na saída, Temer disse que o encontro marcou a “instalação da campanha” e que o clima foi de “profundo otimismo”.

Segundo relato dos líderes presentes, Dilma ressaltou que, apesar das dificuldades da economia mundial, no Brasil ainda há geração de novos empregos, a renda ainda continua subindo e que esses fatores são mais importantes do que o baixo crescimento econômico.

Cenário: Palanques dão vantagem a Dilma nos 5 maiores colégios eleitorais do País

Veja também: As costuras de palanques estaduais

"Nós estamos vivendo num momento de crise mundial e, comparado a outros países, o Brasil ainda está melhor e isso será dito durante a campanha", afirmou à Reuters o presidente do PCdoB, Renato Rabelo.

Na saída do encontro, o vice-presidente da República, que disputa novamente o cargo de vice na chapa de Dilma, tentou afastar os prognósticos de alguns economistas que acreditam em uma possível recessão técnica no País. "Isso foi discutido, a questão da economia, e a marca foi de otimismo. Se não vamos ter PIB extraordinário, também não teremos PIB negativo", afirmou a jornalistas.

Reforço: Preocupado com rejeição, PT reformula campanha de Dilma e recruta Lula em SP

Nesta terça-feira, o governo reduziu suas estimativas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2014 para 1,8%, ante 2,5%. No mercado, já há estimativas de crescimento abaixo de 1%.

Terça: Governo reduz previsão de alta do PIB para 1,8% e vê mais inflação em 2014

Rabelo também falou que os aliados não acreditam na possibilidade de recessão, e foi traçado um quadro bastante otimista em relação à economia durante a reunião, inclusive por Dilma.

Na reunião também ficou acertado que os partidos que compõem a aliança de Dilma se reunirão ao menos quinzenalmente para debater as estratégias da campanha, mas inicialmente esses encontros terão periodicidade semanal. "Esse fórum será o centro decisório da campanha", disse Rabelo.

O deputado Luciano Castro (PR-RR), que representou o presidente do PR, senador Alfredo Nascimento, disse que não foram tomadas decisões estratégicas na terça-feira e que a reunião serviu para acertar a dinâmica das discussões que os aliados devem ter nos próximos meses.

Temer, Castro e Rabelo também afirmaram que a grande aposta da campanha para vencer as críticas dos candidatos de oposição e da mídia é o programa eleitoral no rádio e na TV, que começa em agosto.

"A primeira conclusão a que se chegou é que, embora tenhamos um grande espaço, um grande tempo na televisão, eu penso e todos pensamos que será até insuficiente para demonstrar tudo aquilo que o governo fez", afirmou Temer.

Dilma tem grande vantagem em relação aos adversários na propaganda de TV. Enquanto ela terá 11 minutos e 48 segundos para alardear as ações do governo e novas propostas, o candidato do PSDB, senador Aécio Neves , terá 4 minutos e 31 segundos, e o Eduardo Campos , candidato do PSB, terá apenas 1 minutos e 49 segundos.

Pesquisa Ibope divulgada na terça-feira mostrou a presidente Dilma com 38% das intenções de voto, contra 22% do candidato do PSDB, Aécio Neves, e 8% de Eduardo Campos, do PSB. A pesquisa encomendada pela TV Globo em parceria com o jornal O Estado de S.Paulo mostrou que Dilma venceria a eleição presidencial em um eventual segundo turno .

*Com Reuters e Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.