Com Haddad em inauguração, Lula não discursa, mas dá palpites

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Líder petista aponta falhas a serem corrigidas pelo prefeito durante evento em central de triagem de material reciclável

Brasil Econômico

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), deve ter matado as saudades na quarta-feira (16) da época em que era ministro da Educação do governo do ex-presidente Lula. Presente na inauguração de uma central mecanizada de triagem de material reciclável, o líder petista deu sugestões, apontou falhas que poderiam ser corrigidas e quis entender como funcionava cada um dos equipamentos que o prefeito mostrava para ele.

Leia:
Lula chamou Haddad para conversar sobre relação com Kassab

Afiado, Haddad não precisou da ajuda de assessores para esclarecer as dúvidas de Lula. Para o ex-presidente, os caminhões deveriam ter mensagens de incentivo à reciclagem e o barulho em uma parte do prédio era incômodo. Ele também conversou com catadores para saber das condições de trabalho deles e se houve alguma melhora com os programas desenvolvidos pela administração municipal.

Lula não discursou e deu apenas respostas rápidas aos jornalistas. Segundo aliados, seu objetivo foi manter o protagonismo do prefeito na inauguração. Oficialmente, ele foi convidado por conta de sua relação próxima com os recicladores. Desde quando era presidente, Lula participa anualmente de um café no Natal com catadores e pessoas em situação de rua.

Criticado publicamente pelo ex-presidente no mês passado por não divulgar as iniciativas de sua gestão, Haddad aproveitou a presença do antigo chefe para falar das ações da prefeitura na área socioambiental. Elogiou a aprovação do Plano Diretor e relacionou os investimentos em ciclovias, transporte público, reciclagem e iluminação com a melhoria na qualidade de vida. "Não estamos pensando na cidade que vamos entregar em 2016, mas na que queremos para 2040", disse.

Escolha pessoal
A central de triagem recebeu o nome da escritora Carolina Maria de Jesus de Quarto de Despejo. O próprio Haddad escolheu o nome. A autora foi catadora e morava na Favela do Canindé, onde foi descoberta pelo jornalista Audálio Dantas. Neste ano, é comemorado o centenário de nascimento dela.

Primeiro teste
A Prefeitura de São Paulo não desmobilizou ainda o comitê local da Copa. A ideia é fazer uma transição da estrutura utilizada no evento para a situação normal da cidade. Um dos testes será nesta quinta-feira (17), quando o Corinthians enfrenta o Internacional no Itaquerão. O jogo será às 19h30, no horário de pico do trânsito.

Leia também:
Com Haddad em baixa, PT aposta em Marta para ajudar Padilha
Dilma terá de conviver com o“Volta Lula”, avalia petista

Prêmio a garis
Mil garis da cidade, que trabalharam nos horários de jogos da Copa do Mundo, vão assistir ao jogo desta quinta-feira no Itaquerão. Outros dois mil devem ser convidados para as duas próximas partidas do Corinthians no estádio, inclusive ao clássico contra o Palmeiras. O prêmio foi acertado pela Prefeitura com o clube, empresas de limpeza e o sindicato.

Prazos correm em “recesso branco”
Os deputados federais Marcos Rogério (PDT-RO) e Júlio Delgado (PSB-MG) deverão ter bastante trabalho em Brasília nas próximas semanas, apesar do chamado “recesso branco”. Como, apesar de não haver votações, o Congresso Nacional funciona normalmente, os prazos para entrega dos relatórios na Comissão de Ética vão continuar correndo. Delgado analisa a situação de André Vargas (PT-PR) e do pedetista de Luiz Argôlo (SDD-BA), ambos acusados de ligação com o doleiro Alberto Youssef.

CPIs em curso podem ser prorrogadas
O recesso branco se caracteriza por não haver votações, exceto em esforços concentrados acordados. Por isso, a presença dos parlamentares não é medida. O prazo de funcionamento das comissões parlamentares de inquérito também vai continuar correndo. Inclusive das CPIs mistas e do Senado que apuram irregularidades na gestão da Petrobras, centros de disputa entre governistas e oposição.

“A apuração não foi para frente porque não foi comprovada. Vamos falar de futuro. Só para concluir: o PT teve 12 anos de governo e não quis investigar esse caso” 
Aécio Neves, presidenciável tucano, sobre as denúncias de compra de voto para a reeleição de FHC

*Com Leonardo Fuhrmann (interino)

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas